HISTÓRIA: Praça da Sé 1976, seus ônibus, a prosperidade e as mazelas sociais de uma metrópole

Algumas das joias garimpadas de um documentário que se tornou um tesouro histórico

Vídeo histórico retrata as belezas e as dificuldades de uma das regiões mais movimentadas da cidade de São Paulo

ADAMO BAZANI

A cidade de São Paulo tem a capacidade de reunir no mesmo lugar, o crescente e o decadente, a beleza e o horror, a prosperidade e a riqueza.

Um dos pontos da cidade mais diversificados e que congrega a imagem de metrópole próspera com cidadãos que lutam contra a pobreza é a Praça da Sé.

E isso não é de hoje.

Um vídeo de 1976, pertencente aos acervos da EMPLASA – Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano S.A., retrata bem este fato na época, que ainda é presente nos dias de hoje.

No local, cercado por lojas, ônibus, carros e asfalto; mascates, camelôs, pessoas com deficiência e sem emprego contam como tentam ganhar a vida na praça de diversas realidades.

Uma das falas, de um comerciante informal, mostra uma esperança para melhorar a região: a expansão do Metrô.

Outro transeunte da história já comentava um problema atual ainda. Nem todas as pessoas têm condições de arcar sozinhas com a passagem dos ônibus e, por isso, ainda fazem longas caminhadas, sendo de certa forma excluídas do transporte público.

Como o transporte está no dia a dia das pessoas e ajuda no crescimento de uma cidade, ônibus de diversos modelos e empresas de 1976 são um espetáculo para o expectador da janela do tempo.

É um festival para os olhos de quem gosta de história de ônibus, história da cidade, história de gente.

A produção executiva da obra é de Yara Silveira e Nilce Tranjan, que também dirigiu o breve documentário.

Uma das oportunidades é poder ver os ônibus da cidade com as cores originais, antes da padronização de pintura de Olavo Setúbal, que começou a ser implantada em 1978. A vantagem é que estas pinturas estão às vistas como eram de verdade, sem as polêmicas colorizações artificiais dos programas de edição de imagem.

Alto do Pari, CMTC, ÚTIL, Campo Belo, são algumas das empresas que se destacam nas imagens.

Os modelos são variados também: Monoblocos, desde o O-321 até o O-352, Striulli, Nicola, Caio Bela Vista, Bandeirante, representam bem como eram os transportes na época.

Assista, viaje, reflita e se delicie. Pedimos a colaboração de todos que, se houver interesse de compartilhar, envie o link desta matéria inteira aos seus amigos e grupos e não somente o vídeo. Afinal, imagens são legais, mas com informações, o compartilhamento fica muito melhor, além de reconhecer o trabalho de pesquisa de nosso site:

 

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: