Frota de veículos no Estado de São Paulo cresce 161% desde 1997

Trânsito e poluição são alguns dos “sintomas” mais evidentes do crescimento de frota sem investimentos em transportes públicos

Na capital paulista, segundo o Detran, aumento de frota foi de 82%

ADAMO BAZANI

A frota de veículos no Estado de São Paulo saltou de 11.197.440 unidades, em 1997, quando entrou em vigor o atual CTB – Código de Trânsito Brasileiro, para 29.164.426 em dezembro de 2017. O crescimento foi de 161%

Os dados foram divulgados pelo Detran-SP – Departamento de Trânsito do Estado de São Paulo.

Somente a capital paulista, possui 8.603.239 veículos, entre motos, carros, caminhonetes, caminhões e ônibus, de acordo com estatística de dezembro de 2017. Em 1997, este número era de 4.735.229 unidades. O dado revela, assim, que o crescimento da capital foi cerca da metade da taxa de todo o Estado, registrando elevação de 82%.

Este tipo de crescimento que antigamente era visto como sinal de prosperidade, hoje é encarado com preocupação por autoridades e especialistas em trânsito, urbanismo e saúde pública.

Em nota, o diretor-presidente do Detran-SP, Maxwell Vieira, destaca a necessidade de aperfeiçoar a formação dos motoristas

“O grande número veículos registrados faz com que nos preocupemos ainda mais com a segurança no trânsito. A formação dos condutores e o cuidado com os hábitos do cidadão é estritamente necessária, para que esse crescimento não represente mais riscos à vida”

O trânsito e a poluição também são outras preocupações.

Sem receber investimentos adequados, os sistemas de transportes coletivos ainda não atraem uma parcela da população que se desloca habitualmente pelo transporte individual.

A rede metroferroviária é insuficiente para a demanda e os ônibus ainda carecem de mais corredores, vias para melhor tráfego e priorização nas políticas públicas para aumentarem a eficiência e a atratividade.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Marcos disse:

    Com ctz…..fizeram um genocidio de linhad de onibus em regioes densamente povoadas como a zona leste…e o pior onde antigamente tinha onibus….hj nas alimentadores kombis fazem o servico com intervalos altissimos…….poucas ofertas de lugares, tarifa absurda de alta, excesso de baldeacoes, altos intervalos….tudo isso espanta os passageiros….nao adianta ter veiculos bons nas troncais e com baixos intervalos, com ar, wifi, netflix, chuveiro, frigobar e massageador de costas enquanto nas alimentadores utilizam kombis com altas intervalos

    1. Elvis disse:

      Marcos, e ainda pretendem reduzir em mais de 1000 ônibus da frota em SP, eles acham que são os 14.000 ônibus que causam o transito em SP e não os quase 9.000.000 de automóveis, eu acho que vão reduzir muito mais, vamos voltar na época que ficavamos mais de 1 hora esperando ônibus no Pq. D. Pedro II.

  2. Jose carlos ferreira disse:

    Uma pergunta ingênua….
    Quantas ruas, avenidas e outros meios de acesso foram criados nesse período estatístico para acolher e amenizar essa demanda de veiculos principalmente nas grandes cidades deste nosso Brasil Continental.

  3. Elvis disse:

    Jose Carlos Ferreira, alem de não aumentar outros meios de acesso, não investem e transporte público, deixando ele desinteressante, causando nos jovens a procura por um meio mais confortável de transporte o automóvel.

Deixe uma resposta