Metrô do DF vai cobrar de vândalos, conserto de trens danificados durante Carnaval

Janela de trem do Metrô jogada nos trilhos. Foto: Divulgação – Clique para Ampliar

Para isso, companhia vai usar imagens de câmeras de segurança e identificar os suspeitos

ADAMO BAZANI

“Quebrou, pagou”. “Tem gente que só aprende, quando dói no bolso”. “Não é justo todos pagarem por uma minoria”

Com estas lógicas, o Metrô do Distrito Federal quer que os vândalos que danificaram trens e estações no Carnaval paguem pelos prejuízos que causaram e não os passageiros que todos os dias pagam as tarifas e os contribuintes.

Para isso, em nota, a companhia informou que juntamente com a Polícia vai usar as imagens das câmeras de segurança para identificar os vândalos, que serão acionados judicialmente.

E os danos, não foram poucos, como explica a companhia em nota:

Durante os quatro dias do carnaval 2018, os trens da empresa realizaram 973 viagens. Desse total, aproximadamente 2% tiveram de ser paralisadas por atuações indevidas dos usuários. Entre essas atuações estão danos às portas dos trens, ocasionado o acionamento dos sistemas de segurança e impedindo a movimentação destes; invasões das vias e atuação de equipamentos de emergência.

Todos os atos de vandalismo ocorreram na volta para casa dos foliões. A empresa registrou atos de vandalismo contra um trem no dia 9/2; três trens no dia 10/2; 11 trens no dia 11/2; 12 trens no dia 12/2 e, por último, 14 trens na última noite do carnaval, terça-feira, dia 13/2.

No total foram danificadas 48 janelas, 25 portas, 118 capas de botões de emergência, 21 extintores e cinco luminárias. Três trens também foram alvo de pichações. Infelizmente ainda não foi possível recolocar em operação cinco dos trens vandalizados, em função do expressivo número de ocorrências. Os estoques de peças foram consumidos, requerendo que novas aquisições de sobressalentes sejam feitas pela empresa. – informou o Metrô do DF em nota oficial.

Os valores ainda não foram calculados.

Na mesma nota, o diretor de Operação e Manutenção do Metrô-DF, Carlos Alexandre da Cunha, disse que além de prejuízos financeiros, os vândalos-foliões colocaram em risco a segurança de todos no sistema.

“Além de ser crime e causar danos ao patrimônio público, que é de todos nós, eles colocam em risco a segurança dos usuários e dos próprios autores dos atos de vandalismo”

ÔNIBUS:

Os foliões também danificaram os ônibus urbanos do sistema do DF.

Foram ao menos 58 ônibus vandalizados, dos quais 31 da Urbi, 15 da Piracicabana, 10 da Pioneira e dois da Marechal.
As empresas de ônibus ainda contabilizam o prejuízo.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

NOTA NA ÍNTEGRA DO METRÔ:

 

Apesar do reforço do policiamento nas estações e trens durante o período do carnaval, bem como o reforço do número de empregados da empresa, o Metrô-DF registrou atos de vandalismo durante os quatro dias da folia, com danos aos patrimônio público e interrupções da operação durante a volta para casa dos foliões.

Durante os quatro dias do carnaval 2018, os trens da empresa realizaram 973 viagens. Desse total, aproximadamente 2% tiveram de ser paralisadas por atuações indevidas dos usuários. Entre essas atuações estão danos às portas dos trens, ocasionado o acionamento dos sistemas de segurança e impedindo a movimentação destes; invasões das vias e atuação de equipamentos de emergência.

Todos os atos de vandalismo ocorreram na volta para casa dos foliões. A empresa registrou atos de vandalismo contra um trem no dia 9/2; três trens no dia 10/2; 11 trens no dia 11/2; 12 trens no dia 12/2 e, por último, 14 trens na última noite do carnaval, terça-feira, dia 13/2.

No total foram danificadas 48 janelas, 25 portas, 118 capas de botões de emergência, 21 extintores e cinco luminárias. Três trens também foram alvo de pichações. Infelizmente ainda não foi possível recolocar em operação cinco dos trens vandalizados, em função do expressivo número de ocorrências. Os estoques de peças foram consumidos, requerendo que novas aquisições de sobressalentes sejam feitas pela empresa.

O Metrô-DF lamenta profundamente a ocorrência desses atos de vandalismo. “Além de ser crime e causar danos ao patrimônio público, que é de todos nós, eles colocam em risco a segurança dos usuários e dos próprios autores dos atos de vandalismo”, lamenta o diretor de Operação e Manutenção do Metrô-DF, Carlos Alexandre da Cunha.

“O Metrô está sempre disposto a contribuir para o sucesso das festas populares, no entanto, a população têm de entender que o serviço público de transporte é um direito social, custeado por todo cidadão, devendo ser respeitado e preservado por seus usuários”, alerta Carlos Alexandre.

A empresa destaca, ainda, a atuação e profissionalismo de seus empregados, que atenderam fortemente às convocações para trabalhar no carnaval e agiram decisivamente na solução dos problemas ocorridos. “Eles permitiram que a empresa atuasse, também, com um efetivo recorde durante o carnaval, nesta gestão”, informa Carlos Alexandre.

Os prejuízos financeiros causados pelos atos de vandalismo ainda estão sendo levantados pela empresa e, dentro do possível, pretende cobrar, na Justiça, os danos causados pelos autores que forem identificados pelos órgãos de segurança do Governo do Distrito Federal.

3 comentários em Metrô do DF vai cobrar de vândalos, conserto de trens danificados durante Carnaval

  1. Parabéns ao Metrô-DF! Nada como fazer sentir no órgão do corpo omde a dor é sentida com mais profundidade: o bolso!

  2. Certíssimo, parabéns ao Metro Brasiliano.

  3. Amigos, boa noite.

    Correto está; mas na prática estas cobranças não serão eficazes, sem contar o tempo que levará todas as ações.

    Sairá mais caro o molho do que o frango.

    Infelizmente, culpa do EFEITO BARSIL e do zilão de leis e recursos cabíveis.

    Isto sem saber qual é o valor da dívida e o número de ações, se o valor for de pequena monta, ai é que não vale a pena mesmo.

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: