Tarifas de ônibus do ABC devem subir em fevereiro

Ônibus em Santo André. Hoje tarifa é de R$ 4,20, mas pode ficar em torno de R$ 4,35

Prefeito de São Bernardo e presidente do Consórcio acha que congelamento não é a melhor solução. Empresas de ônibus dizem que vão protocolar pedidos nesta semana. Em Santo André, viações já pediram reajuste

ADAMO BAZANI

As tarifas de ônibus do ABC Paulista só devem subir em fevereiro.

Os valores das passagens não vão ser reajustados até que as empresas peçam e até agora isso não ocorreu em todas as cidades.

Foi o que informou o presidente do Consórcio Intermunicipal do ABC e prefeito de São Bernardo do Campo, Orlando Morando, na manhã desta terça-feira, 09 de janeiro, em reunião dos chefes dos executivos da região. Apenas Diadema não é mais filiada ao Consórcio com a saída por inciativa do prefeito Lauro Michels.

“Nenhuma das prefeituras recebeu pedido formal das concessionárias para reajustes. Não tem pedido. Não tem razão de ter aumento se o concessionário, que é o maior interessado, não pediu. Caso isso ocorra agora no mês de janeiro, as prefeituras ou pelas suas empresas [gerenciadoras] de transportes municipais ou pelas secretarias de transportes farão a abertura de preços de suas planilhas para ver se há necessidade de reajuste ou não” – disse Orlando Morando em coletiva.

O prefeito descartou, entretanto, congelamento de tarifa.

“O congelamento eu não considero a melhor proposta porque tem de abrir planilha. Se não tiver nenhuma inflação, nenhum reajuste, você pode falar em congelamento. Mas enquanto o País ainda tiver inflação, não é próprio você tratar com este indicativo [de não reajustar as tarifas]” – complementou Morando que justificou que as tarifas de ônibus no ABC são mais altas que as da capital paulista porque não há subsídios na região.

“São sistemas diferentes (Capital e ABC). A Capital já tem subsídios aos transportes, coisa que nós não temos. Nós não pegamos dinheiro público para pagar empresa de ônibus. Não ‘tou’ condenando, só estou dizendo que são sistemas diferentes. Além disso, a CPTM é uma empresa que também usa recursos públicos para sua subvenção. O Metrô até então operava no azul, mas toda a vez que tiver de comprar trem novo para o Metrô, é dinheiro público, não é recurso do Metrô que compra. Então, não pode tratar institutos diferentes de forma igual” – complementou o prefeito de São Bernardo e presidente do Consórcio Intermunicipal do ABC.

A secretária-adjunta de mobilidade de Santo André, Andrea Brisida, disse, porém, que as companhias de ônibus da cidade já apresentaram pedido de aumento.

“No caso de Santo André, nós recebemos uma solicitação da associação das empresas, a AESA (Associação das Empresas de Transporte de Passageiros do Sistema de Santo André), para atualização do valor da tarifa. Nós ainda não chegamos a uma conclusão, estamos ainda refinando estes estudos. Se a gente for fazer a análise fria do custo operacional com a demanda atual de passageiros, a tarifa vai ser exorbitante. Porque historicamente a demanda de passageiros tem caído gradativamente. Isso é fato.”  – disse a executiva.

O diretor jurídico do SETC/ABC – Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo do ABC, Francisco Bernardino Ferreira, disse ao Diário do Transporte, por telefone, que até a próxima sexta todos os pedidos das empresas serão protocolados nas prefeituras. Os pedidos não se dão de forma conjunta pelo sindicato, mas pelas empresas em cada município.

“No ano passado, as tarifas foram reajustadas em fevereiro e sempre nós ingressamos com as planilhas apresentando as necessidades de aumento cerca de 30 dias antes do ‘aniversário da tarifa’. E é o que vamos fazer até sexta-feira, entendendo a realidade econômica das empresas, mas também dos passageiros. Serão necessários reajustes” – disse Bernardino.

No final da tarde, o sindicato enviou uma nota à imprensa ressaltando que todos os pedidos de reajustes vão ser fundamentados com planilhas e “demais documentos para comprovação da variação dos custos de insumo em geral operacionais e operacionais”

A entidade das empresas de ônibus cita como exemplo o aumento do óleo diesel, acumulado em 18% segundo o SETC-ABC, e os salários dos motoristas de ônibus no ABC que é um dos mais altos da categoria em todo o País: R$ 3.100.

O Sindicato ainda atribuiu à falta de subsídios para as gratuidades ao fato de as tarifas de ônibus na região serem mais altas que os ônibus municipais da capital paulista, trens da CPTM e Metrô.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

1 comentário em Tarifas de ônibus do ABC devem subir em fevereiro

  1. Boa noite se ele aumentar passagem de ônibus é melhor andar de carro esse empresário de santo André comomdando ronam Maria ônibus vai ficar mais vazio tomar cuidado povo está de olho aberto se passagem passa para 4.70 com ele que vai de carro que é melhor

1 Trackback / Pingback

  1. Morando isenta empresários de ônibus sobre aumento, mas esquece de combinar com demais prefeitos | Bastidor Político

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: