Ministério Público do Trabalho propõe reajuste de 3% para rodoviários da Grande Vitória

Enquanto a categoria exige 5% de ganho real, as empresas de ônibus oferecem 1,83% de reajuste; impasse mantém a greve de ônibus na Grande Vitória, que deve permanecer até dia 10 de janeiro

ALEXANDRE PELEGI

Nem 5%, nem 1,83%, mas 3%.

Esta é a proposta do Ministério Público do Trabalho (MPT) para o reajuste salarial dos rodoviários e para encerrar a polêmica que tem mantido a greve dos ônibus na Grande Vitória há 11 dias. Se nada acontecer nos próximos dias, a paralisação deve prosseguir até a próxima quarta-feira, dia 10, quando finalmente será realizada audiência no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) para julgar o dissídio.

Enquanto as empresas de ônibus oferecem 1,83% de aumento para motoristas e cobradores, os rodoviários reivindicam 5% de ganho real de salário, mais o reajuste pela inflação.

A concessão de 3% de reajuste para a categoria, índice proposto pelo MPT-ES, fica um pouco acima da inflação e foi considerado pelo relator do processo, o procurador Valério Soares Heringer, como razoável diante do momento econômico.

Enquanto empresários e rodoviários não chegam a um acordo quanto ao reajuste salarial, a greve de motoristas e cobradores na Grande Vitória entrou em seu 12º dia neste sábado (6). Por determinação da Justiça, o sindicato mantém 70% da frota circulando nos horários de pico (das 6 às 9h e das 17 às 20h) e metade dos ônibus nos demais períodos.

Edson Bastos, presidente do Sindirodoviários, considerou o índice do Ministério Público melhor que o das empresas, mas diz “esperar mais”.

Já o Sindicato das Empresas de Transporte Metropolitano da Grande (GVBus) e o Sindicato de Transporte de Passageiros (Setpes) decidiram aguardar o julgamento do dissídio coletivo no dia 10 para então tomar posição sobre o assunto.

PROCURADOR ACREDITA QUE REAJUSTE DA TARIFA DOS ÔNIBUS FICARÁ ENTRE 3% E 3,5%

Valério Soares Heringer, procurador-chefe do MPT-ES, tem um argumento que reforça o índice de 3% que propõe para o reajuste salarial de motoristas e cobradores: o aumento da tarifa dos ônibus, que deverá ser realizado ainda em janeiro. Se realmente ocorrer, o valor da tarifa do sistema Transcol passaria dos atuais R$ 3,20 para R$ 3,30.

Valério alega que em audiência de conciliação realizada em dezembro de 2017, esta projeção de aumento na tarifa foi feita pela Companhia de Transportes Urbanos da Grande Vitória (Ceturb-GV). A Ceturb-GV nega, e diz que não estima e nem reconhece quaisquer percentuais de aumento para as passagens.

Já o procurador afirma que o aumento na tarifa já deveria ter sido divulgado, o que não aconteceu provavelmente por conta do impasse que provocou a greve de ônibus na região da Grande Vitória.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

1 Trackback / Pingback

  1. Greve de ônibus na Grande Vitória termina após julgamento de dissídio, garante sindicato dos rodoviários – Diário do Transporte

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: