Doria diz não temer protestos e garante que vai manter aumento da tarifa de ônibus

Prefeito João Doria e secretário Avelleda leem dados sobre sistema de transportes em coletiva

Prefeito de São Paulo disse nesta quinta-feira (5), em entrevista à Rádio Eldorado, que último aumento ocorreu há dois anos, e acredita que a população da capital vai entender

ALEXANDRE PELEGI

Em 2013, após um aumento de 20 centavos na tarifa do transporte coletivo, grandes mobilizações na capital fizeram o então prefeito Haddad e o governador Alckmin a recuarem, a ponto de cancelar os reajustes nos ônibus e no sistema metroferroviário.

Deste vez, pelos mesmos 20 centavos, o Movimento Passe Livre (MPL) quer repetir o que fez em 2013, e já marcou protesto para o dia 11 de janeiro. Naquele ano, foram 22 dias de protestos intensos.

Desta feita, porém, o atual prefeito de SP promete que não vai voltar atrás como seu antecessor, e vários prefeitos de outras cidades. Doria, em entrevista à Rádio Eldorado nesta quinta-feira (5), afirmou que não vê possibilidade de os protestos contra a tarifa repetirem o mesmo grau de adesão de 2013.

Na entrevista exclusiva concedida à emissora de rádio do grupo Estadão, o prefeito reafirmou que a última mudança no valor da tarifa ocorreu há dois anos, em janeiro de 2016. Ele acredita que desta vez a população vai entender o aumento, e minimizou grandes protestos.

À Eldorado o prefeito afirmou que além de facilitarem o troco, os 20 centavos a mais na tarifa representam um reajuste 30% abaixo da inflação acumulada em dois anos. E lembrou que se a correção inflacionária fosse aplicada na íntegra, a tarifa dos ônibus subiria para R$ 4,14.

Outro motivo citado por Doria para acreditar na compreensão da população paulista está no momento econômico. Segundo ele, a economia do País tem hoje aumento da taxa de empregos, inflação sob controle e expectativa de crescimento em 2018. E politizou a resposta, afirmando que “a situação de declínio, de descontrole da economia que havia até o encerramento do mandato da ex-presidente Dilma Rousseff (agosto de 2016) já não se vê mais“.

Além da prefeitura prever gasto de R$ 2,1 bilhões em subsídios para o transporte coletivo, além do aumento da tarifa poderia haver, também redução da gratuidade. Doria, no entanto, disse ainda que nenhuma alteração está prevista.

Quando em campanha, em setembro de 2016, o prefeito João Doria havia prometido não mexer na tarifa de ônibus durante seu mandato. Questionado por um jornalista, que lhe perguntou se ele iria manter a proposta de não aumentar a tarifa durante quatro anos, Doria foi taxativo: “Nós não vamos mexer nas tarifas. As tarifas serão mantidas nas condições em que se encontram neste momento“.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

1 comentário em Doria diz não temer protestos e garante que vai manter aumento da tarifa de ônibus

  1. SDTConsultoria em Transportes // 4 de janeiro de 2018 às 13:44 // Responder

    …Não há milagres no TRANSPORTE , SEJA ELE PASSAGEIROS OU CARGAS. O ideal seria termos tarifas iguais a Argentina R$1,80 a R$2,00. A diferença para os custos + Taxa de retorno de capital é subsidiado pelo GOVERNO , entretanto quem sustenta o governo somos nós . Desta forma nossos políticos ( executivo e legislativo ) que deixem de enganar a população e tratem de alocar recursos para o TRANSPORTE , EDUCAÇÃO , SEGURANÇA E INFRA ESTRUTURA , não necessariamente nesta ordem. Enquanto isto não ocorrer teremos sempre as discussões acaloradas sobre novas tarifas , baixa qualidade de ensino em nossas escolas públicas , rebeliões nos presídios,custos elevados no escoamento de nossas produções. .. Acorda BRASIL !

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: