Às vésperas de privatização do Bilhete Único, SPTrans abre mais um chamamento para startups darem de graça ideias para bilhetagem eletrônica

Ônibus em São Paulo. Fraudes no Bilhete Único influenciam na necessidade de mais subsídios, diz prefeitura

Mobilab foi criado com o objetivo de estimular ideias novas para os transportes na Capital Paulista

ADAMO BAZANI

Prestes a lançar o edital de licitação, que deve conceder a operação e gerenciamento da bilhetagem eletrônica à iniciativa privada, a Prefeitura de São Paulo abriu um novo chamamento público para startups, empresas de inovação, apresentarem ideias para melhorar o Bilhete Único.

O chamamento, realizado pela SPTrans – São Paulo Transporte, gerenciadora dos serviços de ônibus, e publicado no Diário Oficial desta quinta-feira,  12 de outubro de 2017, especifica que as startups terão acesso aos dados do sistema de transportes, mas não haverá custos à prefeitura para o desenvolvimento de novas ideias.

As interessadas, de acordo com o chamamento, devem criar aplicativos aos passageiros para facilitar o pagamento das tarifas de ônibus e recarga de créditos.

O presente Termo de Cooperação tem por objeto principal a cooperação técnica, gerencial e estratégica, entre os partícipes, visando a viabilização do desenvolvimento e a realização de testes de performance nos validadores de bilhetagem eletrônica em ambiente controlado pela SPTrans, com vistas ao desenvolvimento de aplicativo para pagamento de passagem no Sistema de Transporte Público de Passageiros.

Os trabalhados de desenvolvimento das ideias devem durar um ano e as empresas criadoras, cujas propostas foram aprovadas, também devem fazer a implantação no sistema.

Concluídas todas as etapas de desenvolvimento da solução proposta pela INTERESSADA, e sendo esse modelo de pagamento de passagens devidamente homologado pela SPTrans, e havendo interesse desta, a INTERESSADA se compromete a efetuar a respectiva implantação no Sistema de Transporte Público Coletivo de Passageiros da Cidade de São Paulo – Sistema Bilhete Único, devendo essa implantação ter início no prazo máximo de 30 (trinta) dias corridos contados da manifestação expressamente formalizada pela SPTrans, bem como obedecer ao cronograma a ser oportunamente definido.

As empresas terão acesso ao Mobilab, laboratório de mobilidade urbana da cidade de São Paulo, criado para incentivar novas ideias tecnológicas para os transportes.

Além disso, as parceiras das startups que participarem poderão ser indicadas para a execução dos projetos.

No chamamento, a SPTrans especifica as condições o termo de colaboração entre as empresas de inovação e o poder público:

– Intercâmbio de conhecimentos, experiências e informações técnicas e de negócio;

– Realização de testes em laboratório;

–  Utilização conjunta de laboratórios de ambos os partícipes (empresas e SPTrans);

– Desenvolvimento de ações que visem o desenvolvimento de novas funcionalidades da solução proposta; e

– Indicação de empresas/fornecedores parceiros para realização e criação de ambientes de testes.

Entretanto, a empresa de inovação interessada em participar do chamamento não terá exclusividade sobre a ideia depois de desenvolvida. A SPTrans pode usar a ideia para outras empresas executarem soluções semelhantes.

A celebração do presente Termo de Cooperação não configura exclusividade de qualquer espécie para a INTERESSADA na sua relação com a SPTrans, reservando esta o direito de credenciar/contratar tantas outras interessadas quanto julgar necessário para atuar no desenvolvimento de solução semelhante àquela pretendida por meio do presente instrumento.

Segundo a concepção do MobiLab, a vantagem para as startups participarem está na troca de conhecimento e aprendizado em contato com a dinâmica do setor de transportes e de uma empresa pública, além de poderem se tornar conhecidas das empresas de bilhetagem e de ônibus.

A modernização das formas de pagamento é um dos objetivos alegados pela prefeitura para a concessão do Bilhete Único.

Entre custos diretos e indiretos, a bilhetagem hoje tem impacto de quase R$ 460 milhões por ano nos cofres públicos, ainda de acordo com a administração.

Com a concessão, o Bilhete Único, pela promessa da prefeitura, deve se tornar multifuncional, com possibilidade de compras no comércio nas modalidades crédito e débito, além de permitir acesso a equipamentos de saúde e atrações culturais e esportivas.

Tanto startups como empresas de grande porte que participarem da licitação de concessão do Bilhete Único terão de aperfeiçoar a segurança do sistema.

A bilhetagem tem sofrido com fraudes devido à fragilidade e falta de modernização do sistema.

Na justificativa do Plano Plurianual para o período entre 2018 e 2021, a prefeitura de São Paulo enfatizou que a remuneração das empresas de ônibus deve mudar porque hoje o modelo atual do sistema de transportes é deficitário e requer subsídios altos.

Um dos motivos apontados para os problemas financeiros da rede e para a ineficiência dos serviços, gerando aumento dos subsídios, são as fraudes no Bilhete Único.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2017/10/11/em-plano-plurianual-doria-diz-que-metodo-de-remuneracao-do-sistema-de-transportes-devera-mudar/

Confira o chamamento público:

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

1 comentário em Às vésperas de privatização do Bilhete Único, SPTrans abre mais um chamamento para startups darem de graça ideias para bilhetagem eletrônica

  1. Amigos, bom dia.

    Conforme consta no post acima.

    “Entretanto, a empresa de inovação interessada em participar do chamamento não terá exclusividade sobre a ideia depois de desenvolvida. A SPTrans pode usar a ideia para outras empresas executarem soluções semelhantes.”

    PREVISIVELLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLL

    Este é um projeto natimorto, depois não digam que o Paulo Gil não avisou.

    Empresa e nem startups, são instituições filantrópicas.

    A PMSP está dividida:

    Uma la modernista demais que quer até lançar títulos no mercado de multas futuras, faturamento antecipado.

    E uma ala JURÁSSICA que quer fazer o impossível, atrair empresas ou startups, sem exclusividade e filantropicamente, piada né.

    E o mais triste de tudo é que a ala jurássica, parece que prevalece no buzão.

    Será que a PMSP abrirá mão do IPTU por um munícipe mais FELIZ ??

    NUNCA NÉ.

    Então reflitam e mudem este edital o quanto antes.

    Maim um trabalho que levará NADA a LUGAR NENHUM.

    Mais um desperdício do dinheiro do contribuinte e um marketing de EGOS.

    MEU DEUS…

    MUDA BARSIL ACOOOOOoooooooooooooooooooRDA SAMPA.

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: