Com prefeito cassado VLT de Sorocaba perde força e BRT volta à pauta

Sistema de ônibus foi abertamente defendido pelo atual secretário de Mobilidade e Acessibilidade e presidente da Urbes, Luiz Carlos Franchim

ALEXANDRE PELEGI

O projeto de BRT para Sorocaba, proposta do então prefeito Antonio Carlos Pannunzio em 2012, sofreu seguidos adiamentos, até a licitação para o serviço ser cancelada pelo novo prefeito José Crespo em maio deste ano, mês em que se realizou a concorrência pública para a implantação do modal. O certame foi vencido pelo Consórcio BRT Sorocaba, o único a apresentar proposta.

No entanto tudo pode mudar novamente. O prefeito Crespo foi cassado pela Câmara Municipal no final de agosto, acusado de crime de prevaricação e quebra de decoro. A vice-prefeita Jaqueline Coutinho, que ocupou o posto máximo do executivo municipal, deve trazer de volta à pauta da Prefeitura o modal BRT, que ela entende como “um projeto importante para a cidade”.

A proposta foi abertamente defendida pelo atual secretário de Mobilidade e Acessibilidade e presidente da Urbes, Luiz Carlos Franchim, numa audiência pública realizada nesta quarta-feira (dia 13). Franchim afirmou que o BRT seria a alternativa mais viável ao trânsito da cidade, quer pelo viés econômico como também pela execução.

O projeto original envolveu financiamento de R$ 134 milhões, e para sua execução seria necessário a desapropriar 16 imóveis. Pela proposta, o BRT teria 35 quilômetros de faixas exclusivas para ônibus ligando as zonas norte a sul e leste a oeste.

O secretário de Mobilidade enumerou argumentos em favor da continuidade do projeto BRT: tecnicamente é um modal que se implanta mais rápido, de forma mais barata e fornece uma solução moderna para a cidade com ônibus novos.

CRESPO ANULOU LICITAÇÃO DE BRT E PASSOU A PROPOR ABERTAMENTE PROJETO DE VLT

Eleito nas eleições de 2016, Crespo sempre foi um crítico do BRT. Desde a campanha eleitoral ele afirmava considerar inviável a execução do modal. Em seu lugar passou a defender a implantação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), que circularia entre estações distribuídas pelos bairros do município, aproveitando a malha ferroviária existente.

O atual secretário de Mobilidade, no entanto, critica o VLT de Crespo, projeto ainda em fase de estudos, por considera-lo menos viável do que o BRT, já com plano e financiamento aprovados.

Quanto ao pedido de cancelamento da licitação para o ônibus rápido, anunciado em maio pelo prefeito cassado, Franchim esclarece que o Consórcio que venceu a concorrência refutou o pedido. Como o projeto envolve financiamento federal, assunto ainda em aberto, existe a possibilidade de se retomar o BRT, segundo ele.

O secretário de Mobilidade ressalva que esta não é ainda não uma decisão oficial da atual prefeita Jaqueline, mas o sistema de ônibus BRT é defendido pela atual equipe técnica.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transporte

1 comentário em Com prefeito cassado VLT de Sorocaba perde força e BRT volta à pauta

  1. ‘Amigos, boa noite

    Que imbróglio BEM BARSIL.

    “aproveitando a malha ferroviária existente.”

    Com este aproveitamento NÃO há o que se falar em BRT.

    ACORDA SOROCABA.

    Esqueceram suas raízes a EFS ??

    MUDA BARSIL.

    UMA VERGONHA TANTA INCOMPETÊCIA.

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: