Empresa recorre de desclassificação e estudo que definiria transportes na Vila Luzita atrasa de novo

Ônibus articulados vieram da Sambaíba, têm nove anos de uso, mas não estão em más condições

Análise sobre a rede de transportes de Santo André deveria começar em agosto, mas prefeitura ainda terá de responder a recursos

ADAMO BAZANI

Mais um entrave para a licitação que deve escolher a empresa que será responsável pelo estudo da malha de transportes da cidade de Santo André, no ABC Paulista.

Na semana passada, uma das concorrentes, Oficina Engenheiros Consultores Associados Ltda, entrou com recurso contra a desclassificação por parte da comissão julgadora do certame.

Como havia noticiado o Diário do Transporte, na semana retrasada a prefeitura desclassificou todas as interessadas na concorrência. Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2017/07/08/definicao-sobre-onibus-na-vila-luzita-tem-novo-entrave-e-suzantur-ganha-com-tempo/

Agora, com esse recurso, a comissão terá um prazo de até cinco dias para dar a resposta.

Se não satisfeita, a empresa de consultoria pode mover uma ação judicial contra a licitação e paralisar por mais tempo o certame.

Este estudo foi considerado pela prefeitura a principal condição para realizar a licitação do sistema de ônibus da Vila Luzita, o maior regionalmente na cidade, que transporta 1,086 milhão de pessoas por mês, e que é operado atualmente por meio de autorização a título precário pela empresa Suzantur, que também entrou em Mauá por meio de contrato emergencial, vencendo depois uma licitação. A Suzantur opera nos mesmos moldes em São Carlos, no interior de São Paulo, onde nesta sexta-feira a prefeitura divulgou um novo processo licitatório. Veja:

https://diariodotransporte.com.br/2017/07/14/prefeitura-de-sao-carlos-lanca-licitacao-dos-transportes/

Apesar de fazer adequações nas linhas e colocar veículos com idade média mais nova que a antiga operadora, Expresso Guarará, a Suzantur não é obrigada a realizar todos os investimentos que seriam previstos num contrato de duração mais longa, assinado em regime de concessão por meio licitatório.

Um dos exemplos é a implantação de ônibus articulados novos. O prazo para a Suzantur ficar é indeterminado, mas como não há certeza do final do contrato, a empresa alega não ser possível fazer todos os investimentos mais altos.

Um ônibus articulado novo pode custar em torno de R$ 750 mil.

Hoje a frota tem 11 veículos nessa configuração, com nove anos de uso, que vieram da Sambaíba empresa operadora da capital paulista.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

1 comentário em Empresa recorre de desclassificação e estudo que definiria transportes na Vila Luzita atrasa de novo

  1. Amigos, bom dia.

    PREVISIVELLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLL

    Isto é apenas a consequência da existência do zilhão de leis e demais normas em excesso no Barsil.

    Sem contar que licitação e buzão não combinam há décadas.

    Sem contar que o recorrente é a Viação o que mesmo ??

    Ahh não é Viação é consultoria…, mais um erro da lei.

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: