Secovi oferece à prefeitura projeto de linha circular de bonde para o centro de São Paulo

Realizado pelo escritório do arquiteto Jaime Lerner, linha teria 12,8 km de extensão total, e faria transporte entre principais localidades e equipamentos culturais do centro, à semelhança do VLT Carioca. Lerner já fez a mesma sugestão para Curitiba, em oposição ao projeto do metrô local

ALEXANDRE PELEGI

O Secovi-SP – sindicato das empresas do mercado imobiliário e condomínios no Estado de São Paulo, encomendou e pagou ao escritório do incensado arquiteto Jaime Lerner um projeto de construção de uma linha circular por transporte público que interliga os principais pontos do centro da capital.

O plano foi oferecido à Prefeitura de São Paulo, que vai avaliar a possibilidade de construção do novo modal. Uma das tecnologias em análise seria o VLP (Veículo Leve sobre Pneus), conhecido como “bonde moderno”.

Segundo o portal UOL, o projeto foi tratado em reunião realizada no gabinete do prefeito João Doria no dia 6 de abril último. Além de Doria, estavam os arquitetos Jaime Lerner e Paulo Kawahara, e os secretários municipais Heloísa Proença (Urbanismo e Licenciamento) e Sérgio Avelleda (Transportes).

Ainda segundo o UOL, o projeto está nas mãos da secretária de Urbanismo e Licenciamento, Heloísa Proença, que teria assumido a pasta com o apoio de entidades do setor imobiliário, como o Secovi.

Pela proposta, a linha circular teria 12,8 km de extensão, em dois sentidos, horário e anti-horário. No sentido horário o trajeto seria de 5,8 km, com18 paradas programas. No sentido inverso, teria 7 km, com 20 paradas.

OBJETIVOS DO PROJETO:

Eduardo Della Manna, coordenador executivo de legislação urbana do Secovi-SP, disse ao UOL que “a implantação de um modal como esse no centro, com os outros modais de transporte já existentes, como o trem e o metrô, contribui para o reflorescimento da região”.

A linha proposta pelo plano de Lerner guarda semelhanças com a linha do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) Carioca, que interliga áreas da região central do Rio. O transporte ligaria as principais localidades e equipamentos culturais do centro, como a praça da República, os largos do Arouche e do Paissandu, a Estação Pinacoteca, a Sala São Paulo e o Theatro Municipal.

O “bonde moderno” seria, na visão do Secovi-SP, mais um indutor de desenvolvimento de áreas degradadas e abandonadas, onde ele inclui a região da Luz, conhecida pela cracolândia, local que desafia há tempos a prefeitura e o governo estadual.

O tipo de modal ainda é dúvida. Além do VLP – Veículo Leve sobre Pneus cogita-se ainda a opção do VLT e até mesmo uma linha exclusiva de ônibus.

No caso do VLP, sua circulação seria feita por ruas e avenidas já existentes, compartilhando o espaço com outros veículos. Isso significaria a desnecessidade de desapropriações de imóveis e interferências na paisagem. Trafegando por uma vala central, seria movido por energia elétrica, como no caso dos trólebus e antigos bondes paulistanos.

Pelo cálculo inicial do Secovi-SP cada km de VLP construído custaria cerca de R$ 80 milhões. Para uma linha com 12,8 km de extensão, custo total atingiria R$ 1,024 bilhão.

PROJETO É PRIORIDADE PARA SÃO PAULO?

Ouvido pelo portal UOL, o arquiteto e urbanista Moreno Zaidan, bacharel e mestre pela FAU-USP (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo) fez alguns questionamentos sobre o projeto: “com que propósito a linha vai funcionar, que tipo de viagem vai atender, como isso estará articulado na rede geral de transportes e para qual faixa de velocidade?”

“Só depois dessas questões resolvidas”, afirmou, “é que se vai ver a questão do desenho urbano desse equipamento na superfície de uma área, como a do centro, que tem alta circulação de pedestres, veículos, comércio. Como serão as estações?”.

Por fim, o especialista ressaltou que é necessário discutir antes a real necessidade de um projeto assim para a capital.

“Ele é de fato uma prioridade? Não seria mais importante investir esse dinheiro em outros corredores de transporte? Isso precisa ser discutido.”

MAIS DO MESMO?

O curioso é que Jaime Lerner já fez proposta semelhante à Prefeitura de Curitiba em 2013. O projeto idealizado pelo ex-prefeito curitibano previa a ligação entre o bairro Cachoeira e o Centro de Curitiba com uso de veículo elétrico (VLP), com estimativa de transportar até 260 mil pessoas por dia útil.

O prefeito Gustavo Fruet optou pela idéia de Lerner em substituição ao metrô para a cidade de Curitiba. Jaime Lerner é conhecido como um dos mais ferrenhos críticos do metrô como solução de mobilidade para a cidade. A idéia era que o novo projeto do VLP ficasse com parte dos recursos da União que seriam destinados ao projeto do metrô local.

O projeto foi apresentado em julho de 2013 pela prefeitura de Curitiba ao Ministério do Planejamento, ainda sem contar com a elaboração de um projeto executivo.  Orçado em R$ 950 milhões, o projeto previa a implantação do Veículo Leve sobre Pneus (VLP), que permitia ainda uma extensão de mais de 30 quilômetros sobre o traçado ferroviário já disponível na capital paranaense. O restante das intervenções pleiteadas à época pela prefeitura já possuíam projeto básico, que, somados ao VLP, atingiam a cifra de R$ 5,3 bilhões.

Em 2016 a prefeitura de Curitiba estudava propostas para a implantação do VLP na cidade. A companhia francesa NTL, de Estrasburgo, na França, chegou a apresentar o sistema à administração da cidade, segundo uma PPI – Procedimento de Manifestação de Interesse PMI lançado pela administração da capital paranaense.

Logo após sua posse, em janeiro de 2017, o novo prefeito de Curitiba, Rafael Grecca, anunciou como uma de suas prioridades para a área de transportes concluir a Linha Verde e adotar o VLP na cidade.

No mês seguinte, o assunto continuava em discussão. Sergio Vidoto, da M4 Consultoria, e então coordenador do projeto de implantação do VLP para Curitiba, respondia a uma série de questionamentos feitos pela Urbs. A empresa ligada à prefeitura apontara uma série de custos que não haviam sido levados em conta no projeto original, como detalhes sobre infraestrutura elétrica, necessários para abastecer as centenárias e veículos.

Mais: a Urbs questionou que o projeto fora calculado com base no total de passageiros transportados, e não nos chamados passageiros pagantes equivalentes, utilizados hoje no cálculo do município.

Pelo visto, por melhores que sejam as idéias, elas demandam muito tempo não apenas para discussão de sua viabilidade, como para sua implantação definitiva.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

 

4 comentários em Secovi oferece à prefeitura projeto de linha circular de bonde para o centro de São Paulo

  1. Amigos, boa noite.

    PRIMEIRO VAMOS TERMINAR OS AEROTRENS E A LINHA LARANJA DO METRO, não comecem a colocar a carroça na frente do burro.

    Por isso que esse país não dá certo.

    PRIMEIRO O INTERESSE PÚBLICO, a teoria todo mundo sabe, mas na prática NÃO.

    Com todo respeito aos projetistas.

    O bonde em Sampa já tinha a meio século atrás, não há necessidade de projeto e muito menos de paisagismo e beleza.

    Fecha o centro e põe o bonde, VLT, Aerotrem ou sei lá que nome quiserem dar e pronto.

    Parem de discutir sexo dos anjos.

    Acho que hoje em dia nem o a linha Estações existe mais, se quiser se locomover no centro de Sampa é mais prático andar a pé.

    Só não é prazeroso, muito tem um fétido cheiro de xixi e inúmeros cocozões pelas ruas e praças.

    Isso não tem o que pensar, assina logo e manda fazer.

    Só não me venham com a ideia absurda de derrubar o minhocão.

    Sugestão a la Paulo Gil, façam esse bonde moderno aéreo e com estações no solo, e deixem o centro de Sampa um calçadão só livre para as pessoas e para as bykes, pronto.

    Mas aumenta esse velocidade ai, pois bondinho 25/30 não acompanha o rítimo estressado de Sampa.

    Começa quando ? Em 2099 ??

    E a pergunta quer não quer calar.

    E terminará quando, 3099 ??

    Att,

    Paulo Gil

  2. Achei interessante, por ser um projeto paralelo ao Metro irisa ajudar muito, cidades diversas pelo mundo já utilizam esse serviço na parte central, seria uma boa.

  3. EXCELENTE…..SP merece ter cada vez mais atrações e facilidades para as pessoas…
    Como por um bonde turistico na Mooca….a volta dos ônibus executivos….um icone turistico como tem NY, LONDRES, PARIS….SP MERECE!!!!

  4. Um projeto interessante para o centro de São Paulo. Mas isso tem que estar em conjunto e coerente com propostas concretas para outras regiões muito degradadas do centro como o Parque Dom Pedro e a “cracolândia”. E tem que pensar em uma tecnologia que possa ser replicada para outras regiões do centro velho. Uma rede de bondes elétricos no centro, com mais linhas, integradas ao metrô, seria interessante. Uma readequação completa do eixo leste-oeste, ao longo das linhas de trem, que poderiam ser subterrâneas, duplicando a sua capacidade, a partir da construção da Nova Radial Leste-Oeste, o que abriria espaço para a demolição ou readequação do uso do minhocão. Poderíamos ter uma linha de bonde entre a Lapa, passando pelo vão central do minhocão, no caso de ele ser demolido; ou por ele próprio, no caso de ser reaproveitado; e seguindo pelo Glicério, Parque Dom Pedro, Bras e Celso Garcia. Junto com isso, um adensamento maior da área. A construção da linha 6, que infelizmente está parada ,por causa do embroglio Oldebrecht, que teria que ir o mais breve possível para a Zona Leste, quem sabe chegando à Cidade Líder e subindo na direção de Itaquera e São Miguel. Por Fim, com a Nova Radial Leste-Oeste, aqueles viadutos horrorosos no Parque Dom Pedro poderiam dar lugar a um parque efetivamente, ainda com esse trecho da Marginal Tamanduateí subterrânea. Mas isso tudo depende de muita grana, muita vontade política e uma capacidade de gestão contínua, que passe por uns 4 ou 5 mandatos de prefeitos e governadores.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: