Mercedes-Benz vende 94 ônibus de piso baixo para o sistema Transantiago, no Chile

De acordo com a companhia, o país é o segundo mercado da Mercedes-Benz do Brasil para exportação de ônibus

ADAMO BAZANI

A Mercedes-Benz do Brasil informou nesta terça-feira, 16 de maio de 2017, que vendeu 94 ônibus chassi O-500 U, de piso baixo, para renovação da frota do sistema de BRT (corredores de ônibus) e alimentadores Transantiago, da capital chilena: 68 veículos já estão em circulação e outras 26 unidades devem entrar em operação ainda neste ano.

Todos os veículos têm suspensão pneumática, o que segundo a fabricante amplia o conforto, e foram adquiridos pelas operadoras Buses Vule, Metbus e STP Santiago.

Os ônibus têm motores OM 926 LA de 256 cv, apontados pela Mercedes-Benz como indicados para os serviços urbanos, e a carroceria predominante é a modelo Mondego, da Caio, também feita no Brasil.

Por dia, o Transantigo atende aproximadamente 1,5 milhão de pessoas.

De acordo com diretor geral da Daimler Latina, Matthias Barth, o O 500 está presente no sistema desde a inauguração, em 2007.

“Comercializamos o modelo O 500 U desde a implementação desse Sistema que requer ônibus de grande versatilidade, robustez e resistência para encarar a rotina de transporte com grande movimentação de passageiros, como é o caso da cidade de Santiago do Chile”.

As negociações com o sistema são feitas pela representante da marca no País, Grupo Kaufmann.

Também desde a inauguração do Transantiago em 2007, segundo a Mercedes-Benz, já foram mais de 3400 ônibus da marca vendidos para o sistema, contando com diversos modelos: O 500 U – urbano piso baixo, O 500 UA – urbano piso baixo articulado, LO 915, LO 916 e OH 1115 – micros.

Ainda de acordo com a Mercedes-Benz, a marca está presente em mais de 50% no sistema Transantiago e o Chile hoje se tornou o maior comprador de ônibus da unidade brasileira da marca alemã. Enquanto em 2015 a participação do País era de 49,8% com 871 unidades, em 2016 a aumentou para 52,4% com 970 ônibus.

O executivo estima que o crescimento continue em 2017:

“Para 2017, a expectativa também é de avanço nas vendas. No acumulado do quadrimestre, por exemplo, foram vendidas 475 unidades, o que representa 58,5% do mercado e aumento de 33,7% em comparação com o mesmo período do ano passado, quando foram comercializados 315 ônibus e a participação de mercado era de 44,2%, ”

Diante do quadro econômico brasileiro em desaquecimento, o mercado externo tem sido uma das saídas para minimizar os efeitos da crise interna.

A Mercedes-Benz do Brasil exportou em 2016 o total de 6.527 ônibus, 10,5% a mais em relação a 2015, quando foram comercializadas 5.902 unidades. No quadrimestre de 2017, o resultado foi de 1.908 ônibus exportados, o que representa um aumento de 12,4% em relação ao mesmo período de 2016 com 1.697 unidades.

A fábrica de São Bernardo do Campo (SP), onde são produzidos os ônibus Mercedes-Benz, é o centro mundial de competência do Grupo Daimler para o desenvolvimento e a produção de chassis de ônibus.

A Empresa conta também com o maior CDT, Centro de Desenvolvimento Tecnológico, do Grupo Daimler fora da Alemanha, onde são desenvolvidos e testados os produtos e as tecnologias aplicadas nos ônibus, caminhões e agregados. Pioneiro no Brasil, este CDT é o maior da América Latina entre todos os fabricantes de veículos comerciais.

Como maior exportadora de veículos comerciais da América Latina, a Empresa tem comercializado seus ônibus e caminhões para mais de 40 países nos últimos anos. A grande aceitação dos produtos nos mercados de sua atuação é garantida não apenas pela qualidade do produto, mas também pelo amplo suporte oferecido aos clientes por meio dos serviços da marca. – diz a Mercedes-Benz, em nota.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes