Sorocaba promete apresentar em breve modelo de implementação do VLT

Prefeitura desistiu do BRT licitado na gestão anterior, e propõe readequar projeto para diminuir custo da obra  

ALEXANDRE PELEGI

O secretário de Mobilidade e Acessibilidade de Sorocoba, que também preside a Urbes – Trânsito e Transportes, Wilson Unterkircher Filho, afirmou a um programa da Rádio Ipanema FM que tem expectativa de que a proposta do modelo para implantação do VLT no município seja apresentada ao prefeito até o meio do ano. Após essa fase Unterkircher ressaltou que ainda será preciso um prazo de nove a doze meses para a realização de audiências públicas, preparações e editais de licitação.

O prefeito de Sorocaba, José Crespo, esteve esta semana em Brasília, onde participou de audiências para tratar do VLT. Ele se reuniu com representantes do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (DNIT), da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e da Rumo ALL – empresa que tem a concessão da linha férrea em Sorocaba. O objetivo foi tratar da assinatura do Contrato Operacional Específico – COE, previsto no Regulamento de Operações de Direito de Passagem e Tráfego Mútuo do Sistema Ferroviário Federal. Somente com o COE assinado é que a Urbes poderá dar início aos estudos de viabilidade de implantação do modal VLT em Sorocaba.

Para o presidente da Urbes é mais provável a aprovação do projeto por meio da PPP (Parceria Público-Privada). Segundo ele, o modelo de PPP permite que se chamem os interessados para apresentar propostas dentro de premissas definidas pelo próprio governo.

READEQUAÇÃO DO BRT

O governo anterior projetava implantar o modelo de BRT (Bus Rapid Transit) em Sorocaba, e chegou a licitar o projeto. Unterkircher disse que a atual gestão desistiu do modelo proposto para evitar desperdício de recursos, uma vez que consumiria R$ 39 milhões.

À emissora de rádio Unterkircher afirmou que a decisão de não assinar o contrato de implantação do BRT nos moldes propostos, com o prazo de concessão por 20 anos, foi tomada em função do forte impacto financeiro que causaria no valor do subsídio que já é pago ao sistema de transporte. Atualmente os gastos com subsídio na cidade estão na casa dos R$ 70 milhões.

A Prefeitura publicou um comunicado no Diário Oficial do Estado na última terça-feira (9), em que informou a empresa vencedora da licitação no ano passado, o Consórcio BRT Sorocaba, de que não fará mais o projeto. No comunicado foi dado prazo de cinco dias para que a empresa se manifeste sobre o assunto. O prazo se encerra na próxima segunda-feira (15). Após a data, o prefeito dará uma decisão final sobre a revogação da licitação, cujo prazo final vence no dia 30 de maio.

A proposta do prefeito José Crespo é readequar o projeto definido anteriormente, transformando alguns corredores exclusivos em faixas exclusivas para reduzir o impacto financeiro.

Pela proposta de readequação, a estimativa de investimento em infraestrutura cairia quase pela metade, de R$ 264 milhões para R$ 136 milhões.

O novo formato, no entanto, depende da aprovação de empréstimo de R$ 127 milhões, e a proposta de readequação foi encaminhada a Brasília para análise.

Alexandre Pelegi – jornalista especializado em transportes