Alckmin embarca para os EUA e levará na mala pacote de concessão de R$ 45 bilhões

Levando na bagagem mais de 20 projetos de parceria, governador paulista viaja embalado pelos bons resultados dos recentes leilões de transportes no estado.

ALEXANDRE PELEGI

Na próxima semana o governador paulista Geraldo Alckmin desembarcará nos Estados Unidos. Levando na bagagem mais de 20 projetos de parceria, Alckmin vai embalado pelos bons resultados dos recentes leilões de transportes.

O critério para arrematar grande parte dos projetos de concessão que o governo oferecerá aos investidores será o ágio pago sobre a outorga. A maior parte da carteira de projetos está concentrada em obras de transportes e habitação. Alckmin vai se reunir com fundos de investimento em Nova York em eventos promovidos pelo Bank of America e Itaú.

Dos R$ 45 bilhões previstos no pacote, 80% devem sair em até 12 meses. O que faltar ( R$ 9 bilhões) ainda está em estudo, e refere-se à projeto de concessão para expansão da hidrovia Tietê e de mais aeroportos. A expectativa dos assessores do governo paulista é que com a queda dos juros no longo prazo o investidor sairá em buscar de alternativas para investimentos mais rentáveis. A concessão  no setor de infraestrutura é um investimento com bom retorno por 30 anos, analisam os assessores do governo paulista.

Além de projetos que somam R$ 17,7 bilhões relativos a cinco aeroportos regionais e às rodovias do Centro-Oeste e dos Calçados (já transferidos à iniciativa privada em março e abril), já estão na praça os editais para concessão da operação e manutenção das linhas 5 (Lilás) e 17 (Ouro) do Metrô, além da PPP para construção de 13.100 habitações para famílias com renda mensal de até dez salários mínimos.

A linha 17 integrará o Aeroporto de Congonhas à rede metroferroviária da capital paulista. Já a linha 5-Lilás do Metrô compreende o trecho entre as estações Capão Redondo e Adolfo Pinheiro. Leia aqui sobre o lançamento do edital: https://diariodotransporte.com.br/2017/03/31/monotrilho-da-linha-17-ouro-tem-promessa-de-entrega-adiada-pela-terceira-vez/

METRÔ, MONOTRILHO, RODOANEL E TREM INTERCIDADES

O sistema de negócio para concessão das duas linhas do Metrô escolherá como vencedora da licitação a proposta com maior ágio sobre o lance mínimo, cravado em R$ 189,6 milhões. O investimento inicial é de R$ 88,5 milhões, com mais R$ 3 bilhões ao longo de 20 anos. Recentemente o governo paulista autorizou estudos para uma PPP de obras de adequação, modernização e operação das linhas 8 (Esmeralda) e 9 (Diamante) do Metrô, com valor de investimento de R$ 2,7 bilhões.

A linha 8 do Metrô liga 5 cidades da Região Metropolitana ao centro da capital, e a Linha 9 conecta Osasco ao extremo da Zona Sul de São Paulo.

Outra meta de Alckmin é conceder a operação da Linha 15-Prata do Metrô até o começo de 2018, com estimativa de investimentos de R$ 200 milhões. A linha 15 é o sistema monotrilho que, após pronto, ligará os bairros Ipiranga à Cidade Tiradentes.

Os editais futuros, em preparação pelo governo do estado, somam R$ 18,3 bilhões, e referem-se à concessão da operação do trecho Norte do Rodoanel, com aproximadamente 48 km, mais uma alça de acesso ao aeroporto de Guarulhos (com previsão de lançamento até o mês de agosto deste ano). Esta obra, quase concluída, é avaliada como de baixo investimento – R$ 380 milhões.

Até julho deverá ser lançada a consulta pública do lote Rodovias do Litoral, com investimento previsto de R$ 2,4 bilhões. O modelo dos editais terá foco na atração de investidores e grandes operadores.

Mas a grande expectativa está no projeto do trem intercidades, direcionado para grupos que tenham fôlego financeiro. A previsão é de concessão para a obra, com fornecimento do material rodante e sistema de trem de média velocidade, que irá operar em conjunto com a Linha 7-Rubi da CPTM. O montante de dinheiro a ser despendido no projeto é estimado em R$ 5 bilhões.