Linha 5 do Metrô é a que perde mais passageiros no 1º bimestre

Metrô de SP perdeu passageiros nos dois primeiros meses do ano, mas linha que atende a zona sul foi a mais atingida. Crise econômica é um dos motivos

ALEXANDRE PELEGI

O Metrô de SP perdeu passageiros nos dois primeiros meses de 2017. No total a queda foi de 1,9%, quando comparado a igual período do ano passado. Mas foi a Linha 5-lilás a campeã de perdas no sistema. A linha, que atende a zona sul da capital, ligando as estações Capão Redondo e Adolfo Pinheiro, foi a que mais perdeu passageiros, uma queda de 4,5%, o que representa cerca de menos 11 mil passageiros/dia.

As explicações para a queda se concentram em dois fatores: o desemprego que se abateu sobre a periferia, ocasionado pela forte crise econômica, e os custos da integração. Com menos dinheiro no bolso o paulistano que usa o sistema estaria evitando a integração, optando pela baldeação apenas entre ônibus. Mesmo fenômeno que tem esvaziado a linha 4 do metrô do Rio de Janeiro: com o aperto no bolso, o cidadão opta pelo modo mais econômico, compondo viagens apenas entre ônibus, mesmo que isso torne a viagem mais demorada.

Para o Metrô é um dado simbólico. Após perseguir sucessivos aumentos na quantidade de entradas e passageiros transportados, esta é a primeira vez que o sistema acusa queda nos índices. A companhia reforça a tese dos efeitos da crise sobre o sistema, e em nota afirma que seus efeitos refletiram diretamente na quantidade de passageiros transportados.

Apesar da oscilação para menos, o Metrô de SP informa que a quantidade de passageiros transportados se mantém na faixa de 1 bilhão de passageiros por ano. Esta quantidade se refere ao total de usuários que circulam diariamente pelo sistema, somando número de entradas, mais transferências gratuitas das linhas da CPTM e da linha 4-amarela.

Alexandre Pelegi