Greve Geral de 28 de abril: Confira onde foram decididas pelos sindicatos paralisações nos transportes.

Curitiba é uma das cidades que devem ser atingidas

Devem ser afetados serviços de ônibus, trens e metrô em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Distrito Federal, Paraná, Rio Grande do Sul, Recife, Fortaleza, Salvador, Cuiabá, Alagoas, Manaus, Amapá, Bahia, Mato Grosso, Maranhão, Rio Grande do Norte dizem sindicatos

ADAMO BAZANI

Os ferroviários da CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos confirmaram em assembleias na noite desta terça-feira, 25 de abril de 2017, que os funcionários das linhas 7-Rubi (Jundiaí – Francisco Morato – Luz), 10-Turquesa (Rio Grande da Serra – Santo André – Brás), 11 Coral (Luz – Mogi das Cruzes/Estudantes) e 12-Safira (Brás – Poá/Calmon Viana) vão aderir ao Dia Nacional de Paralisação, a greve geral que deve ocorrer na sexta-feira, 28 de abril, contra as reformas da Previdência e trabalhista. A paralisação será de 24 horas, de acordo com os dois sindicatos que representam os trabalhadores destas quatro linhas.

O governo do Estado de São Paulo deve entrar na justiça pedindo frota mínima.

Podem parar os trens das linhas 8-Diamante (Júlio Prestes – Itapevi )e 9-Esmeralda (Osasco – Grajaú).

Também devem parar na capital, os metroviários, motoristas e cobradores de ônibus.

Rodoviários de cidades da Grande São Paulo e Litoral Paulista também prometem cruzar os braços, de acordo com os sindicatos.

Se metroviários, ferroviários e motoristas e cobradores de ônibus seguirem de fato a recomendação dos sindicalistas, ao menos 13 milhões de passageiros em 30 cidades da Região Metropolitana e Litoral de São Paulo podem ficar sem transportes, a maior parte por 24 horas.

No caso do Metrô em São Paulo, devem ser paralisadas na sexta-feira as linhas estatais: 1 Azul (Jabaquara/Tucuruvi), 2 Verde (Vila Madalena/Vila Prudente), 3 Vermelha (Corinthians Itaquera / Palmeiras Barra Funda), 5 Lilás (Capão Redondo/Adolfo Pinheiro) e o monotrilho da linha 15-Prata (Vila Prudente/Oratório). Apenas a linha 4 Amarela (Butantã/Luz), que é privada, deve funcionar.

O sindicato que representa os motoristas e cobradores de ônibus da capital paulista também decidiu aderir ao Dia de Paralisações na próxima sexta-feira. A exemplo do que ocorreu no último dia 15 de março, entretanto, os ônibus do subsistema estrutural (viações de linhas maiores) devem parar e os ônibus e micro-ônibus do subsistema local (ex-cooperativas) devem operar normalmente.

Os motoristas e cobradores de ônibus do ABC Paulista (Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra) também devem paralisar as atividades na próxima sexta-feira, 28 de abril, por 24 horas.

Também confirmaram adesão ao dia de paralisações, motoristas e cobradores de ônibus de  Guarulhos, Itaquaquecetuba, Arujá, Poá, Ferraz de Vasconcelos, Osasco, Embu das Artes, Embu-Guaçu, São Lourenço da Serra, Itapecerica da Serra, Juquitiba, Vargem Grande Paulista e Taboão da Serra.

Nestes casos, de acordo com os sindicatos, as paralisações serão por 24 horas e vão atingir tanto as linhas municipais como as intermunicipais gerenciadas pela EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos.

No litoral paulista, devem paralisar as atividades os motoristas e cobradores de ônibus em Santos, São Vicente, Guarujá, Bertioga, Itanhaém, Peruíbe, Mongaguá, Cubatão e Praia Grande.

RIO DE JANEIRO:

O Sintraturb Rio, sindicato dos rodoviários do Rio de Janeiro, decidiu uma paralisação parcial dos motoristas e cobradores.

De acordo com a entidade sindical, em torno de 950 profissionais devem cruzar os braços.

A paralisação deve começar na madrugada de sexta-feira.

A entidade também vai pedir que a prefeitura faça um aditivo contratual para que seja proibida a terceirização no setor de transportes.

Ainda não foi definido o percentual de ônibus que devem ficar nas garagens.

BELO HORIZONTE E REGIÃO:

Na capital mineira, o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Belo Horizonte e Região Metropolitana – STTR diz que a expectativa é que 100% dos funcionários das empresas de ônibus participem da greve.

O Sindicato dos Empregados em Transportes Metroviários e Conexos de Minas Gerais – Sindimetro/MG decidiu em uma assembleia nesta terça-feira, dia 25, que o Metrô de BH também não deve funcionar.

O sindicalistas dizem que querem parar toda a frota de trens.

DISTRITO FEDERAL:

A CUT -Central Única dos Trabalhadores informou que no Distrito Federal, os rodoviários que atuam em Brasília e nas cidades vizinhas também devem cruzar os braços. No entanto, ainda será definida se a adesão à greve será por 24 horas ou apenas nas primeiras horas de operação.

PARANÁ:

O Sindimoc – Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Curitiba e Região Metropolitana decidiu no final da tarde desta terça-feira, 25 de abril, que a categoria também vai aderir totalmente à greve do dia 28 de abril. De acordo com a entidade, pode haver um outro ônibus nas linhas mas o transporte estará “extremamente reduzido”.

A greve deve atingir os ônibus da capital e das cidades da região metropolitana, como Almirante Tamandaré, Pinhais, São José dos Pinhais, Araucária, Contenda, Colombo, Campo Magro, Campo Largo, Bocaiúva do Sul, Rio Branco do Sul, Itaperuçu, Piraquara e Fazenda Rio Grande.

RIO GRANDE DO SUL:

Em nota oficial, o Daer – Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem do Estado do Rio Grande do Sul informou que determinou que as empresas responsáveis pelas linhas de transporte intermunicipal cancelem as viagens programadas para esta sexta-feira, 28 de abril, por causa da greve geral. O objetivo é garantir a segurança dos passageiros, funcionários e dos próprios veículos. Estão previstas manifestações nas rodovias. Confira a nota oficial:

O Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer) determinou que as empresas responsáveis pelas linhas de transporte intermunicipal de passageiros no Rio Grande do Sul cancelem as viagens na próxima sexta-feira (28). A medida foi adotada devido à greve geral anunciada por centrais sindicais em todo o país, em protesto contra as reformas trabalhista e da Previdência.
ordem de serviço foi emitida nesta terça-feira (25) pela Diretoria de Transportes Rodoviários do Daer. A determinação é para que as empresas de ônibus que têm como destino estações rodoviárias gaúchas parem as atividades a partir da 4h de sexta. As linhas com chegada prevista após esse horário não poderão deixar o local de embarque.

De acordo com o diretor Lauro Hagemann, o objetivo é preservar a integridade dos passageiros durante o dia de manifestações. “Estamos priorizando a segurança dos usuários do transporte intermunicipal e evitando que passem por inconvenientes durante o itinerário”, reforça.

A ordem garante, ainda, o ressarcimento do valor integral aos passageiros que já haviam adquirido os bilhetes. O usuário também pode optar pela remarcação da data de embarque, sem que precise pagar a mais.

O transporte fretado de passageiros não é afetado pela ordem de serviço, mas o Daer orienta que as viagens nessa modalidade também sejam canceladas.

O Sindimetro/RS – Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Metroviários e Conexas do Rio Grande do Sul decidiu aderir à paralisação. Segundo a entidade, nenhum trem deve deixar o pátio durante todo dia. O governo deve entrar com recurso para impedir a paralisação total.

RECIFE E REGIÃO:

No Grande Recife, os motoristas e cobradores de ônibus, por meio do sindicato, também anunciaram que devem cruzar os braços na próxima sexta-feira, 28 de abril.

O sindicato que representa a categoria fez anúncio na tarde desta segunda-feira durante uma manifestação contra a demissão de cerca de 400 cobradores de ônibus.

O Consórcio Grande Recife de Transporte, responsável pelas linhas, que ao menos 50% de frota nos horários de pico e 30% nas demais horas.

Os metroviários devem realizar uma assembleia nesta terça-feira para definir se param ou não.

FORTALEZA E REGIÃO:

O Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários do Ceará – Sintro-CE diz que os motoristas dos ônibus rodoviários interurbanos vão aderir ao Dia Nacional de Manifestações.

Não foi definido ainda se haverá paralisação total, o que deve ser decidido ainda nesta semana.

SALVADOR E REGIÃO:

Passageiros que dependem de ônibus em Salvador e em diversas cidades da Bahia devem estar atentos.

De acordo com o Sindicato dos Rodoviários no Estado da Bahia, a categoria deve aderir à greve geral no dia nacional de paralisações, prevista pelas centrais sindicais para ser realizada na próxima sexta-feira, 28 de abril de 2017.

Segundo a entidade sindical, a paralisação deve afetar os passageiros na capital Salvador e em mais de 400 cidades do Estado. Cada região, entretanto, deve definir como será a adesão, se total ou parcial.

CUIABÁ E REGIÃO:

No Mato Grosso, o sindicato dos rodoviários confirmou nesta terça-feira, 25, que motoristas e cobradores de ônibus devem cruzar os braços nesta sexta-feira, 28 de abril em Cuiabá e Várzea Grande.

O movimento devem envolver cerca de 2,5 mil rodoviários,  promete o Sindicato dos Trabalhadores (Stett/Cuiabá e Região).

Em Cuiabá e  Várzea Grande, operam aproximadamente 500 coletivos, que transportam em torno de 250 mil passageiros por dia.

MACEIÓ E REGIÃO:

Em Maceió e região, o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários do Estado de Alagoas (Sinttro/AL) decidiu que os ônibus só vão sair das garagens a partir do meio-dia.

Representantes da entidade sindical querem impedir a saída de 650 ônibus das empresas São Francisco, Real Alagoas, Veleiro e Cidade de Maceió.

MACAPÁ E REGIÃO:

Em Macapá, a CUT – Central Única dos Trabalhadores diz que os motoristas e cobradores de ônibus também vão cruzar os braços. Haverá atos na Praça da Bandeira e na Praça Veiga Cabral.

SÃO LUÍS E REGIÃO:

No Maranhão, deve haver atos que podem interferir o funcionamento dos transportes nas seguintes cidades: São Luís, Ribamar, Paço do Lumiar, Raposa, Rosário, Bacabeira, Morros, Presidente Juscelino, Cachoeira Grande, Icatu, Humberto de Campos, Barreirinhas, Santo Amaro, Santa Rita, Anajatuba, Miranda do Norte, Cantanhede, Pirapemas, Presidente Vargas, Vargem Grande, Nina Rodrigues, São Mateus, Bacabal, Pedreiras, Lago da Pedra, Lago do Junco, Lago dos Rodrigues, Santa Inês, Imperatriz, Açailândia, Presidente Dutra, Pinheiro, Caxias, Pastos Bons, São dos Patos, Colinas, São Domingos do Maranhão.

MANAUS E REGIÃO:

As centrais sindicais também dizem que haverá paralisação de motoristas e cobradores de ônibus em Manaus e cidades vizinhas. Atos devem ser realizados em garagens

NATAL E REGIÃO:

Em Natal, no Rio Grande do Norte, devem circular apenas 30% da frota de ônibus nesta sexta-feira, 28 de abril.

A decisão foi tomada pelo Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários do Rio Grande do Norte -Sintro-RN.

Natal possui uma frota hoje de 700 ônibus. Em torno de 210 veículos devem circular na cidade, mas ainda não há informações se em todas as linhas.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

10 comentários em Greve Geral de 28 de abril: Confira onde foram decididas pelos sindicatos paralisações nos transportes.

  1. Deus não está morto, nem nós, trabalhadores brasileiro. Estamos apenas cansados das mentiras dos governantes e de suas más intenções!!!!!

  2. Paolo Sergio Lampi // 25 de abril de 2017 às 21:38 // Responder

    E só parar de votar nos mesmos toda eleição.
    Se colocarmos gente nova que nunca teve cargo e nunca foi político, talvez comecemos a mudar a situação.

  3. Amigos, boa noite.

    Como o buzão de Sampa, sempre atrasado.

    Comissão da Câmara aprova texto da reforma trabalhista por 27 votos a 10.

    Fonte em 25.04.2017 as 23:12 hs

    https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2017/04/25/comissãocamara-aprova-texto-da-reforma-trabalhista.htm

    Cancela que já era.

    O Brasil precisa de produção e não de paralisação, afinal o país já está parado faz tempo; digo DEITADO EM BERÇO EXPLENDIDO.

    PARALISAÇÃO NÃO.

    Att,

    Paulo GIL

  4. Só digo isso, vai ser um caos.

  5. O sindicato com medo de perder a teta do imposto sindical, mais uma vez usando os trabalhadores como massa de manobra!!!
    Vamos trabalhar por um Brasil melhor.

    • Regina celia Rocha Barros // 27 de abril de 2017 às 00:29 // Responder

      Querida, você deve ser bem jovem para desconhecer a impotância da greve do dia 28 de abril de 2017. É uma escolha em que se garante os direitos adquiridos, ao longo de nossa história, ou voltamos para o ano de 1920.
      Foi graças a luta de brasileiros que não pensavam em si proprios e sim na geração futura, que alcançamos essas pequenas conquistas, que nos querem tirar.
      Antes de Getúlio, não havia previdêcia ou direitos trabalhistas. Vivíamos num regime de semi-escravidão.
      Era o patrão que determinava o quanto ganharíamos ou trabalharíamos. Nao se tinha hora para sair, só para chegar. Licença maternidade, era coisa de vagabundo (segundo o pensamento da elite da época).
      As medidas que não devem entrar em vigor, são as que nos tem proporcionado um minímo de dignidade.
      O povo brasileiro, que sabe o quanto esse governo golpista (sim golpista porque não foi eleito pelo voto, mas um golpe de que pedaladas eram crime, até ser eleito, depois pedaladas foram permitidas, deixando de ser crime, e o governo legítimo eleito pela maioria do povo brasileiro, foi deposto contra a vontade dos que o elegera) está querendo nos arrasar e violentar em nossos direitos essenciais, com essa falsa reforma, lhe perdoa pela sua falta de conhecimento, natural em uma jovem pouco informada. Mas até sexta-feira haverá tempo de se informar e decidir de que lado quer ficar. Do povo e trabalhador brasileiro ou dos Empresarios, Banqueiros, Latifundiários e todos da mesma linha. Tudo pra nós e zero para o povo.
      Deixo uma pergunta: com oferta de empregados, quem irá querer contratar uma pessoa de 60 anos.
      Em 1970, nao pude fazer vários concursos público, porque já tinha mais de 26 anos. Idade limite. Só com a mudança de governo, é que voltou a ser como era, sem limites de idade.
      Mas nesse governo que vem golpeando os direitos adquiridos (e ainda querendo nos fazer crer que é melhor para nós fazendo comparações que o novo amedronta – nos levando de 2017 para 1920 como se fosse novidade) tudo pode mudar de uma hora para outra e acontecer o absurdo que foi, se considerar um jovem ou jovem de 26 anos velhos para o serviço público. E a iniciativa privada, seguia junto com o governo. Aos 30 anos era-se considerado velho.
      Dar uma olhadinha na historia (que na reforma do ensino deve ser abolida) ajuda bastante, na tomada de decisões.

      • ADRIANI DELGADO // 27 de abril de 2017 às 22:44 //

        Infelizmente o povo ainda não tem cultura (IGNORANTES) o suficiente para entender a atual realidade. Isso é muito triste porque muitos escravos camuflados acha que é normal e aceitam tal sofrimento.

  6. DIA 28 EU VOU TRABALHARRRR!!!!

  7. fora temer seu irresponsável por que você não meche em seu salario gordo coloca para um salario minimo e deixa os pobres trabalhadores em paz ? por que não diminuem o salario dos parlamentares a um salario minimo e parem de roubar mas do que já roubam ??? que vergonha

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: