Crivella diz que sem ar-condicionado nos ônibus, tarifas não aumentam no Rio de Janeiro

De acordo com o prefeito, novo estudo deve determinar um cronograma possível para a readequação da frota

ADAMO BAZANI

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, disse nesta quinta-feira, 20 de abril de 2017, em encontro com moradores da Pavuna, na Zona Norte, que não haverá aumento da tarifa de ônibus enquanto as viações não cumprirem a meta oferecer à população 100% da frota com ar condicionado.

Segundo Marcelo Crivella, o acordo firmado por Termo de Ajustamento de Conduta proposto pelo Ministério Público na gestão do antecessor, Eduardo Paes, que determinava 100% dos ônibus com ar-condicionado até o final de 2016, não era possível de ser cumprido. O prefeito disse que agora está sendo realizado um estudo para estabelecer um cronograma para climatização, mas até que a meta com novo prazo não seja cumprida, a tarifa municipal dos ônibus continuará sendo de R$ 3,80.

“Enquanto não tiver ar condicionado, não tem aumento … Não houve um estudo prévio, não houve um argumento de engenharia de tráfego e de custos para a gente viabilizar aquilo que foi combinado. É preciso fazer um novo acordo e nós vamos fazer. Já estamos com uma empresa especializada, temos também os técnicos da prefeitura, estamos conversando com a Rio Ônibus, e com a Justiça para fazermos uma previsão que se cumpra … A população está triste porque só metade dos ônibus tem ar-condicionado, mas está alegre porque o prefeito não deu aumento na passagem de ônibus, que continua R$ 3,80 quando aumentou em todo o Brasil…E não subiu porque nossa frota ainda está com muito quentão, e o povo quer frescão”

Nesta semana, 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro negou pedido do Ministério Público para aumentar de R$ 5 mil para R$ 20 mil à prefeitura a multa para cada ônibus circulando sem ar condicionado.

Assim, o valor total da multa que era de R$ 20 milhões voltou ao patamar de R$ 5 milhões.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes