Com três anos de atraso, Alckmin assina contrato para continuação de obras em corredor de ônibus na região de Campinas

O Governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, participa da inauguração do Rodoterminal de Santa Barbara D´Oeste Data: 11/08/2015. Local: Santa Barbara D´Oeste/SP. Foto: Ciete Silvério/A2img.

De acordo com as previsões iniciais, sistema de 32,7 km deveria ter sido entregue no segundo semestre de 2014

ADAMO BAZANI

O Corredor Biléo Soares (Noroeste) ,que com seus 32,7 km de extensão beneficiaria por dia 2,5 milhões de habitantes entre  Campinas e Sumaré, deveria ter sido integralmente concluído no segundo semestre de 2014, de acordo com as previsões iniciais da EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos.

Mas até agora, são 19,7 km entre Campinas e Nova Odessa.

A nova previsão de conclusão é para o segundo semestre de 2018.

Nesta quinta-feira, 13 de abril de 2017, o governador Geraldo Alckmin assinou contrato com o Consórcio Construtor Biléo Soares, construtora que venceu a licitação para dar continuidade às obras do trecho entre Nova Odessa e Santa Bárbara D’Oeste.

As intervenções devem custar R$ 58,5 milhões.

Em nota, o Governo do Estado detalha as novas previsões e detalha como está o corredor até o momento.

Para 2017 e 2018, estão previstas as conclusões das seguintes obras:

– Terminal Americana (piso superior);

– Viário das avenidas São Paulo e Europa com sinalização vertical e horizontal e pontos de parada. Estações de transferência São Paulo e Amizade, em Santa Bárbara;

– Paradas Mônaco e Juruema, na Av. Europa, em Americana;

– Paradas Limeira e Algodão e Estação de Transferência São Paulo;

– Viário das avenidas da Fazenda e Laura Santos – inclusive com ciclovia. Pontos de parada, serviços de infraestrutura hidráulica, drenagem e sinalização viária;

– Adequação do sistema viário nas avenidas Perola Byington, Floriano Peixoto e Tiradentes;

– Estação de Transferência Ribeirão dos Toledos;

– Paradas Prefeito Isaias, Tivoli e mais quatro pontos de parada entre a Estação de Transferência Ribeirão dos Toledos e o Rodoterminal de Santa Bárbara;

– Ponte sobre o Ribeirão dos Toledos;

– Viaduto João Nicolini;

– Drenagem da rua João Bassora;

– Pontos de parada nas avenidas Dom Pedro e São Jerônimo.

Corredor Biléo Soares
Em agosto de 2016 foi publicado o edital para escolher a empresa que finalizaria o trecho Nova Odessa – Americana – Santa Bárbara D’Oeste do Corredor Biléo Soares. As obras foram interrompidas devido ao não cumprimento de prazos por parte da empresa, que teve o contrato rescindido pela EMTU/SP. O reinício acontece nos próximos dias e o término ficou para o segundo trimestre de 2018.

O Corredor já tem 19,7 quilômetros concluídos, compreendendo o Terminal Prefeito Magalhães Teixeira, em Campinas, com a Estação de Transferência Anhanguera e paradas Balão do Tavares e Alberto Sarmento; três quilômetros de faixa exclusiva (Campinas); Terminal de Integração (Hortolândia); Estação de Transferência (Americana); Terminal Metropolitano de Americana em operação parcial; cinco quilômetros de ciclovia (Hortolândia); Rodoterminal de Santa Bárbara d’Oeste; Terminal Rodoviário de Nova Odessa; 5,7 quilômetros de viário da av. Amélio Gazetta (Nova Odessa), sendo cinco quilômetros de corredor exclusivo de ônibus com seis paradas e uma estação de transferência.

No mês passado, o Diário do Transporte trouxe com exclusividade a informação de que todos os corredores de ônibus previstos para o estado de São Paulo e a requalificação do Corredor Metropolitano ABD, que já está em operação desde 1988, sofrem atrasos.

Na ocasião, EMTU – Empresa metropolitana de Transportes Urbanos responsabilizou a crise econômica e problemas com construtoras para o quadro.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2017/03/08/%EF%BB%BFcom-menos-verbas-emtu-divulga-previsoes-para-entregas-de-corredores-de-onibus-intermunicipais/

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

2 comentários em Com três anos de atraso, Alckmin assina contrato para continuação de obras em corredor de ônibus na região de Campinas

  1. LUIZ CARLOS DIRENZI // 14 de abril de 2017 às 15:20 // Responder

    Que absurdo não. A cidade de Campinas tem uma malha ferroviária da extinta Fepasa que corta boa parte do perímetro urbano e poderia ter criada a sua CPTM que interligaria toda a região a estação central com trens de Jundiaí-Campinas-Limeira, Mogi Mirim-Campinas-Indaiatuba e ainda reativar o ramal de Piracicaba. Mas é claro fica mais fácil e barato colocar ônibus.

    • Luiz Carlos Direnzi, boa noite.

      De pleno acordo, eu estive pensando nisto, mas eu estava em duvida.

      Com o seu comentario vc me tirou a duvida e fez a proposta c8rreta.

      Bota absurdo nisso, voce foi gentil.

      Att,

      Paulo Gil

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: