Empresa de Pernambuco desenvolve primeiro carro elétrico nacional

A empresa de tecnologia e mobilidade urbana Serttel desenvolveu o protótipo do primeiro automóvel abastecido com eletricidade do Brasil

ALEXANDRE PELEGI

A empresa pernambucana de tecnologia e mobilidade urbana Serttel desenvolveu o protótipo do primeiro automóvel abastecido com eletricidade do Brasil. Com o nome de VAMO – Veículo Alternativo para Mobilidade, ele sairá às ruas das cidades brasileiras em um ano. A Serttel não quer vender a tecnologia, mas sim usá-la em sistemas de carros compartilhados.

Desenvolvido nos últimos seis meses no Parque Tecnológico de Eletroeletrônicos e Tecnologia Associada (Parqtel), na Zona Oeste do Recife, a tecnologia foi apresentada no workshop “Energias Renováveis e Inovações Interconectadas”. O carro elétrico pernambucano conta com apenas três rodas: uma na frente e duas atrás, como um triciclo protegido.

O presidente da Serttel, Ângelo Leite, garante que a ausência da segunda roda dianteira não vai atrapalhar a estabilidade. Isso porque o modelo foi desenvolvido em parceria com duas empresas holandesas que fabricam carros de corrida neste mesmo formato.

O porte do veículo também é diferente do tradicional, sendo menor que os carros comerciais com 2,4 metros de comprimento e um metro de largura. Há versões distintas: uma com apenas lugar para o motorista, além de opções com assento de passageiro.

Diferente? Nem tanto…

A Serttel garante que dirigir um VAMO será semelhante a pilotar um carro comum. Isso porque ele terá as mesmas proporcionalidades e elementos de qualquer veículo. Depois da modelagem final, o VAMO terá ar-condicionado e direção elétrica, com câmbio também elétrico, ou seja, sem marchas e funcionando como um carro automático.

Potência? Como o motor elétrico é tradicionalmente mais potente que os de combustão, o pessoal da Serttel tomou precauções. Como o uso será urbano, a velocidade do Vamo foi limitada para 60 km/h, para proteger o motorista e garantir uma saída suave.

Por ser elétrico, o Vamo precisará ser carregado quando desligado. Assim a Serttel desenvolveu eletropostos semelhantes às bombas de combustíveis. A carga total dura de duas a três horas e permite que o carro rode por 100 quilômetros.

A bateria ainda é motivo de estudos, faltando definir se ela será de lítio (mais autonomia) ou de chumbo ácido (mais barata). A intenção da empresa é produzir o VAMO com até 3 mil euros, preço que não deve chegar ao consumidor, já que o veículo será produzido em pequena escala para ser usado em sistemas de compartilhamento.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes