Cai número de ônibus incendiados, mas aumenta depredação em São Paulo

Ações ocorrem em protestos, massa no dia a dia também. Foto: Vitor Sorano

De acordo com dados do SPUrbanuss, sindicato das empresas, média diária de depredações quase dobrou

ADAMO BAZANI

A média diária de ônibus depredados na cidade de São Paulo passou de 1,2 veículos danificados em 2015 para 2,1, em 2016, de acordo com dados divulgados no site do SPUrbanuss,  sindicato que reúne as empresas de ônibus do sistema estrutural.

Em 2016, foram danificados 787 veículos, dos quais 756 do sistema de concessão, que reúne empresas que a entidade representa, e 31 do sistema de permissão, as ex-cooperativas.

A zona Sudoeste é o local onde mais foram registrados atos de vandalismo, como quebra de portas, janelas, entradas USB, entradas de ar, luminárias, entre outros itens,  com 275 ocorrências no total.

Em 2015, foram depredados 446 ônibus, sendo 430 no subsistema de concessão e 16 no de permissão. Novamente a zona Sudoeste registrou o maior número de ocorrências, com 136 atos contabilizados.

Já em 2017, de 1º de janeiro a 22 de março, foram 123 ocorrências,  édia de 1,5 por dia com novamente a zona Sudoeste liderando: 27 atos

DEPREDA-1

DEPREDA-2

DEPREDA-3

INCÊNDIO:

A boa notícia é que o número de ônibus incendiados diminuiu de 2015 para 2016 ,embora continue alto.

No ano retrasado, foram destruídos em ações criminosas, ainda de acordo com o SPUrbanuss, 60 ônibus, dos quais 51 subsistema estrutural e nove das ex-cooperativas.

Em 2016, foram incendiados 47 ônibus, sendo 37 das empresas do subsistema estrutural e 10 do local.

Neste ano, até o dia 27 de março, o SPUrbanuss,  registrou cinco ônibus destruídos em incêndio, todos do subsistema estrutural. Desses, dois faziam linhas da madrugada, um na Vila Missionária, da empresa Mobibrasil, e outro, na Vila Anastácio, da Santa Brígida.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes