SPTrans instala câmeras em pontos na Estrada de Itapecerica para implantar “Corredor Rapidão”

Objetivo é monitorar quantidade de passageiros para dimensionar o tamanho das plataformas

ADAMO BAZANI

Câmeras de vídeo monitoramento estão instaladas em pontos de ônibus na Estrada de Itapecerica, na zona sul de São Paulo.

A medida é para verificar a quantidade de passageiros que circulam em cada parada. O objetivo é dimensionar a demanda e definir o tamanho das plataformas que devem fazer parte do BRT da região – corredor de ônibus, chamado pela administração Doria, de Rapidão.

O trecho entre os terminais Capelinha e João Dias vai ter cinco estações. Nelas, será possível pagar a tarifa antecipadamente, é o sistema de pré-embarque.

Inicialmente os ônibus que atendem este trecho permanecerão com cobradores, já que devem continuar o trajeto fora de corredor.

RAPIDÃO:

O Rapidão deve integrar a malha de BRT proposta para a cidade. O BRT – Bus Rapid Transit é um sistema de corredores que possui diferenciais, como pagamento antecipado de tarifa, pontos de ultrapassagem, linhas expressas ou semi-expressas e estações embarque e desembarque com acessibilidade.

A primeira característica a ser adotada na cidade será a cobrança antecipada. Com isso, nos corredores, os ônibus articulados, superarticiulados e biartiuculados não terão cobradores.

A operação piloto deve começar entre os terminais Capelinha e João Dias, na ziona Sul da cidade, aproveitando atual estrutura, mas futuramente, havendo as adequações.

A ligação foi escolhida devido à alta demanda e também à necessidade de ampliação da velocidade comercial.

Entre os terminais Capelinha e João Dias atualmente, no horário de pico da tarde, a velocidade média é de 19 km/h, abaixo, portanto, da meta de 25 Km /h proposta na gestão Fernando Haddad.

Doria também promete um aplicativo para o sistema BRT Rapidão, que seria concedido à iniciativa privada. Este aplicativo de celular informaria aos passageiros as linhas, horários e previsão de quando os veículos passariam nos pontos.

Doria diz que pretende reduzir em até 20 minutos o tempo de deslocamento para este sistema no trecho.

A gestão Fernando Haddad prometeu uma malha de 150 quilômetros de novos corredores.

No entanto, na prática, foram inaugurados ou requalificados 66 quilômetros.

Problemas como a crise econômica, que diminuiu a arrecadação do município e dificultou os repasses de verbas federais no âmbito do PAC – Programa de Aceleração do Crescimento, bloqueios reiterados por parte do TCM – Tribunal de Contas do Município e TCU Tribunal de Contas da União, que apontaram irregularidades nos editais de licitação e nas obras, como sobrepreço, e questões técnicas, estão entres os motivos do não cumprimento da meta de Haddad.

Desde os anos de 1990, com a promessa do antigo prefeito Celso Pitta de construir o Fura-Fila, a cidade espera um sistema de BRT de fato. O Fura- Fila, hoje chamado Expresso Tiradentes, só entrou em operação na gestão Gilberto Kassab, em 2007, e ainda com trajeto menor que original. No entanto, a velocidade comercial é superior à média dos corredores mais antigos.

No trajeto entre o Sacomã, na Zona Sudeste, Parque Dom Pedro, no centro, e do Parque Dom Pedro II, à Vila Prudente, na zona leste, hoje os ônibus conseguem desenvolver velocidade média de 42 km/h.

O Fura-Fila tinha projeto de seguir até a Cidade Tiradentes, na zona Leste, por isso o nome recente de Expresso Tirandentes.

A expansão depois foi modificada para a tecnologia do monotrilho, cujas obras não avançam desde 2010, quando o projeto foi apresentado à população. Apenas 2,3 quilômetros operam entre Sacomã e Vila Prudente. A linha 15 Prata deveria ter 26,7 quilômetros de extensão, 18 estações entre Ipiranga e Hospital Cidade Tiradentes ao custo R$ 3,5 bilhões com previsão de entrega total em 2012. Em 2015, orçamento ficou 105% mais alto, com o valor de R$ 7,2 bilhões. O custo por quilômetro sairia em 2010 por R$ 209 milhões, em 2015 por R$ 260 milhões e, no primeiro semestre de 2016, subiu para R$ 354 milhões. A previsão de 9 estações agora é para 2018. Está congelado o trecho entre Hospital Cidade Tiradentes e Iguatemi e Vila Prudente-Ipiranga. O governo do estado promete atendimento a uma demanda de 550 mil passageiros por dia

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes