Prefeitura de SP quer que semáforos sejam consertados em no máximo duas horas

CET lançou novo edital, no valor de R$ 81 milhões, para a manutenção permanente dos mais de 6,3 mil semáforos de São Paulo

ALEXANDRE PELEGI

Chuva em São Paulo é sinal de semáforos com defeito. O transtorno, já comum na vida do paulistano, prolonga-se muitas vezes por horas, situação que a prefeitura quer combater.

Anunciado hoje (23) cedo pelo presidente da Companhia de Engenharia de Tráfego, João Octaviano Neto, o novo edital tem o valor de R$ 81 milhões, com três lotes, garantindo às empresas vencedoras um contrato válido por um ano, podendo ser renovado. De acordo com o presidente da CET-SP desde dezembro São Paulo conta apenas com uma extensão de garantia de semáforos já reparados.

A novidade que traz o edital está no prazo para o conserto de semáforos com problemas: as empresas contratadas terão duas horas para efetuar o reparo dos equipamentos que estejam em situação de prioridade 1, índice que indica semáforos total ou parcialmente apagados.

São Paulo conta com 6.387 semáforos, dos quais 1.179 são controlados pela central de monitoramento. O Centro Operacional reúne as informações sobre o tráfego e faz a gestão de recursos disponíveis para atendimento. Os semáforos restantes (mais de 5 mil), caso apresentem problemas, dependem do trabalho de agentes da CET no local ou da ajuda da população para que o problema seja detectado. Para relatar esse tipo de problemas a CET coloca à disposição da população o telefone 1188.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes