Greve de ônibus em Curitiba e região entra no sétimo dia, mas pode acabar com nova proposta

Trabalhadores pedem agora 10% de aumento. Frota mínima não foi cumprida novamente

ADAMO BAZANI

A greve de motoristas e cobradores de ônibus em Curitiba e região metropolitana entra no sétimo dia, nesta terça-feira, 21 de março de 2017.

Novamente, o Sindimoc – Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana não cumpriu determinação de frota mínima da justiça, segundo a Urbs – Urbanização de Curitiba S.A., gerenciadora do sistema na capital paranaense.

De acordo com a gerenciadora, às 6h30 havia 35% da frota em circulação. A justiça estipulou 50% nos horários de pico e 40% nas demais horas.

Ainda segundo a Urbs, em nenhum dia, o Sindimoc cumpriu os percentuais exigidos. A multa estipulada pela justiça é de R$ 100 mil por hora de descumprimento.

Na tarde desta terça-feira, 21, deve haver mais uma reunião no Tribunal Regional do Trabalho entre representantes do Setransp, que é o sindicato que reúne os donos empresas de ônibus, e o Sindimoc.

O sindicato dos trabalhadores está com uma nova proposta: inicialmente a categoria pedia reajuste de 15% nos salários e, agora, pede 10% de reajuste salarial e aumento do vale alimentação para R$ 700. O primeiro pedido era vale-alimentação de R$ 977.

A categoria também pede abono salarial de R$ 450.

Já o sindicato das empresas de ônibus até o momento mantém proposta de 5,43% de reajuste nos salários e nos valores dos benefícios, de acordo com inflação acumulada entre o último aumento da categoria, em fevereiro do ano passado, e esse ano.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes