Alckmin diz que problemas de manutenção da CPTM são “agulha no palheiro”

Descarrilamento em trem da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) na estação Itaim Paulista interditou a Linha 12-Safira no dia 23 de fevereiro. Foto: Marcos Bezerra/Futura Press/Estadão Conteúdo

Segundo governador, apenas 3,5% da malha estão com problemas de manutenção

ADAMO BAZANI

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, disse nesta sexta-feira, 17 de março de 2017, em coletiva, que os problemas de manutenção nos trilhos da CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, relacionados à manutenção, são “agulha no palheiro” e que representam apenas 3,5% da malha.

“Você tem 3,5% da ferrovia com problema, com manutenção, que é periódica, permanente. Mas não enxerga que a CPTM transporta três milhões de passageiros por dia. E o Metrô, cinco milhões de passageiro/dia. Se ficar procurando agulha em palheiro, você vai sempre achar para criticar”,

Alckmin comentou a série de reportagens que a TV Globo, no SPTV e no Bom Dia São Paulo, exibiu mostrando que os maquinistas são obrigados a reduzir a velocidade em 49 trechos da rede por causa de problemas nos trilhos.

Técnicos da CPTM disseram que o trecho entre Campo Limpo Paulista e Várzea Paulista, na linha 7-Rubi, está desnivelado desde 2001. O limite de velocidade dos tens no segmento caiu de 90 km/h para 20 quilômetros km/h: 16 anos depois, segundo os maquinistas, o problema não foi resolvido e não tem data para solução.

A linha 12-Safira, no entanto, é a campeã de lentidão: em 18 km de trilhos, os trens operam mais devagar – o trecho corresponde a 24% da linha. Entre as estações Tatuapé e USP Leste, por exemplo, a travessia do Córrego Tiquatira está com problemas provocando desnivelamento das vias na curva, desde março de 2015 sem estimativas de solução.

Há problemas também na linha 10-Turquesa, principalmente, no trecho entre São Caetano do Sul e Santo André, onde a velocidade deveria ser de até 90 km/h, mas os trens não passam de 40 km/h e, entre Santo André e Capuava, onde o limite é de 90 km/h, só que na prática, as composições circulam em média a 20 km/h.

Alckmin falou que focar nos problemas do transporte investe ressaltar sua importância população “é um desestímulo a quem está trabalhando, ao ferroviário que está se dedicando”.

O governador terminou às críticas a série de reportagens dizendo que São Paulo é um “exemplo” para o país em investimento metroferroviário.

“É um exemplo. Questões pontuais permanentemente nós estamos avançando”

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

8 comentários em Alckmin diz que problemas de manutenção da CPTM são “agulha no palheiro”

  1. 04 descarrilhamento em um mês…pelo jeito é fácil achar agulha nesse palheiro.

  2. A CPTM quando foi assumida pelo Governo de SP do Governo Federal era uma verdadeira sucata. Os trens enferrujados, andavam de portas abertas, janelas quebradas, furos no piso, etc. Nesses anos estações foram reformadas e outras novas foram feitas, trens novos, o sistema está sendo modernizado. A CPTM se integrou gratuitamente com o Metrô e número de passageiros se multiplicou. Se ainda não está perfeito, avançou muito do que era há 20 anos.

  3. Amigos, boa noite.

    “CUIDADO COM O VAO E A ALTURA ENTRE O TREM E A PLATAFORMA”

    Este problema tam bem e agulha no palheiro ???

    Isto existe ha mais de 40 anos.

    Neste caso tanto a agulha como o palheiro sumiram no vao entre o trem e a plataforma.

    E olha que ha quase 5 anos eu ja mandei uma sugestao para a CPTM, perfeitamente factivel, mas ate hoje NADA.

    E o Aerotrem de Sampa ??

    Quando vai rodar ou implodir ?????

    Att,

    Paulo Gil

  4. Parabéns ao Welbi…vc é dos meus….Pois bem, poucos sabem da história da empresa, e eu acompanho desde quando lá em 90/91 foi eu quem começou uma luta pro mudanças, recuperação das linhas, quando eu fui assaltado 3 vezes, dentro dos trens da maldita CBTU (federal), vi mortes nas linhas por surfistas, senhora luxar tornozelos na plataforma, mendigo defecando na plataforma da Luz em plena luz do dia, atrasos, funcionários maltrajados e bêbados nos guichês da bilhetagem na LUZ. Daí comecei a levantar dados, fotografar as degradações desde Caieiras (onde morei) até o Brás. Convoquei jornais das regiões. Fiquei doente de tanta preocupação, quase morri. Foram inúmeras cartas com fotos ao governador Fleury à época até que um dia ele foi à Brasilia, falar com Itamar para trazer para SP a administração das linhas (poucos sabem disso). Quando ouvi na A VOZ DO BRASIL (até hj preciso dessa reportagem), de que Luiz Antonio Fleury se encontra com presidente Itamar Franco, para gerenciar parte da malha ferroviária, fiquei louco, pulei de alegria…. dai em diante segui os passos da transformação,,,,(tenho todas provas ), assim que foi criada a CPTM fui lá na primeira sede ver como estava sendo formada, em 92, na Francisco Matarazzo, Barra Funda. Hoje me sinto dono da empresa, a fagulha que acendi, lá atrás, a realidade do que eu fiz…Hoje a realidade de SP que não pára de crescer, mais gente mais lotação e a cidade não comporta mais. Mas quem vai proibir as pessoas de vir para cá? SP é a cidade das oportunidades, hoje vemos pessoas de várias partes do mundo, se engalfinhando nas ruas, coletivos e trens. Não reclame da CPTM, ajude-nos a melhorar, procurem obedecer as regras nas estações, fique de olho n Vão entre o trem e a plataforma (este vão é necessário para não haver abalroamento de vagões na plataforma, é de lei, (viu seu PAULO GIL) e, antes de reclamar da empresa procure entrar no site da CPTM e veja como se trabalha, veja o balanço da empresa, como eu próprio faço, dê sugestões antes de criticar…pois se não sabem, se olharmos em todo Brasil, não ha empresa mais moderna que a de SP. Vejam o que os fluminenses estão passando no Rio, me lembra do nosso sofrimento aqui…dos atrasos, velhos trens, estações caindo aos pedaços. O governador Cabral foi convidado por mim para conhecer a CPTM e as fábricas de vagões e quem sabe comprar daqui, para os cariocas. Mas ele desdenhou, foi comprar na China, que vieram enferrujados,,,,e hj , olhem onde ele está… NA CADEIA.
    Mais : pouco sabem o que era a linha de Itaquera-Brás, na parada XV era muitos furtos e ladrões, arrastões, gente que morria ao pular do trem para não ser assaltado….Isso me deixou enraivecido, e foi daí que comecei a ter a idéia de cobrar, pressionar o nosso governo. AGRADEÇAM AO FLEURY pelo que temos hoje, ao senador Aloisio, seu secretário de transportes Metropolitano….ESSE TREM É MEU.
    Por fim,,,existe na fisica a inércia, se não sabem, trens não podem correr a 90km em curvas, pois correm risco de descarrilamento sim, lotados então é tragédia na certa. Há mais de 40 anos a curva entre SCS e Santo André é feito lentamente, sempre. Visto que depois da curva o maquinista tem de certificar que o entroncamento lhe favorece para trocar de linha e plataforma (lembram do micro onibus que caiu da ponte, na Linha , bem na curva?)….e com trem correndo é perigoso,,,sem falar que com operários na via, trocando dormentes, as composições tem de reduzir velocidade. Não se troca dormentes à noite,,,Tenham bom senso…
    grato.
    ORLANDO SILVA

  5. passageiros da linha 10-Turquesa, por favor não jogue lixo na via,,,a estação Brás Agradece…cansei de ver tapetão de embalagens na via que vai para o ABC..é uma vergonha essa atitude.

  6. Sérgio Rodrigues Santana // 22 de Março de 2017 às 08:50 // Responder

    A cptm até comprou trens novos mas esqueceu de modernizar um sistema que tem mais de quarenta anos, se vai assumir o transporte público que o faça por completo ou quem sofre são os passageiros, pois tanto o governador Alckmin como os demais políticos não andam diariamente de transporte público; Gostaria de aproveitar e perguntar para o governador Alckmin quando vão começar a circular os tais trens regionais ligando São Paulo a São José dos Campos, Sorocaba, Araraquara e outras cidades? Segundo promessa de campanha do próprio Alckmin os mesmos já não eram para estar circulando em 2017?

  7. Sérgio Rodrigues // 22 de Março de 2017 às 08:57 // Responder

    Como que autoridade o governador Alckmin diz que está havendo a maior expansão ferroviária de São Paulo no seu governo? Pois foi no governo do PSDB que acabaram com o transporte ferroviário de São Paulo para outras cidades do interior Paulista e até outros Estados.

  8. Luiz Carlos Direnzi // 22 de Março de 2017 às 12:37 // Responder

    Pois é nao adianta somente comprar trens novos. Tem que efetuar manutencao nos pontos mais criticos. Se estao comprando trens novos é por que tem dinheiro, se tem dinheiro gastem para as devidas manutencoes nos trechos necessarios.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: