Biometria facial detecta uso irregular de gratuidades em Marília

Cartões são analisados e benefícios podem ser cortados caso comprovada má fé

ADAMO BAZANI

Presente em diversas cidades do país, a biometria facial, sistema que tira foto de passageiros com direito a descontos tarifários ou gratuidade quando passam pelas catracas, tem ajudado a combater uso indevido desses benefícios também em Marília, no Interior de São Paulo.

De acordo a TCGM – Transporte Coletivo Grande Marília e com a empresa de tecnologia Transdata Smart, para aumentar a eficiência do sistema deve haver uma interação entre a bilhetagem e os equipamentos.

“O Max Face foi escolhido devido à facilidade da integração com o nosso atual sistema de bilhetagem, que já é da Transdata. Além disso, a confiança adquirida durante tantos anos de serviços bem prestados foi um fator determinante para a nossa decisão de optar pela solução de biometria facial”, disse em nota o diretor da TCGM, Marcos Jacomelli

Já o diretor comercial da Transdata Smart, Devanir Magrini, conta que na tecnologia hoje está entre as principais aliadas no combate às fraudes.

“Algumas empresas de ônibus registram um crescimento repentino na utilização de cartões de isento ou de estudante em diversas viagens em um único dia. A constatação indica que passageiros podem estar usufruindo destes direitos de forma irregular”,

Na mesma nota, a empresa explica o funcionamento do sistema.

A câmera do sistema Max Face tira fotos dos passageiros durante o embarque, sendo que apenas cartões com registro de benefícios previamente cadastrados terão as fotos armazenadas no sistema.

 

Quando o ônibus encerra seu turno, estas fotos são enviadas pelas redes Wifi da garagem para a datacenter da operadora, onde um software começa a fazer a análise automática das fotos dos passageiros que utilizaram os veículos durante o dia. Caso não confiram com as fotos previamente cadastradas, irão para uma segunda etapa de verificação – agora pessoal –, onde um funcionário fará a comparação final.

 

Na eventual confirmação de que realmente não se trata do dono do cartão, a operadora poderá aplicar as sanções cabíveis para cada caso, como, por exemplo, o bloqueio temporário do mesmo.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes