Greve de ônibus em Curitiba e região metropolitana por falta de pagamento

grevesjose

Motoristas de ônibus de duas empresas cruzaram os braços e alegam que salários de dezembro não foram pagos

ADAMO BAZANI

Motoristas e cobradores das empresas CCD e São José (filial) que atendem a capital paranaense e parte da região metropolitana cruzaram os braços na manhã desta terça-feira, 10 de janeiro de 2017.

Os trabalhadores realizaram uma assembleia durante a madrugada e dizem que têm sido vítimas de atrasos constantes nos pagamentos. Eles ainda alegam que não houve o pagamento dos salários de dezembro, o que deveria ter ocorrido na última quinta-feira, 5 de janeiro.

De acordo com Sindimoc, sindicato dos motoristas e cobradores, além destas empresas, também não houve pagamento na empresa Tamandaré (filial), no entanto, os motoristas trabalham normalmente.

As duas empresas paralisadas reúnem aproximadamente 1700 trabalhadores e servem linhas importantes como o Inter II, Interbairros II, expressos biarticulados.

Logo mais às 10h, será realizada uma nova assembleia para definir os rumos da paralisação.

As empresas de ônibus já haviam reclamado da remuneração e de possíveis erros de cálculos de demanda de passageiros por parte da Urbs, gerenciadora do sistema da capital paranaense que, ainda de acordo com as transportadoras, causaram prejuízos. As comipanhias também se queixam da queda do número de passageiros.

Acompanhe nota do Setransp, sindicato das empresas de ônibus

Sobre a falta de pagamento integral da folha aos colaboradores nas empresas São José Filial, CCD e Tamandaré Filial, o Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana (Setransp) informa que esse problema é fruto de um desequilíbrio econômico-financeiro dos contratos de concessão, causado principalmente pelo fato de que a tarifa técnica é calculada em cima de uma projeção de passageiros que não se realiza, como as empresas vêm avisando há tempos. Para março a dezembro de 2016, por exemplo, a Urbs previu um total de 182.707.144 passageiros pagantes, mas só embarcaram nos ônibus 170.311.227. Isso significa que faltaram 12.395.917 passageiros nesse período para cobrir os custos do sistema, uma perda de cerca de R$ 45 milhões.

As empresas São José Filial, CCD e Tamandaré Filial estão buscando resolver o problema o mais rápido possível.

 

O serviço de transporte foi paralisado na São José Filial e na CCD. Por volta das 9h30, havia 64 linhas inoperantes: 28 da São José Filial e 36 da CCD.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes