Ônibus em Recife leva sete bicicletas ao mesmo tempo

Leva Bike
Tarifa é a mesma cobrada de outros passageiros

Projeto é em caráter experimental e veículo circula apenas aos domingos

ADAMO BAZANI

O consórcio Grande Recife de Transporte começou a testar em mais uma linha desde o último domingo, um ônibus especialmente adaptado que tem condições de transportar sete bicicletas ao mesmo tempo.

Trata-se do projeto Leva Bike. O veículo é da empresa Mobibrasil e faz a linha 2446 – UR-07 Terminal/ Ponto de Retorno.

Só é possível levar as bicicletas aos domingos. O passageiro com a bicicleta entra pela porta traseira desse ônibus, que é o único na linha, coloca o equipamento em um dos suportes na parte interna traseira do veículo, vai até o cobrador, faz o pagamento da passagem e roda a catraca. A linha atende vias importantes do centro de Recife.

As partidas deste ônibus ocorrem às 5h30, 07h, 09h20, 10h40, 12h20,14h, 15h40 e 19h45.

O valor da tarifa é a mesma cobrada dos demais passageiros. No mês de agosto, houve testes do Projeto Leva Bike na linha 2410 – Parque Capibaribe/TI TIP.

O trajeto da linha 2446 – UR-07 Terminal/ Ponto de Retorno é o seguinte:

erminal/ Ponto de Retorno:

Rua Serra Nova, Rua Roraima, Rua Tambiá, Rua Vale do Sirigi, Rua Diogo de Vasconcelos, Rua Gastão Vidigal, Avenida Joaquim Ribeiro, Ponte Marechal Humberto Castelo Branco, Avenida Caxangá, Praça Conselheiro João Alfredo, Rua Benfica, Praça Euclides da Cunha, Avenida Doutor Severino Pinheiro, Ponte Estácio Coimbra(Ponte do Derby) Praça do Derby( Pista Central), Avenida Governador de Lima Cavalcanti, Avenida Conde da Boa Vista, Ponte Duarte Coelho, Avenida Guararapes.

Ponto de Retorno/ Terminal:

Avenida Dantas Barreto( Pista  Oeste), Rua Siqueira Campos, Rua Cleto Campelo, Avenida Guararapes, Ponte Duarte Coelho, Avenida Conde da Boa Vista, Rua Dom Bosco, Rua Joaquim Nabuco,  Ponte da Capunga, Rua José Osório,  Rua Real da Torre,  Avenida Caxangá, Ponte Marechal Humberto Castelo Branco, Avenida Joaquim Ribeiro, Rua Gastão Vidigal, Rua Diogo de Vasconcelos, Rua Vale do Sirigi, Rua Tambía, Rua Roraima, Rua Serra Nova.

 

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Paulo Gil disse:

    Amigos, bom dia.

    Ideia interessante, mas eu nao vejo uma boa pratica operacional.

    Se alguem puder colaborar, seria legal enviar uma foto da parte interna deste buzao.

    O guidao ocupa muito espaco, seria legal para vermos como cabem 7 bykes.

    Tive uma ideia a partir deste, quem sabe um buzao pick up nao seja uma alternativa para nao misturar passageiros e bykes.

    Quem sabe…

    Mas esta e uma questao de dificik compatibilizacao.

    Att,

    Paulo Gil

  2. Luis Nunez disse:

    Em compensação quando a Mobi trouxer o carro para o operar no sistema EMTU em São Paulo, terá mais espaço para os passageiros andarem em pé no veículo.

  3. dudias disse:

    Vagões de trem na Europa levam dezenas de bicicletas por um mecanismo muito simples: bancos retráteis. São parecidos com alguns assentos para que os ônibus em São Paulo tem naquela área reservada para cadeirantes. Quando não há usuários o banco fica recolhido, e quando alguém for sentar, basta abaixá-lo. Quando for colocar a bicicleta, mantem o banco recoljido e encosta a magrela. VAle lembrar que em muitos casos este tipo de banco fica apenas em um dos lados do vagão.

Deixe uma resposta