Pneu de ônibus vai “dizer” como motorista dirige em Curitiba e Região Metropolitana

onibus Ônibus de São José dos Pinhais. Veículos com os equipamentos não foram identificados.

Testes são feitos em seis veículos da Viação São José em parceria com a Michelin

ADAMO BAZANI

Os pneus de ônibus de Curitiba e região metropolitana vão “dizer” como os motoristas estão dirigindo e traçar um perfil de operação.

Trata-se de um projeto da empresa Michelin em parceria com a Viação São José, que atua em Curitiba e em São José dos Pinhais, na região metropolitana.

Nos pneus de seis ônibus foram instalados equipamentos de telemetria que vão aferir dados como quilometragem, total de freadas, inclinações, acelerações entres outras informações que podem mostrar o comportamento do motorista.

O projeto chama-se Michelin Best Driver que por três anos analisou o comportamento de motoristas de carros particulares. Todos esses dados foram cruzados com o nível de desgaste de pneus. É a primeira vez que o projeto abrange veículos de transportes coletivos.

Dos seis ônibus que terão os equipamentos, quatro rodam na região metropolitana, em São José dos Pinhais, e dois na capital paranaense.

Os veículos não foram identificados para não atrapalhar os testes, fazendo com que os motoristas não ajam naturalmente.

Em média os pneus dianteiros, em ônibus com padrão operacional de Curitiba e região metropolitana, como os alimentadores, rodam entre 60 e 70 mil quilômetros durante a vida útil. Já os pneus traseiros podem rodar por 45 mil quilômetros e por outros 45 mil após a recauchutagem.

De acordo com a gerenciadora dos transportes da capital paranaense, Urbs, os pneus estão no item rodagem da planilha de custos dom sistema, cujo peso é de 11,55% na tarifa técnica que é  R$ 3,66.

Os resultados dos testes devem ser tabulados até o final de ano e futuramente podem gerar dados mais específicos que podem servir para treinamentos mais direcionados aos motoristas com a realidade operacional da região.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Deixe uma resposta