Seguindo Haddad, Grana libera táxis em faixa de ônibus em Santo André

Publicado em: 19 de setembro de 2016
ônibus

Faixa de ônibus em Santo André. Velocidade aumentou para os coletivos.

 

Com isso, velocidade dos coletivos pode ser alterada

ADAMO BAZANI

Seguindo o exemplo do prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, o comandante do Paço Municipal de Santo André, no ABC Paulista, Carlos Grana, também do PT, acaba de liberar a circulação de táxis com ou sem passageiros nas faixas que até então eram exclusivas para ônibus na cidade.

As coincidências não se resumem apenas ao fato de os dois prefeitos serem do mesmo partido.

A medida em Santo André ocorre em época eleitoral, no caso de Grana, durante a disputa municipal.

Já na capital paulista, os táxis começaram a poder circular nas faixas de ônibus em 13 de setembro de 2014 por decisão da prefeitura. Um dia antes foi feito o anúncio.

O prefeito Fernando Haddad e o secretário municipal de transportes, Jilmar Tatto, que defendiam de forma veemente que os espaços deveriam ser somente para os passageiros que usam o transporte coletivo, mudaram o discurso e disseram que os táxis não influenciam na velocidade comercial dos ônibus.

Em 06 de setembro de 2014, seis dias antes do anúncio, a ex-presidente Dilma Rousseff, também do PT e candidata a reeleição na época, esteve em São Paulo e se reuniu com lideranças de taxistas, como o presidente do principal sindicato da categoria, Natalício Bezerra, homem considerado de influência política na Capital Paulista.

Já no dia 11 de maio de 2016, para “compensar” a regulamentação de transporte por aplicativo, como o Uber, Haddad liberou a circulação dos táxis mesmo sem passageiro nas faixas de ônibus, mesclando ainda mais o tráfego com veículos de transporte coletivo.

Pelos corredores, à esquerda na capital paulista, os táxis puderam circular o dia inteiro, mas só com passageiros. Antes havia impedimento em alguns horários.

Em Santo André, permanece a proibição dos táxis ou qualquer outro veículo não autorizado circularem pelo Corredor Metropolitano ABD (dos trólebus) operado pela Metra. O corredor é de responsabilidade do governo do Estado.

Antes da liberação dos táxis, a velocidade média dos ônibus nas faixas de Santo André passou de 16,2 km/h, em 2013, para 18,1 km/h, em 2015.

São 5,75 km divididos em faixas para ônibus: Uma instalada em 2013, na região Central, que compreende a Avenida Perimetral e as ruas Siqueira Campos, General Glicério, Queiroz dos Santos, Luiz Pinto Fláquer e Coronel Alfredo Flaquer. Em 2014, outras duas foram implantadas na Rua Carijós e na Avenida Dom Pedro I, o que totaliza 5.750 metros de faixas exclusivas.

As empresas operadoras de ônibus municipais em Santo André são Viação Guaianazes/Viação Curuçá (prefixo 01 – ex Empresa Auto Ônibus Circular Humaitá), Viação Vaz (prefixo 02 – ex Viação Padroeira do Brasil), TCPN – Transportes Coletivos Parque das Nações (prefixo 03), ETURSA – Empresa de Transporte Urbano Rodoviário de Santo André (prefixo 04 – ex ENSA – Expresso Nova Santo André), EUSA – Empresa Urbana Santo André (prefixo 05 – ex Viação São Camilo), que formam o Consórcio União Santo André. Há também a Expresso Guarará (prefixo 08 – ex Viação São José), que presta serviços no Corredor da avenida Capitão Mário Toledo de Camargo e no terminal Vila Luzita com linhas troncais até o centro (TRs) e alimentadoras nos bairros da região de Vila Luzita (ALs).

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta