Turismo Religioso e Fretamento: Mesmo com crise econômica, empresa de ônibus espera faturamento crescer 35%

Publicado em: 16 de setembro de 2016

Ônibus da JSL que deve registrar crescimento por causa de turismo religioso

 

Somente neste final de semana, 70 ônibus da JSL sairão de Guarulhos para Aparecida

ADAMO BAZANI

O turismo religioso tem feito verdadeiros milagres para alguns setores, mesmo durante a crise econômica.

Com o segmento de fretamento de ônibus e vans a realidade não é diferente.

As atividades estão mais reduzidas no fretamento contínuo, como aquele que é feito para indústrias e escritórios e também para turismo eventual. Assim, as empresas de ônibus têm encontrado nas viagens religiosas uma alternativa para ao menos respirarem na crise.

A empresa JSL Logística, do Grupo Júlio Simões, acredita que neste ano deve aumentar em 35% a quantidade de viagens totais de fretamento na comparação com 2015. O faturamento deve chegar aos R$ 7 milhões com turismo rodoviário em geral.

Segundo a empresa, o turismo religioso será um dos responsáveis por esta expansão.

Somente neste sábado, 17 de setembro de 2016, 70 ônibus fretados da empresa com mais de 3.200 passageiros sairão de Guarulhos para Aparecida. A caravana é organizada pela Diocese do município da Grande São Paulo.

Além da Basílica, no interior paulista, a empresa destaca outros destinos religiosos que têm sido procurados, como o Templo de Salomão, da Igreja Universal do Reino de Deus, na capital paulista, e o Salão de Assembleias, espaço para congressos em Mairiporã, na região metropolitana de São Paulo, dass Testemunhas de Jeová.

“De segunda a sexta-feira ficam disponíveis dez ônibus por dia para fretamento. Aos finais de semana são 150, em média. Além da agência em Mogi, há pontos de atendimentos em São Bernardo do Campo e São José dos Campos.” – diz a empresa em nota.

onibus

Ônibus que já pertenceu a Reunidas Paulista, empresa de grande porte, hoje usado também em fretamento por companhia menor.

O fretamento religioso também tem ajudado empresas de menor porte ou até mesmo proprietários individuais de ônibus que mantém pequenos negócios e viram seu faturamento cair por causa da crise econômica.

Muitas vezes, comunidades religiosas, independentemente dos segmentos, alugam ônibus mais simples e antigos para deslocamentos relativamente curtos, como dentro de uma região metropolitana a fim de oferecer melhor deslocamento para os fiéis.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta