Metrô corta investimentos em expansão e operação, diz jornal

Publicado em: 11 de agosto de 2016

Foto: Renato Lobo

Foto: Renato Lobo

Foto: Renato Lobo

Companhia questiona dados da reportagem

RENATO LOBO

Um levantamento feito pelo jornal “Folha de São Paulo” mostra queda em investimentos na expansão da malha metroviária e na operação. A publicação usou como base informações de execução orçamentária, onde é constatada uma redução nos últimos dois anos.

Na comparação entre o primeiro semestre deste ano e 2014, o jornal da conta de que a redução em investimentos para manter as quatro linhas foi na ordem de 60%. Já na manutenção e modernização de trens e equipamentos, a retração foi 72% e de 33% no total destinado às obras de expansão da malha metroviária.

Em tom elevado de critica, o sindicato dos metroviários afirma que “é uma política de sucateamento para justificar a privatização das linhas”.

Já a companhia contesta os dados apresentados pela Folha de São Paulo. “As conclusões da reportagem acerca da execução orçamentária são prematuras, pois os percentuais definitivos são conhecidos quando do fechamento do ano fiscal”, diz o metrô.

O Metrô também cita feitos como a modernização de composições, onde 80 das 98 já foram entregues, reforma de freios e estações. Diz também que crise econômica impactou na expansão da malha, e que foi prejudicada pelo abandono de obras por empresas, no que diz respeito a ampliação da malha.

Um outro levantamento do site “Fiquem Sabendo” apontou que a quantidade de panes notáveis no sistema metroviário de São Paulo cresceu 27% no período entre 2011 e 2015.

Renato Lobo, técnico em Transportes Sobre Pneus e Trânsito Urbano

Comentários

  1. ”Diz também que crise econômica impactou na expansão da malha”, isso a 20 anos? E SP entrando nos trilhos, SQN.

  2. Paulo Gil disse:

    Amigos, boa noite.

    Esse é outro caminho sem volta.

    Não importa o motivo ou “pêrêrê bico de pato”.

    Privatiza logo e faz o troço funcionar.

    Pra que e$perar $ucatear ???

    Como i$$o cansa.

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta