Metrô de Curitiba deve sair mais caro e trajeto original é criticado por especialistas

Metrô de Curitiba é necessário, mas sobreposição em área onde já existe oferta de transportes é criticada. – Reprodução

Sistema é apontado como necessário na capital do Paraná, mas sobreposição com rede de ônibus recebe contestações

ADAMO BAZANI

Curitiba é considerada referência em mobilidade urbana por causa do BRT – Bus Rapid Transit, sistema de corredores de ônibus que permitem maior capacidade e velocidade aos veículos de transporte público. Entretanto, devido ao crescimento populacional, já é apontada a necessidade da implantação de um sistema de metrô, que não deveria anular os serviços de ônibus formando assim uma rede de transportes entre diferentes modais.

Mas a implantação do Metrô em Curitiba ainda gera muitas dúvidas e até mesmo críticas por parte de especialistas pela maneira como o sistema tem sido concebido. As discussões para que a cidade tenha o sistema já passam de dez anos.

Nesta semana, o secretário de Planejamento e Administração de Curitiba, Fábio Scatolin, disse ao jornal Tribuna Paraná Online que o município acredita num acordo com Governo Federal para lançar o edital de licitação do metrô ainda neste semestre de 2016. No entanto, pela correção da inflação e por causa do cenário econômico geral do País, o que inclui as taxas de câmbio, o metrô de Curitiba sairia neste ano mais caro do que o projetado em 2015. Se o edital for mesmo lançado até junho, o projeto não sairá por menos de R$ 5,5 bilhões. No ano passado o projeto estava orçado em R$ 4,7 bilhões, por uma PPP – Parceira Público Privada sendo que R$ 1,8 bilhão viriam do governo federal, R$ 700 milhões da prefeitura, R$ 700 milhões do governo estadual e R$ 1,5 bilhão da iniciativa privada.

Completo, o metrô de Curitiba teria 17,6 quilômetros de extensão fazendo a ligação Norte e Sul entre o CIC e o Cabral. Ao todo do seriam 19 Estações e o sistema transportaria 20 mil pessoas hora/sentido. A prefeitura prevê que as obras durem cinco anos após o início.

Mas não é apenas o custo maior que levanta polêmica nas discussões sobre o metrô de Curitiba.  A própria concepção da linha tem recebido críticas.

O trajeto seria sobreposto numa área onde há oferta de transportes por meio de um corredor de ônibus que podem atender à demanda, sendo que, na opinião de especialistas, existem outras ligações e trajetos que hoje necessitariam mais do metrô.

É o que diz ao mesmo jornal, engenheiro civil e diretor do Sindicato dos Engenheiros do Paraná (Senge-PR) José Ricardo Vargas de Faria.

“Ele subsistirá um sistema já amortizado, investimento que já foi pago em vez de ser implantando em um local onde estudos comprovem a demanda por novos sistemas de transporte, que complementem e não substituam o que já existe. Isto só pode ser apontado em uma pesquisa de origem-destino, que custa caro, mas é essencial em obras deste porte, afinal uma linha de ônibus pode ser alterada, já um trajeto de metro, não”

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

7 comentários em Metrô de Curitiba deve sair mais caro e trajeto original é criticado por especialistas

  1. Melhor q eles continuem só com os BRTs MUNICIPAIS E METROPOLITANOS e q estes voltem a ser motivos de orgulho do povo Curitibano e Paranaense como um todo ! Parem de gastar grana com obras desnecessárias e faraônicas e q “rolam” aos olhos de todos ! INVISTAM EM COISAS NECESSÁRIAS E Q SE FAZEM POR BAIXO DA TERRA…ESGOTOS POR EXEMPLO E ÁGUA POTÁVEL ENCANADA! Q TAL?? CURITIBA E SUA REGIÃO METROPOLITANA NÃO PRECISAM DO METRÔ! TEM OS BRTs! q são umas Bençãos !

  2. Jhonatan Ferreira Mello // 17 de fevereiro de 2016 às 15:34 // Responder

    Adamo, 5 bilhões é praticamente o orçamento da Prefeitura de Curitiba para 2016, então… sem chance. Na minha opinião, daria para aprimorar ( e muito) as canaletas existentes e criar mais algumas: Av. das Torres (Aeroporto-Rodoviária), João Bettega/Av Araucarias (Araucária-Cic-Pinheirinho), Extensão da linha Verde (Colombo-Fazenda), Contorno Sul (Pinheirinho-Sta. Felicidade) e até desativar ramal da All que passa no trecho norte da cidade para implantar canaleta (Almirante Tamandaré-Barreirinha-Bacacheri-Centro). Para isso, basta Interesse do poder público. Abraço.

  3. Alguns dados estranhos nessa história. Parecem bem furados. 5,5 bi para 17,6 km daria um custo de 312 milhões/km, corresponde a 78 milhões de dolares/km. Isso é custo de VLT. Metrôs custam entre 150 e 200 milhões de dolares/km.
    Demanda de 20.000 passageiros/hora não é demanda para metrô. BRT resolve. Metrô é para mais de 35.000. Se não é jogar dinheiro (que não tem) fora.

  4. Querem fazer igual SP?enrolar e super faturar?triste.

  5. Com o término do BRT da Linha Verde, acredito que vá cair o número de passageiros que hoje usam o eixo norte/sul, que é o trajeto do futuro metrô, ou seja, inviabilizando mais ainda esta obra faraônica. Pra mim o metrô deveria ser feito onde não da pra levar o BRT e onde a demanda seja realmente pra esse tipo de transporte.

  6. Cristiano Wesley Soares de Lima // 28 de março de 2016 às 01:33 // Responder

    com essa família gulin não vai ter metro nunca

  7. cristiano wesley soares de lima // 3 de maio de 2017 às 15:39 // Responder

    esqueçam o que eu falei

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: