Quase metade das cidades da Grande São Paulo tem a mesma tarifa da capital paulista

Publicado em: 19 de janeiro de 2016

onibus

Ônibus em Santo André. Cidades da Grande São Paulo não oferecem as mesmas integrações que na Capital, possuem ônibus bem mais simples, mas praticam o mesmo valor de tarifa.

No entanto, número de interações e extensão das linhas é bem menor nesses municípios. Ônibus são menos confortáveis também

ADAMO BAZANI

Cidade de São Paulo: Com o Bilhete Único, o passageiro pode, pagando tarifa de R$ 3,80, realizar em três horas, quatro embarques em ônibus municipais na modalidade comum ou então, em duas horas, utilizando o Bilhete Único Vale-Transporte. A integração com o metrô e o trem é pelo período de três horas, no qual o passageiro pode pegar três ônibus e usar a CPTM e/ou Metrô ao custo de R$ 5,92. A maior linha de ônibus de São Paulo tem 103 quilômetros. Há ônibus de todos os tipos, inclusive de motor traseiro, articulados, superarticulados e barticulados, com piso baixo.

Santo André, vizinha de São Paulo: a integração entre as linhas municipais, uma boa parte sobreposta, é feita em uma hora e meia e quem precisar usar ônibus intermunicipais, os trólebus metropolitanos ou trem da CPTM, deve pagar tarifa cheia na transferência. A maior linha de ônibus de Santo André tem em torno de 20 quilômetros de extensão. A maioria da frota é com motor dianteiro e há empresas que só possuem micros e micrões, nos quais os motoristas dirigem e cobram passagem ao mesmo tempo.

O que há de semelhante entre as duas cidades? A tarifa de ônibus municipal, que em ambas, é de R$ 3,80.

E o quadro se repete em outras cidades. Ao todo, 18 municípios da Grande São Paulo praticam hoje a mesma tarifa da Capital Paulista com menos ou sem nenhuma integração no sistema municipal e tampouco com serviços metropolitanos de ônibus ou trens, já que não há metrô fora da cidade de São Paulo.

Apesar de as cidades da Grande São Paulo, em sua maioria, não pagarem subsídios às empresas de transportes, as diferenças entre as possibilidades de integração, percurso de linhas e até qualidade dos serviços são muito grandes em relação à Capital Paulista.

Não se exige linhas da mesma extensão de São Paulo e também, pelo território dos municípios, não é necessário um período tão longo para integração, mas e o mesmo preço?

Também não é o caso de classificar os transportes na Capital Paulista como ideais. Mas, na Grande São Paulo, a situação parece ser ainda mais difícil.

A maior parte dos prefeitos e das empresas de ônibus, ao justificar os aumentos para valores iguais aos da cidade de São Paulo, diz que os custos de operação sem subsídios fazem com que proporcionalmente os gastos para prestar serviços sejam iguais ou maiores até que na capital.

A realidade mostra que, apesar de as administrações serem diferentes em cada município e precisarem ter autonomia, é necessário pensar a região metropolitana como um todo, já que os deslocamentos entre as cidades são grandes e não podem ser encarados de forma isolada. Os municípios estão cada vez mais interdependentes.

Sobre a qualidade dos serviços em parcela significativa da Grande São Paulo, o que se vê são passageiros reclamando tempo de espera no ponto, ônibus com motor dianteiro convencional, ou micro-ônibus e micrões sem cobradores atendendo demandas que ocupariam ônibus de maior porte.

TARIFAS COM O MESMO VALOR DA CAPITAL:

Santo André: R$ 3,80

São Bernardo do Campo: R$ 3,80

Diadema: R$ 3,80

Mauá: R$ 3,80

Guarulhos: R$ 3,80

Osasco: R$ 3,80

Carapicuíba: R$ 3,80

Barueri: R$ 3,80

Cajamar: R$ 3,80

Franco da Rocha: R$ 3,80

Caieiras: R$ 3,80

Mairiporã: R$ 3,80

Arujá: R$ 3,80

Santana de Parnaíba: R$ 3,80

Mogi das Cruzes: R$ 3,80

Suzano: R$ 3,80

Ferraz de Vasconcelos: R$ 3,80

Itapevi: R$ 3,80

COM AUMENTO – VALOR MENOR QUE A CAPITAL

Francisco Morato: R$ 3,70

Cotia: R$ 3,60

Biritiba-Mirim: R$ 3,50

Embu das Artes: R$ 3,20 – a partir de 25 de janeiro.

Itapecerica da Serra: R$ 3,00

CIDADES SEM REAJUSTE NESTE ANO:

São Caetano do Sul: R$ 3,50

Ribeirão Pires: R$ 3,50

Itaquaquecetuba: R$ 3,50

Rio Grande da Serra: R$ 3,40

Santa Isabel: R$ 3,40

Guararema: R$ 3,40

Poá: R$ 3,40

Jandira: R$ 3,40

Taboão da Serra: R$ 3,00

Vargem Grande Paulista: R$ 2,80

Embu-Guaçu: R$ 2,75

Juquitiba: R$ 2,50

CIDADES SEM TRANSPORTES MUNICIPAIS:

São Lourenço da Serra, Salesópolis, Pirapora do Bom Jesus

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Comentários

  1. Sem contar que SCS tinha tarifa bem menor que suas irmãs, mas em 2013/2014 decidiu se ‘igualar’, sem nenhuma necessidade, ou pelo menos comodidade ao passageiro.

  2. Marcos disse:

    Se passageiro pegar quatro ônibus, a tarifa sai 1.20 cada passagem

  3. Marcos disse:

    Se o passageiro pegar tres onibus com o bilhete unico, com integração sai 1.27 a tarifa

  4. Jhonatan Ferreira de Mello disse:

    Por isso que cada dia que passa, o transporte individual é preferido pela população. Seria interessante os governos utilizarem o ipva e o iptu – ambos que impactam no processo de urbanização das cidades para subsidiar a tarifa do transporte coletivo.

  5. alexandro disse:

    Um detalhe, o tempo de 1h30min escritas na integração em Santo André vale para único sentido (exemplo: bairro – centro), se o usuário pegar outro ônibus no sentido contrário paga a inteira, em São Paulo isto não ocorre (em determinados casos, 3 horas dá tempo para fazer compra, ir ao médico, entrevistas, … com uma só passagem!)

    Este exemplo vale para São Bernardo e tenho certeza que vale para Santo André, seria interessante o Adamo Bazani verificar isto e usar esta informação para futuros posts!

    Além do mais, determinadas linhas de São Paulo como a 477A-10 (Sacomã – Pinheiros) é como se fosse um “metrô”, um ônibus superarticulado atrás do outro, impressionante, já no ABC …

Deixe uma resposta