Projetos da BMW e da Nissan apresentam alternativas para que recarga de veículos elétricos tenha menos impacto nas redes públicas

i 3

BMW i3 elétrico. Distribuidora de energia da Califórnia, BMW e Nissan realizam projetos-pilotos que podem ser apresentar alternativas para reduzir pressão da recarga das baterias de veículos elétricos sobre as redes públicas com o aumento das frotas destes tipos de carros e ônibus. Donos do modelo recebem US$ 1 mil para bastecer os carros fora de horário de pico

Neste momento, pressão sobre os sistemas das cidades é pequena, mas indústria e distribuidores já procuram soluções para quando frota de ônibus e carros com esta tecnologia aumentar

ADAMO BAZANI

Atualmente a frota de ônibus e carros elétricos está em expansão, principalmente na Ásia, Europa, Estados Unidos e Canadá. No entanto, ainda estes veículos não são maioria.

Com as perspectivas de crescimento desta frota, uma das perguntas que se faz é: qual o impacto que as redes públicas de fornecimento de energia elétrica vão sofrer se uma grande quantidade de ônibus e carros elétricos estiverem recarregando as baterias ao mesmo tempo?

É certo que as distribuidoras devem se preparar, aumentando a capacidade de atendimento e o melhorando os sistemas de fornecimento. Mas há possibilidades que podem ser adotadas com este aprimoramento da distribuição.

No caso das frotas de ônibus, uma das alternativas é a criação de fontes armazenadoras de energia nas próprias garagens que sejam independentes da rede pública, como geradores que captam energia solar. Além disso, as recargas das baterias dos ônibus elétricos normalmente são feitas durante a madrugada, quando os veículos são recolhidos, período em que há menos pressão de consumo nas redes públicas.

Já para os donos de carros individuais, uma das alternativas é o gerenciamento das recargas com incentivo para quem usar o sistema elétrico fora dos horários de pico.

E com o objetivo de criar uma cultura de consumo racional e testar alternativas para que o aumento do número de veículos elétricos não se torne um problema em vez de solução é que a BMW e Pacific Gas Eletric Co – PG&E iniciaram um projeto piloto com cerca de 100 proprietários do modelo i3 da BMW, na baía de San Francisco.

Os donos dos carros vão receber US$ 1 mil em 18 meses, de forma antecipada, para atrasarem os horários de recarga das baterias dos veículos e evitarem os momentos de maior pressão sobre as redes elétricas públicas.

A Pacific Gas Eletric Co, distribuidora de energia do norte da Califórnia, estima que existem aproximadamente 65 mil veículos elétricos, entre carros e ônibus, na área onde atua.

Também em parceria com a BMW, a distribuidora realiza outro projeto. Baterias usadas MIN E são transformas em armazém estacionário que depende de energia solar no escritório de Tecnologia da BMW em Mountain View. Parte do consumo do prédio se tornou independente da rede.

NISSAN PARTICIPA DE OUTRO PROJETO COM A PG&E:

Se os veículos movidos à eletricidade são encarados como novos consumidores de energia em escala, eles também podem ser fornecedores nos momentos de maior uso das redes públicas.

A PG&E testa 13 carros Nissan Leaf, num total de 36 veículos elétricos, na Base da Força Aérea dos EUA, em Los Angeles, que são conectados à rede de distribuição por estações especiais de recarga e fornecem energia ao sistema de distribuição, se houver sobrecarga de consumo geral.

Pela base de Los Angeles, os 36 carros fornecem energia suficiente para abastecer cerca de 140 residências.

Outras estações de recarga especial devem ser instaladas nas bases aéreas de Fort Hood, no Texas, e Joint Base Andrews, em Maryland.

Os carros fornecendo energia para as redes públicas em horários de pico seriam também uma forma de gerenciamento deste tipo de recurso. Eles fornecem no momento de maior demanda e depois seriam abastecidos quando o consumo estiver menos pressionado.

Também é possível fazer com que cada carro elétrico represente economia para o proprietário se este fornecimento de energia de bateria para as casas for individual. O morador pode recarregar a bateria do carro em horários de menor consumo, quando as tarifas são mais baixas, e usar esta energia do carro nos horários de consumo mais elevado, quando as tarifas são maiores.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

1 comentário em Projetos da BMW e da Nissan apresentam alternativas para que recarga de veículos elétricos tenha menos impacto nas redes públicas

  1. Amigos, boa noite.

    Esse equilíbrio não se dará simplesmente abastecendo carros e buzões fora do horário de pico.

    Essa mudança é igual a não querer congestionamento na Imigrantes no carnaval.aso

    Essa questão ainda dará muitas elucubrações mentais, afinal saiu a gasolina e entra a energia elétrica.

    Esse caminho é looooooooooooooooooooooogo.

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: