LICITAÇÃO EM SÃO PAULO vai alterar quase 30% das linhas

Publicado em: 11 de julho de 2015

ônibus

Ônibus em São Paulo. Licitação dos transportes vai provocar mudanças em quase 30% das linhas. Número de baldeações deve aumentar. Serão criados novos itinerários.

Maior parte deve sofrer seccionamentos com aumento de baldeações. Mas onde está a infraestrutura para isso?

ADAMO BAZANI

Com a criação de três grupos de serviços e redes de transportes, quase 30% das linhas de ônibus da cidade de São Paulo vão sofrer alterações com a licitação do sistema municipal. Já 58,3% dos atuais itinerários serão mantidos. Outros 12% são referentes a linhas de ônibus da rede da madrugada. Dos quase 30% de linhas alteradas, 6% se tratam de novos trajetos.

O edital, cujas minutas foram lançadas nesta semana, prevê aproximadamente 1,2 mil linhas de ônibus. Hoje a cidade de São Paulo possui 1.386 linhas, de acordo com a SPTrans.

As maiores alterações devem se tratar de seccionamentos, ou seja, de divisão das linhas.  Segundo a prefeitura de São Paulo, além de cumprir a lei que determina a concessão de serviços públicos por meio de concorrência já que os contratados assinados na licitação de 2003 estão sendo renovados de forma emergencial, um dos objetivos do novo certame é reorganizar o sistema de transportes. Com isso, a prefeitura diz que sobreposições serão eliminadas, em grandes eixos só devem circular ônibus articulados e biarticulados e serão mais numerosas as viagens, principalmente dos grupos locais de distribuição e articulação, com itinerários mais curtos.

Como resultado, a população deve ter de fazer mais baldeações para completar a viagem. Hoje um trajeto que é feito com um ou dois ônibus pode demandar entre três e quatro transferências.

Opinião – MUITAS ALTERAÇÕES E POUCOS CORREDORES:

É tendência mundial a racionalização de serviços com a redução de sobreposições e de frota. Os sistemas hoje buscam redes mais eficientes que, com menos ônibus podem atender a um número de pessoas maior ampliando também as viagens.

Para que isso ocorra, no entanto, é necessário oferecer mais velocidade para os ônibus e, neste aspecto, a ampliação da malha de corredores exclusivos é indispensável.

E este é uma das grandes dúvidas quanto ao sucesso, em curto prazo, das alterações propostas na licitação dos transportes na cidade de São Paulo.

A malha de corredores para atender aproximadamente 9 milhões de passageiros por dia (contando as integrações com o metrô e os trens da CPTM) é muito pequena: 136 quilômetros.

Por problemas financeiros, administrativos e até mesmo políticos, com as indisposições entre o prefeito Fernando Haddad e o TCM – Tribunal de Contas do Município que não tem aprovado novas obras de mobilidade, a meta até o final de 2016 de entrega de novos 150 quilômetros de corredores de ônibus está seriamente comprometida.

Desde o início da gestão, foram entregues 38 quilômetros, sendo que uma parte se trata de reformas de espaços já existentes. Há obras em outros 60 quilômetros em andamento.

De acordo com estudo divulgado pelo Instituto Embarq Brasil, com base na rede atual de linhas, hoje São Paulo deveria ter ao menos 450 quilômetros de corredores de ônibus. Com o novo modelo de linhas proposto no edital, no entanto, este número deveria ser maior ainda.

O problema de uma rede em grosso modo, tronco-alimentadora, sem corredores suficientes é que ela perde o sentido de existir.

Os ônibus troncais, de alta demanda e grande porte, como articulados, superarticulados e biarticulados, precisam chegar rapidamente as terminais onde vão ser alimentados pelos veículos menores. Caso contrário, as baldeações que vão aumentar em número, em vez de serem sinal de eficiência, podem se tornar pesadas e cansativas rotinas para os passageiros que depois de usarem um ou dois ônibus locais ainda têm de esperar por longo tempo um ônibus troncal que pode sofrer atraso por estar preso no trânsito ou mesmo em algum gargalo de um “falso corredor” da cidade. Muitos corredores atualmente na cidade se limitam a ser uma faixa quase exclusiva à direita. Quase exclusiva porque hoje nos corredores andam táxis com passageiros, carros oficiais – mesmo sem atender os quesitos para isso, e veículos de manutenção, alguns sem atender ocorrências.

Haddad repete a frase: É preciso “metronizar” os ônibus. É verdade. Material rodante tem para isso: ônibus grandes, modernos, com wi-fi, ar condicionado, monitoramento das portas pelo motorista por intermédio de câmeras no painel, etc. Mas e a estrutura do metrô? E o pré-embarque, que é o pagamento da passagem antes da chegada do veículo? E a acessibilidade das paradas, pontos e estações? Há táxis e carros de “toridades” nos trilho do metrô?

Questionamento: Até por lei, não se pode mais atrasar a licitação. Mas a remodelação das linhas não deveria ser realizada de acordo com o avanço da infraestrutura que dê velocidade aos ônibus em vez de ser jogada num papel chamado edital?

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Comentários

  1. Neto da Mata disse:

    Adamo, alguma novidade sobre a estatal que o Haddad pretendia criar para substituir a finada CMTC?

    1. A ideia foi praticamente descartada.

    2. Ryun disse:

      Na verdade a CMTC nunca foi extinta, ela mudou da operadora e gerenciado para apenas gerenciadora e ganhou o nome de SPTnas, mas com o mesmo CNPJ, ou seja, é a mesma empresa …

      1. Iago disse:

        Acho bom. Acho um desperdício de dinheiro vc criar uma empresa so pra tapar buraco de greve, comprar onibus novo pra usar uma vez por ano e eles depreciarem. Quem tem obrigaçao de manter funcionando os serviços eh a empresa.

      2. Paulo Gil disse:

        Ryun, boa noite.

        Precisamos descobrir o que e gerenciado, porque o buzao nao e.

        Att,

        Paulo Gil

  2. Paulo Gil disse:

    Amigos, bom dia.

    Sem as premiças basicas e algo fafado ao insucesso, ate porque sequer um piloto foi feito
    para saber se daria meio certo pois certo por inteirl e PREVISIVELLLLLL que nao vai dar.

    Mas vamos aguardat.

    Afinal o escorpiao se mata com o proprio veneno.

    Att,

    Paulo Gil

  3. ronaldo disse:

    Será que vai mudar a pintura dos ônibus ?

  4. MARIO CUSTÓDIO disse:

    Boa noite ADAMO

    PARABÉNS PELA NOVA IMAGEM DO BLOG.

    Quanto à licitação em SP, penso que muitas baldeações se traduzirão não só em sacrifício e suplício aos passageiros, como haverá muitas reclamações. Além disso, aqueles que puderem colocarão seu automóvel em andamento, assim como aconteceu no ABC Paulista quando muitas baldeações começaram a surgir.

    Quanto às cores dos ônibus, penso que as futuras SPE’s deveriam ter cada uma sua imagem perante à população, desenvolvida e criada pelos proprietários, dirigentes e designers, padronizadas por frota própria e não padronizadas pelo Poder Público, que invariavelmente tem qualidade de marketing duvidosa e normalmente de mau gosto. Cada SPE com sua própria comunicação visual (desde que não seja propaganda de chocolate, sabão em pó, etc…) auxiliaria demais os passageiros, que perceberiam os ônibus que vão para os seus bairros imediatamente, apenas necessitando classificar na mente algumas linhas e não uma centena delas como ocorre atualmente.

    Saudações,

    MARIO CUSTÓDIO

  5. Felipe disse:

    Olá adamo, essa ideia é um absurdo, as pessoas já perdem muito tempo indo de terminal em terminal, com tempo maior do que tomando ônibus direto, não é assim que se vai resolver o problema do transporte, os trabalhadores só querem ir e voltar com rapidez do trabalho e da escola , moro no Jardim São Luiz e aqui vão reduzir e muito as linhas

  6. Felipe disse:

    As linhas tem que ser distribuídas em 2 polos,as que mais distantes que ligam aos terminais de grande capacidade como por exemplo, Term João Dias, Term Sto Amaro, Term Pq dom Pedro, e nesses terminais as que ligam ao centro ,ou estações de metrô, algumas linhas diretas para dar suporte a essas linhas, com isso as viagens são mais rápidas e o passageiro não vai ficar fazendo tantas baldeações

  7. Mais uma vez vamos ver e participar de muita confusão. Haverá muitas cores para as diferenciações das zonas de operação. Será que não tem desvio de verba para as fábricas de tintas automotivas para as empresas de ônibus?
    Pelo visto na Licitação apresentada haverá muita linha circular na cidade em torno de 21 Linhas Circulares. Eu batalho com muitas sugestões há mais de 30 anos na época da CMTC com sugestões de linhas circulares curtas. Será que só agora vão colocar em prática essas sugestões?
    Torcemos para que haja maior disposição dos técnicos e engenheiros da SPTRANS e SMT para agilizar o trânsito e o nosso transporte público.

  8. Não sou de nenhum partido mais o Haddad pegou a prefeitura sem dinheiro,os prefeitos que passaram não licitaram corredores nem criaram novos no momento de crescimento do país,ai quando o Haddad entrou quis licitar o corredor da Radial Leste e 23 de Maio dando um exemplo,porém por não ter verba depende do PAC da Dilma,só que com o corte de verbas(somente pra população),não teve como deixar em caixa pra novos corredores infelizmente,nem co ma liminar a grana sera liberada tão cedo mesmo ficando em uma conta na justiça,além disso essa semana o Haddad tirou cem milhões de corredores pra outras áreas urgentes por falta de verba,ai estamos nisso nova licitação baseada em corredores só que sem corredores,triste,Adamo bem que vocês poderia fazer uma matéria e questionar a SPtrans e SPObras as obras dos corredores com informações atualizadas,inclusive o corredor Radial Leste 1 com obras paradas,e o Radial Leste 2 sem iniciar.

  9. humberto disse:

    Teria que voltar: ônibus executivos e os ônibus expressos.

    1. Luiz Vilela disse:

      Não resolve, mas ajuda! Principalmente expressos; há várias rotas de interesse.

      1. humberto disse:

        Lembro que esses ônibus executivos faziam sim com que deixassem o carro em casa, esse ônibus passava pelo portal do Morumbi e muitas pessoas com alto poder aquisitivo utilizava desse ônibus. Tomara que um dia volte.

  10. Luizinho disse:

    Esse novo modelo de transporte proposto por esse louco do Haddad vai trazer mais desconfortos para os usuários do transporte público. Olha, sem a infra estrutura necessária para promover a mudança, no caso os corredores de ônibus de fato e não as faixas feitas nas ruas com tinta Suvinil […] é melhor deixar as linhas como está e reorganizar só as empresas (que isso certamente não vai mudar nada, o Ruas vai continuar dominando as linhas da cidade e as cooperativas continuarão fingindo de empresas [como fazia antes a Novo Horizonte/Itaquera-Brasil] ) para a operar).

    1. Concordo na questão de cartas marcadas,porém pra reorganização e necessário pra termos um transporte mais bem distribuído e acabar com filas de ônibus em corredores e faixas no pico.

      1. Luiz Vilela disse:

        Certeza!
        Gasta-se bilhões em linhas como a Lilás e a Laranja pra deixar as linhas de ônibus como estão?!!

        As máfias – que precisam com certeza serem combatidas – são consequência da desorganização, muito mais que motivo.

    2. Paulo Gil disse:

      Luizinho, boa noite.

      Se tivesse infraestrutura, daria certo.

      Agora, dando certo na da para vender facilidade.

      Entao a velha e boa formula continua em vigor.

      “Criar dificuldades para vender facilidade$”

      Att

      Paulo Gil

  11. neblinasp disse:

    mais uma”racionalizaçao” com mais baldeaçoes para os passageiros e tornar a viagem mais longa cansativa para o trabalhador, nao investem em infraestrutura, nem punem severamente as empresas que nao cumprem os horarios e muito menos essas malditas cooperativas fantasiadas agora de empresas, haddad prometeu muito na campanha,as ate agora so agiu mesmo com faixas de bicicletas, principalmente em bairros ricos e centrais, prefeito ruim.

  12. J disse:

    HADDAD MENTIU! KASSAB E HADDAD…VÃO

Deixe uma resposta