Prefeitura estuda acabar com cooperativas em São Paulo, diz SPTrans a jornal

Micro=ônibus de cooérativa

Micro=ônibus de cooérativa

A prefeitura de São Paulo estuda, após mais denúncias de possíveis ligações entre donos de veículos e o PCC, retirar as cooperativas da operação dos transportes da cidade . É o que diz matéria de Bruno Ribeiro de O Estado de São Paulo.
Acompanhe

O objetivo é combater o uso do sistema por criminosos. A nova licitação dos ônibus, adiada desde o ano passado depois dos protestos de junho, poderá ser feita apenas para empresas regulares de transporte.
“Uma das hipóteses em estudo na formulação da nova licitação do sistema é não haver mais contratação de cooperativas, com a operação passando a ser feita exclusivamente por empresas constituídas”, afirma a São Paulo Transporte (SPTrans), empresa municipal responsável pelos coletivos.
Se levada adiante, a hipótese será a mais radical mudança no sistema de transporte desde que o bilhete único foi criado, em 2004. Há mais de uma década, a Prefeitura concede a grandes viações a exploração das chamadas linhas estruturais, que ligam os bairros ao centro, e às cooperativas o transporte local, entre os bairros e os terminais.
Esse modelo teria sido renovado com a mesma divisão, não fosse os protestos de junho. Uma licitação chegou a ser lançada no ano passado para renovar as concessões, mas foi cancelada justamente por causa dos protestos. E foi adiada até que todo o sistema passasse por uma auditoria, que está na fase final e deve ser divulgada amanhã.
“O processo licitatório está em fase de elaboração e só terá início após a divulgação das conclusões da verificação independente feita pela Ernst&Young, cujos resultados serão considerados”, diz a SPTrans.
Por outro lado, a Prefeitura afirma que “alternativas criando novos mecanismos de controle também estão sendo estudadas”, para manter as cooperativas e evitar o uso de laranjas – contratos em nome de outra pessoa e que dão margem a ações criminosas.
A gestão Fernando Haddad (PT) afirmou, ainda em nota, que não tem contato direto com os cooperados que trabalham nos lotações.
“A SPTrans esclarece que a contratação de permissionárias para a operação do sistema de transporte coletivo municipal se dá com cooperativas e não com cooperados. Não há nenhuma relação entre a empresa gestora e os cooperados, mas com as diretorias das cooperativas”, diz a nota. “A questão levantada pela reportagem refere-se aos trabalhos das autoridades policiais, com as quais a SPTrans colabora.”
Investigações. Perueiros clandestinos que desapareceram em setembro de 2003 depois de serem forçados a deixar de atuar em Cidade Tiradentes, na zona leste de São Paulo, foram o primeiro alerta à polícia de que organizações criminosas estavam se aproveitando da regularização do sistema de transportes que a Prefeitura promovia na época. Investigações feitas em 2005 e 2008 apontaram essa relação.
A primeira denúncia exclusiva por lavagem de dinheiro do tráfico de drogas por meio dos lotações foi feita pelo Grupo Especial de Delitos Econômicos (Gedec) do Ministério Público Estadual (MPE), em outubro deste ano. Para a Polícia Civil, criminosos que operavam clandestinamente antes da regularização do sistema de transportes, na gestão Marta Suplicy (2000-2004), conseguiram migrar juntamente com perueiros e se mantêm no sistema até hoje

9 comentários em Prefeitura estuda acabar com cooperativas em São Paulo, diz SPTrans a jornal

  1. KKKKKKKK ME ENGANA Q EU GOSTO HADDAD! Seu partido anda de mãos dadas com os vadios!! nos poupe!

  2. Boa tarde!

    Haddad, Haddad…. vai querer arriscar mesmo?? Sabe lá o que esses donos de cooperativas são capazes..

  3. Se isso acontecer, capaz dos vagabundos incendiarem TODOS os ônibus das empresas. Essas CooperManos jamais irão deixar o sistema. Mais fácil o Ruas sair de SP. O PT inseriu esses malditos no sistema e agora quer tirar?

  4. Alexandre K. Filho // 11 de dezembro de 2014 às 11:07 // Responder

    Vai ficar só a cooperativa da “famiglia” Tatto e os Moura …

  5. engraçado né o próprio PT colocou essa miséria das lotações em pleno vapor quando implantou o bilhete único também para as peruas de lotação pois agora duvido que tirem essa raça maldita pois se isso acontecer teremos centenas de ônibus queimados como já vem acontecendo diariamente o correto na época seria que alguns desses perueiros fossem prestadores de serviços independentes das empresas como gato preto santa brígida tupi etc.. agora é tarde teriam que ter logo de inicio a postura dos prefeitos de Osasco Mogi,itaquaquecetuba agora é tarde meu jovem…..

  6. O problema do transporte coletivo urbano em São Paulo não são as cooperativas. Conheço muito bem a CooperPan e a Transcooper, que são dirigidas por pessoas íntegras e que prestam um bom serviço à´população. Lógico que existem alguns motoristas que dixam a desejar mas isto ocorre tambem nas empresas de ônibus. Terão que fazer um filtro para comprovar quais as que não servem para o sistema.

  7. vi aqui vários comentários criticando as cooperativas, mas não pararam pra pensar q por trás das cooperativas existem muitos trabalhadores q tiram o sustento de suas famílias dali , assim como eu!!!

    • Pois é eu tbem sou motorista de lotação…a grande maioria dos motoristas somos chefes de familia e transportamos essas pessoas que fala mal.

  8. MEU FILHO MEXE COM OS PIRUERO TU NAO SABE OQ FAZ KKK ,

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: