A paixão pelos transportes e o restauro de um personagem marcante na vida de milhões de brasileiros

ônibus antigos

ônibus antigos

Ciferal restaurado pelo empresário Júlio Cézar Diniz, da Rouxinol Turismo de Minas Gerais. Os trabalhos duraram 3 anos e meio e foram marcados por dedicação e até mesmo perseverança pela dificuldade de encontrar peças. Algumas tiveram de ser refeitas. Até mesmo os detalhes internos foram pensados para deixar o ônibus como saiu da fábrica, em 1966. Foto: Júlio Cézar Diniz, da Rouxinol Turismo. Matéria: Adamo Bazani

A paixão pelos transportes faz empresário restaurar um personagem importante da história do setor que é dedicado acima de tudo a servir as pessoas
Júlio Cézar Diniz, da Rouxinol Turismo, se dedicou por três anos e meio até trazer para o presente um dos ônibus que tiveram um grande destaque na memória dos transportes
ADAMO BAZANI – CBN
Um ônibus não é apenas um veículo ou uma máquina fria e sem vida.
Ele pode ser considerado um agente na sociedade, permitindo que as pessoas tenham acesso a uma melhor qualidade de vida. O ônibus é o transporte para o trabalho, para o hospital, para a escola, para o lazer e até para a pessoa amada.
Por estar tão presente na história das cidades e das pessoas, além de ser um agente social, não é exagero nenhum dizer que o ônibus também é um personagem.
Através da memória dos transportes, é possível revelar a história da economia, da política, do crescimento urbano e remeter a milhões de histórias pessoais. Sim, de alguma maneira, um ônibus fez parte da vida e da rotina de muita gente.
Assim, preservar a memória dos transportes é acima de tudo fazer um tributo às pessoas, às suas lutas e também, por vezes, às suas decepções que viraram lições e que depois se tornaram conquistas.
O diesel (atualmente também o biodiesel, eletricidade, etanol, etc) pode ser o combustível físico do ônibus. Mas este veículo-agente na sociedade-personagem é movido acima de tudo pela paixão.
E foi esta paixão pelo ônibus, pelo setor de transportes, pelo desenvolvimento e por vidas é que motivou o empresário Júlio Cézar Diniz, da Rouxinol Turismo, de Contagem, em Minas Gerais, a restaurar um dos modelos mais marcantes da história do setor: um Ciferal Papo Amarelo, ano 1966.
A Ciferal foi uma das maiores encarroçadoras de ônibus do País. Fundada em 11 de outubro de 1955, na Rua Pastor Manoel Avelino de Souza, 2.064, Xerém, Duque de Caxias – Rio de Janeiro, pelo austríaco Fritz Weissmann, a empresa foi responsável por trazer inovações aos transportes de passageiros, como o uso em maior escala do duralumínio, material mais leve e resistente que a lataria convencional. Vários modelos, pela qualidade e emprego de soluções que se transformariam em tendências na fabricação de ônibus no Brasil, tiveram destaque, como o próprio Ciferal Papo Amarelo, Ciferal Flecha de Prata, Ciferal Turbo Jumbo, Ciferal Dinossauro (projeto desenvolvido em conjunto com a Viação Cometa), Ciferal Padron Alvorada (urbano) e tantos outros.
Os ônibus da Ciferal fizeram parte da vida de muitas pessoas. E com Júlio Cézar Diniz não foi diferente.
O modelo, que precisou de três anos e meio de muito trabalho e dedicação para ser restaurado, marcou a história pessoal de Júlio Cézar e foi um dos responsáveis pela paixão ao ramo de transportes crescer de tal maneira a ponto de se tornar empresário do setor.
Júlio Cézar contou, por e-mail, à reportagem de Ádamo Bazani, como foram os trabalhos de restauro e um pouco da história do modelo e da Rouxinol Turismo.
Confira:
ADAMO BAZANI – Como surgiu a ideia de a Rouxinol restaurar este ônibus?
JÚLIO CÉZAR – Meu caro, sempre gostei de ônibus. Quando pequeno, morava em uma cidade chamada Belo Vale a aproximadamente 88 quilômetros de Belo Horizonte e havia uma empresa com dois ônibus, ambos Ciferal. Esta empresa fazia a linha entre esta cidade a Belo Horizonte, portanto, entre os sete e doze anos viajei muito nestes ônibus. Naquela época observava cada detalhe da carroceria e recordo o barulho diferenciado dos motores LP 321, da Mercedes-Benz. Com a graça de Deus me tornei empresário do ramo e busquei resgatar este modelo que marcou época nas estradas de Minas Gerais.
ADAMO BAZANI- Como foram os trabalhos? Quanto tempo demorou o restauro? Foi difícil achar peças? O ônibus já era da empresa ou foi um “achado”?
JÚLIO CÉZAR – Primeiro houve a dificuldade em encontrar um ônibus inteiro que não tinha se acidentado ou sofridos batidas frontais, traseiras, laterais. Foi difícil pelo fato de a maioria rodar em estradas de terra, serviços severos e quando colocados à venda, estes ônibus eram verdadeiros candidatos a desmanche dado ao estado precário de conservação. Após longa busca, localizei um modelo do ano 1966 proveniente de um leilão que tinha um bom estado de conservação já que trabalhava como escolar para uma prefeitura próxima a Belo Horizonte. Quanto às peças, foi uma novela pelo fato de a fábrica ter fechado a longa data. Muitas peças fizemos, outras recuperamos e onde havia informação de possíveis peças ou desmanche íamos atrás para trazer e recuperar. Levamos 3,5 anos para terminarmos o restauro.

Ciferal Papo Amarelo

Ciferal Papo Amarelo

Nos anos de 1960, a Ciferal se destacava como uma das maiores encarroçadoras de ônibus do País e lançava modelos que traziam inovações e criavam tendências, como o emprego do duralumínio, um material mais leve e resistente. Os veículos da marca aumentaram ainda mais a paixão por quem já apreciava o setor de transportes, como ocorreu com Júlio Cézar. Foto: Júlio Cézar Diniz, da Rouxinol Turismo. Matéria: Adamo Bazani

ADAMO BAZANI- Conte os detalhes do veículo
JÚLIO CÉZAR – Ônibus Rodoviário Ciferal Flecha de Prata ou Papo Amarelo, Chassi LP, Motor 321, 32 Lugares reclináveis, carroceria de duralumínio, com estofamentos bordo iguais ao da época.
ADAMO BAZANI- Fale um pouco da história da Rouxinol Turismo:
JÚLIO CÉZAR – A Rouxinol foi fundada por mim e minha esposa Hilda há 24 anos, com foco exclusivo nos serviços de fretamento. Minha esposa hoje se dedica à medicina. Possuímos 205 veículos, frota padronizada Mercedes Benz, com idade media 3,5 anos. A empresa é certificada com ISO 9001 (qualidade) e investe em melhorias constantes, principalmente no quadro de colaboradores, custeando diversos cursos sem nenhuma despesa para o funcionário. Temos, no momento, vários colaboradores cursando nível superior. O resultado é uma empresa dinâmica, contemporânea, que atende os anseios de nossos clientes.
ADAMO BAZANI- Hoje onde a empresa atua e quais os segmentos (urbano, fretamento, rodoviário, etc) ?
JÚLIO CÉZAR – Exclusivamente no ramo rodoviário de fretamento. Atuamos nas cidades de Belo Horizonte, Contagem, Betim, Lafaiete, Congonhas, Ouro Branco Jeceaba, Entre Rios, Sabara, Caete, Nova Lima e Rio Acima.

O ramo de transportes obviamente é um negócio. Naturalmente, visa o lucro e o crescimento. Algo legítimo.
Mas é importante destacar que isso não anula a paixão e a vontade de trabalhar pelas pessoas e por uma sociedade melhor. A postura de Júlio Cézar Diniz, em restaurar o modelo e investir nas melhorias da empresa, inclusive qualificando os funcionários, é prova disso.
O contato com ele foi possível pelo intermédio do presidente do Primeiro Clube do Ônibus Antigo Brasileiro, Antônio Kaio Castro.
Desde 2004, Kaio organiza exposições de ônibus e caminhões antigos.
Neste ano, a “V.V.R – Viver, Ver e Rever – A Evolução” ocorre nos dias 08 e 09 de novembro (sábado e domingo), no Memorial da América Latina, próximo aos terminas Barra Funda de ônibus, da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) e do Metrô.
A entrada é gratuita e o evento é uma oportunidade de reviver a história através de ônibus e caminhões restaurados que preservam em si muita memória que os transforma em verdadeiras máquinas do tempo. A VVR reune apaixonados e entusiastas como Júlio Cézar que não deixam morrer a lembrança da evolução de um dos maiores dons da humanidade: a capacidade de ir e vir e não se limitar às barreiras geográficas.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

4 comentários em A paixão pelos transportes e o restauro de um personagem marcante na vida de milhões de brasileiros

  1. Amigos, boa noite.

    Parrabens Sr. Julio Cezar Diniz, pela perseveranca no restauro, afinal 3,5 anos e um bom tempo.

    E muito legal saber que temos um exemplar deste restaurado.

    Parabens tambem a Roxinol Turismo.

    Att,

    Paulo Gil
    “Buzao e Emocao e a Paixao”

  2. Adamo, boa noite.

    Parabens a voce tambem, essas materias sao sensacionais, pois ela trata do buzao e e do buzao que eu gosto, sem politica.

    Att,

    Paulo Gil
    “Buzao e Emocao e a Paixao”

  3. Fiquei feliz em rever o veículo preservado\restaurado e com este espaço dado as nossas lembranças, muito bem ilustrado e comentado. PARABENS .
    obrigado

  4. Muito bacana este ônibus. Adoro carros antigos e no outro dia encontrei um jogo que tinha um bus igual esse: http://www.veteranosdaestrada.com.br/jogueonline.html

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: