Monotrilho terá pouca capacidade para pessoas sentadas

Monotrilho linha 17 Ouro

Monotrilho da linha Ouro, do Morumbi, terá baixa capacidade para passageiros sentados. Especialistas dizem que hoje a prioridade é atender a grandes demandas em detrimento do conforto. Sistemas de ônibus paralelos às linhas de metrô podem ajudar na solução deste problema

Monotrilho terá pouca capacidade para pessoas sentadas
Veículo terá apenas 18% mais assentos que um ônibus articulado. Biarticulado se assemelha
ADAMO BAZANI – CBN
Com informações O Estado de São Paulo
O monotrilho das linha 17 Ouro, que vai circular pela zona Sul da Capital Paulista e deve ser concluído em abril de 2015, terá capacidade para apenas 80 passageiros sentados.
A informação é do jornalista Caio do Valle, de O Estado de São Paulo.
Segundo a reportagem: “Esse patamar é só 18% maior que o número de assentos em um ônibus articulado, que tem 57 bancos. Dois ônibus articulados têm 34 mais assentos do que o monotrilho da Linha 17 e quase a mesma quantidade do trem da Linha 15-Prata, o monotrilho da zona leste. Esse veículo terá um total de 120 assentos, embora seja divulgado pelo Metrô como maior monotrilho do mundo.”
Ônibus biarticulados possuem capacidade semelhante de assentos dos modelos do monotrilho ouro e pouco inferior ao prata.
Ainda segundo reportagem de Caio do Valle, as novas composições do metrô e as que foram modernizadas priorizam mais o transporte em pé. O número de assentos é cada vez menor.
“Nos anos 1980 – segunda década de funcionamento das linhas da companhia -, as composições da frota C da Linha 3-Vermelha eram fabricadas com 368 bancos. Algumas dessas ainda rodam naquele ramal. No fim do decênio seguinte, os trens recém-adquiridos para a Linha 2-Verde passaram a apresentar 274 assentos, em um lote que recebeu o batismo de frota E. Agora, a quantidade de vagas para os passageiros se acomodarem caiu ainda mais. Por exemplo, quem andar em um veículo da frota K, modernizada nos últimos três anos, terá de disputar um dos 264 lugares disponíveis. Chama a atenção o fato de que esses trens, antes de serem reformados e rebatizados, pertenciam à antiga frota C. Ou seja, possuíam 104 assentos a mais, quando apresentavam praticamente os mesmos comprimento e largura dos vagões redesenhados.”
O especialista e consultor em transportes, Flamínio Fichmann, diz que hoje a prioridade é atender às altas demandas em detrimento do conforto e defende, na entrevista, m sistema de ônibus de apoio à Linha 3-Vermelha do Metrô, para tentar deixá-la menos lotada nos picos. “Esses coletivos seriam paralelos à linha e todos os passageiros viajariam sentados.”
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes
Com informações O Estado de São Paulo

12 comentários em Monotrilho terá pouca capacidade para pessoas sentadas

  1. Sergio Santo André // 7 de março de 2014 às 13:40 // Responder

    Vejam só, diminuem os bancos para “socar” mais passageiros. Um belo incentivo para deixar o carro em casa, não ????

  2. Para quem conhece este tipo de quipamento, sabe que a sua aplicação é para baixa demanda e o monotrilho da Cidade Tiradentes, será o primeiro no mundo a ter grande capacidade (pequena para padrão de SP) e é experimental. stá fadado a nascer saturado.

    É outra incompetência técnica do atual governo do Estado e mais dinheiro público sendo mal aplicado. Este tipo de modal é para ligações curtas (ex. Aeroporto – centro da cidade) e não como está.

  3. Axo que a Ideia Não é Ter bastante lugares sentados e sim um transporte diferente e que poça Dar um desafoco no transito e atende a população Eu Apoio A ideia De Menor oferta de lugares e mais espaço interno para que possa leva Maior quantidade de pessoas assim Pessoas Não Sofre Tanto com o Transito , Espere e etc.

  4. Estou plenamente de acordo. Então vamos construir o corredor da radial leste já, isso mesmo “para ontem”. Assim vamos desafogar a linha 3 vermelha do metrô e então os passageiros poderão ser transportados sentados e com mais conforto. Aí vem os comerciantes da região da Av. Radial leste e dizem que serão prejudicados e que perderão a clientela e bla, bla bla. Ou seja, serão mais reuniões para discutirem isso e aquilo outro. Sempre privilegiando o interesse individual. Que eu saiba as desapropriações são de interesse coletivo. Se o transporte publico não o é, então esquecemos tudo isso e fica como está. O cidadão deve continuar perdendo de 2 a 4 horas da sua vida diariamente no trânsito. Obra de mobilidade é de interesse coletivo sim, você vai privilegiar milhões de pessoas em detrimento da insatisfação de alguns 200 ou 300 cidadãos. Isso não parece justo e razoável.

    Abraços.

  5. 1) Lamentavelmente o monotrilho a Congonhas não irá a São Judas, devido a uma restrição ridícula e absurda do CONPRESP (preservação do patrimônio histórico). Alegando que a via elevada iria descaracterizar a fachada da entrada principal do aeroporto.

    2) Comparar numero de bancos de ônibus com trem metroferroviário não tem nada a ver, já que o segundo precisa priorizar o fluxo rápido de grande número de usuários e não passa em valetas, buracos, não faz curvas fechadas, não sofre acelerações e frenagens inesperadas.

    3) A ideia de usar ônibus como APOIO a linha 3 vermelha numa avenida complicadíssima como a Radial Leste é o CONTRÁRIO da solução conceitualmente correta. Trens são para alta capacidade, não ônibus. Portanto o correto é aumentar bastante a capacidade da linha 3, o que pode e deve ser feito com profunda reforma da CPTM Expresso Leste, atualmente em mau estado e com péssimo desempenho. Os ônibus precisam alimentar e recolher passageiros da linha 3 + Expresso Leste de forma mais eficiente, assim todos saem ganhando: passageiros, trens e ônibus.

    • “trem metroferroviário […] não sofre acelerações e frenagens inesperadas”

      Vá andar em um trem antes de falar uma coisa dessas, por favor… Estes trens mais novos freiam cada vez mais bruscamente, larga seu carrinho e vem conhecer ok?

      • Luiz Vilela // 10 de março de 2014 às 17:21 //

        Ando bastante Alberto, de ônibus menos, mas também.

        Estou comparando; no caso ônibus OK com trem metropolitano OK.

  6. A linha 3 vermelha e o Expresso leste da CPTM já estão operando em sua capacidade máxima. Na linha 3 não há mais o que se fazer. A CPTM ainda dá para diminuir os intervalos, mais será apenas um paliativo, pois já está saturado. A idéia dos ônibus é muito boa, porém devem ser operados por supertarticulados (23 metros) e biarticulados (27 metros) com capacidade para 170 e 200 passageiros. E o principal, em um corredor a esquerda sem interferência do outros veículos.
    Deve seguir o mesmo sistema que está dando certo na linha 4310-10 – Term. Pq. Dom Pedro II – E. T. Itaquera. Opera com superarticulados de 23 metros. Os intervalos no horário de pico é de 3 a 5 minutos. A linha está operando com praticamente 50 carros. É um exemplo a ser seguido.

    • Edvaldo,
      Linha 3 Vermelha tem obras de portas de plataforma e sinalização padrão Linha 4 Amarela atrasados e enrolados. Com isto pronto o aumento de oferta esperado é cerca de 20%. Na prática (na sensação do dia a dia do usuário) será um pouco maior, porque boa parte das falhas deverá ser reduzida.

      No Expresso Leste a situação é bem diferente. O estado atula da ferrovia é bastante ruim; não há plena energia de tração para os trens; da mesma forma, a sinalização de última geração está enrolada e atrasada; a maioria dos trens são antigos; obras de reforma e reconstrução – ao menos de trechos – nunca saem do papel. Intervalo entre trens e tempo de viagem – não admira! – estão bem ruins.
      Ou seja: com investimento consistente, objetivo e determinado, a capacidade pode aumentar muito, a ponto de dobrar. Para o deslocamento periferia-centro é solução muito mais eficiente que corredor de ônibus na Radial Leste.
      Este corredor é importante sim, mas para os pequenos deslocamentos na Radial e redistribuição das demais linhas de ônibus. Pretender um BRT é muito difícil, pela complexidade, espaço e ocupação da Radial Leste.

      Neste local ultra-crítico é fundamental ter atenção com as eternas promessas vazias dos políticos, que na verdade morrem de medo de fazer qualquer intervenção de grande porte na Radial Leste.

  7. O Metrô de SP já foi muito bom e fazem alguns anos que percebo nitidamente que o número de assentos disponíveis reduziu drasticamente após as composições terem retornado da reforma! Um absurdo sem precedentes e uma idéia desgraçada advinda de gente da tecnocracia tucana que NUNCA viajou de ônibus e nem de metrô! Lembrando ainda que até mesmo os ônibus padron, articulados e biarticulados reduziram a quantidade de assentos nos últimos anos!
    Quem planeja, fiscaliza e coordena o transporte metropolitano dentro da EMTU-transtorno NUNCA usa ônibus. Tenham certeza disso! Se um dia, os governadores de todo o Brasil exigirem de TODOS os funcionarios públicos que passem a viajar de ônibus para ir e voltar do trabalho ou de sistemas de trens e metrôs nas cidades onde eles operam TENHAM CERTEZA em menos de 90 dias as reclamações serão tantas que até mesmo dentro das secretarias de tranporte urbano e metropolitano essa canalhada que planeja e diz que fiscaliza o transporte vai fazer uma coisa: TRABALHAR e a partir daí em menos de 3 meses um novo sistema de linhas, ampliações, novas opções de deslocamentos serão criados ! Coloquem um busólogo como eu conhecedor do transporte coletivo em todo o Brasil ou mesmo este conceituado jornalista Adamo Bazani dentro de uma SPTrans ou EMTU e duvido que o transporte não melhore de verdade!

  8. A capacidade do Monotrilho previsto para a linha 15-Prata SP, para carruagens com largura de 3,15 m (Standard), e comprimento da composição total de ~86 m e com 7 vagões, é de ~1000 pessoas, concorrendo com o BRT e o VLT, contra para a mesma largura, porém com comprimento de ~132 m e com 6 vagões é de ~2000 pessoas para o Metrô, e com comprimento de ~170 m e com 8 vagões é de ~2550 pessoas para os Trens Suburbanos, significando com isto que a capacidade do metrô e dos trens suburbanos são no mínimo o dobro do monotrilho, trafegando na mesma frequência.

    A taxa de ocupação máxima recomendada mundialmente é de 6 pessoas por m².

    Comparativos: A capacidade é expressa em número de passageiros por hora por sentido (p/h/s), assim BRT, VLT, Monotrilho – 4000 a 25000 p/h/s, vagões, é de ~1000 pessoas, são considerados de “Média demanda”, enquanto Metrô, Trens suburbanos – 20000 a 60000 p/h/s sendo considerados de “Alta demanda”, e Trens suburbanos com dois andares (Não existem no Brasil) – 45000 a 90000 p/h/s sendo considerados de “Altíssima demanda”.

    Estão previstas plataformas centrais para saídas de emergência em todo seu trajeto, obrigatórias para esta função, constam na especificação técnica que iram existir, além das escadas retráteis!!!

    A largura padronizada dos carros para os três são de 3,15 m. Não confundir com os trens suburbanos espanhóis da CPTM-SP e alguns da SUPERVIA-RJ de ~2,8 m que possuem um estribo (gambiarra) em frente ás portas para compensar o vão.

    O monotrilho da linha 15-Prata, com ~26,5 km, Ipiranga, Cidade Tiradentes irá trafegar em uma região de alta demanda reprimida na zona Leste, com a intenção de migração de parte da linha 3-Vermelha (a mais saturada do sistema) maior do que as linhas 4-Amarela, 5-Lilás e a futura 6-Laranja, e já nasce subdimensionado, além de ser uma tremenda incógnita, quando ocorrer uma avaria irá bloquear todo sistema, pois ao contrário que ocorre com os trens suburbanos, metrô e VLT em que o chaveamento em “Y” é simples, facilitando a interpenetração e integração em linhas diversas, nos monotrilhos a mudança das carruagens para a via oposta se da de maneira complexa, com grandes distâncias entre si entre as estações, além de trafegarem em média a 12 m do piso.

    A melhor opção seria o prolongamento da linha 2 Verde, com bifurcação em “Y” na estação Vila Prudente, com a previsão da futura linha para Vila Formosa, e até São Mateus e a partir daí seguir em VLT ou Monotrilho, até a cidade Tiradentes, (Após as obras começadas, a estação terminal será na estação Ipiranga da CPTM), Vila Prudente basicamente será uma estação de transbordo.

  9. Não é só para o monotrilho conforme esta no título do texto, que a politica de redução de assentos, pois para o metrô e trens suburbanos também se faz presente, pois trata-se da politica tucana para aumentar a capacidade das composições, o complemento do texto está perfeito.

    A ligação ferroviária para trens de passageiros Guarulhos (Cumbica) ABC (Santo André).
    Entendo ser uma melhor opção a ser planejada é a ligação desta futura linha 13-Jade (Guarulhos) com a região do ABC, mais precisamente com a Linha 10-Turquesa no município de Santo André.

    Portanto concordo com as críticas da professora urbanista Raquel Rolnik a respeito da superposição de traçado (ferrovias paralelas) entre TAV, Expresso Aeroporto e Trem para Guarulhos.

    Dentre as propostas apresentadas, entendo ser a do prolongamento da Linha 1-Azul do Metrô partindo do Tucuruvi, a mais sensata, porém não é a que será feita, outra opção teria como destino, no mínimo até a ¹*Barra Funda utilizando composições de dois andares (double decker), que também não será feita, com esta opção da nova Linha 13-Jade chegando até engº Goulart com transbordo obrigatório para a sobrelotada Linha 12-Safira (Imagine a cena, que situação constrangedora, humilhante e vexatória com as pessoas tentando transitar com as malas e bagagens dentro de um vagão destes), isto só pode ser planejamento de alguns burocratas que não se utilizam de transporte público.

    Nota: ¹*Para chegada até a Barra Funda utilizando as composições de dois andares, no Expresso Leste devera ser redistribuídas as linhas que chegam a Luz, reformada a Estação Água Branca, readequada a Júlio Prestes e construída a de Bom Retiro, esta deveria ser uma prioridade, que beneficiaria todas as linhas, da CPTM e o Metrô, e não apenas as da zona Leste.
    Devemos ficar vigilantes, e que a ligação até esta estação seja só uma primeira etapa, e que no mínimo seja feita utilizando bitola de 1,6 m e a largura padronizada dos carros de 3,15 m iguais aos existentes, permitindo a interpenetração e expansão, pois nem conseguiram acabar com o caos da estação da Luz, e já estão “planejando” outras inúmeras baldeações provocando enorme desconforto para a população.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: