Marcopolo dá início às comemorações dos 65 anos na Festa da Uva

ônibus Marcopolo Paradiso 1800 DD

Marcopolo Paradiso 1800 DD no estande da encarroçadora na Festa da Uva – edição de 2014. Marcopolo completa 65 anos de atividades. Operando desde 06 de agosto de 1949, quando foi fundada como Carrocerias Nicola, a empresa tem a história interligada com a memória do desenvolvimento da Serra Gaúcha. Presente nas principais atividades da comunidade de Caxias do Sul, a Marcopolo participa da Festa da Uva desde 1958. Foto: Gelson Costa.

Marcopolo começa a comemorar os 65 anos na Festa da Uva
Empresa expõe modelos atuais e material histórico. História da encarroçadora faz parte da memória do crescimento da Serra Gaúcha
ADAMO BAZANI –CBN
No dia 06 de agosto de 1949, os irmãos Nicola – Dorval Nicola, Nelson Nicola, João Nicola e Doracy Luiz Nicola -, davam início às atividades da que hoje é uma das maiores encarroçadoras de ônibus do mundo, sem exageros.
A “Carrocerias Nicola Manufaturas Metálicas S/A”, que em 1974 se formalizaria em Marcopolo S/A Carrocerias e Ônibus, completa em 2014, 65 anos de atividades.
Com uma história intensa e se tornando uma multinacional brasileira, a fabricante de ônibus se expandiu para diversas regiões do mundo. Além do empreendedorismo de Pedro Paulo Belini, ainda hoje presidente da empresa e que entrou na encarroçadora em 1951 , ficando na Nicola mesmo quando a empresa não tinha mais nenhum irmão Nicola em seu quadro societário, e de diversos modelos que foram destaque e criaram tendências no mercado de ônibus, a Marcopolo possui vários marcos.
Um deles é a proximidade com a comunidade de sua cidade de origem, onde mantém as principais plantas fabris até hoje, Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul, participando de várias atividades tradicionais, como a Festa da Uva.
Desde 1958, na época da Nicola, a empresa participa da festa.
E agora na 30ª Edição da Festa da Uva, que vai de 20 de fevereiro a 09 de março de 2014, a fabricante escolheu a tradicional atividade de Caxias do Sul para dar início às comemorações dos seus 65 anos de operações.
Para isso, a Marcopolo preparou um estande especial com imagens que mostram a história da empresa e dos transportes no Brasil e que revelam uma parte da história do País, dada a importância dos ônibus no dia a dia das pessoas. A encarroçadora também vai exibir modelos de ônibus e minionibus atuais com vistas a novos negócios e para enfatizar a ligação da marca com a Festa da Uva e com as tradições de Caxias do Sul.
Entre os modelos de grande porte estão o Marcopolo Paradiso 1800 DD – Double Decker, ônibus de dois andares rodoviário de alto padrão, e o Marcopolo Viale BRT, ônibus urbano articulado, que segue os conceitos operacionais dos corredores de ônibus modernos do tipo BRT – Bus Rapid Transit – apontados como uma das principais soluções para a mobilidade urbana em todo o mundo, podendo ser integrados às redes de metrô e trens urbanos.
No estande da Visate – Viação Santa Terezinha, empresa urbana de Caxias do Sul, também está exposto um Marcoplo Torino da nova geração, lançado no ano passado, e que traz evoluções ao modelo que está há mais de 30 anos no mercado.
Em nota à imprensa especializada, a Marcopolo explica as principais características do Paradiso 1800 DD e do Viale BRT expostos:
“O Marcopolo Paradiso 1800 Double Decker possui computador de bordo com sistema de telemetria, 28 lugares no piso superior e nove no inferior, ambos com poltronas leito. Conta também com aquecedor de alimento, sistema de ar-condicionado e sanitário com sensor de fumaça. O Viale BRT (Bus Rapid Transit) possui transmissão automática e capacidade para 66 passageiros em pé e 44 sentados”.
Já a unidade de veículos leves da Marcopolo, a Volare, também expõe modelos destinados a diversas aplicações, com destaque, segundo nota da empresa para:
– Volare V8 4×4 Escolarbus: é usado pelo Programa Caminho da Escola para o transporte de estudantes em zonas rurais de todo o Brasil. O veículo tem eixo dianteiro tracionado e sistema de transmissão com as opções 4X2 (somente tração nas rodas traseiras), 4X4 (tração nas rodas dianteiras e traseiras) e 4X4 com reduzida (alcance do torque máximo do motor em baixa velocidade).
– Volare Business: unidade móvel de atendimento a clientes podendo ser utilizado em feiras e eventos, como na Festa da Uva, para apoio ao estande e local idealizado para reuniões de negócios. Projetado com configuração interna diferenciada, o Volare Business tem, na sua parte traseira, exclusiva sala de reunião com mesa, poltronas executivas, monitor LED de 42 polegadas e armários embutidos. No salão de passageiros, conta com bar personalizado, mesas para atendimentos, monitores de TV – LCD, poltronas de couro, computadores e impressora.
A festa da Uva mostra aspectos da influência dos imigrantes italianos na história do Rio Grande do Sul.
É tradição na Itália realizar festas e reverências à colheita como forma de ligar as pessoas à necessidade de ser grato pelos alimentos e pela prosperidade.
Eram realizadas várias festividades na região da Serra Gaúcha, quando em 1881, as principais foram unificadas na Feira Agro-Industrial.
Além de ser oportunidades de negócios, as feiras também serviam para interesses da comunidade. Em 1898 angariou fundos para ajudar na construção da Catedral de Caxias do Sul.
A cada edição da Feira Agro-Industrial, novidades iam surgindo, desde novos produtos que eram cultivados até lançamentos de tratores e outros maquinários agrícolas.
Diante desta diversidade, para não dispersar a atenção dos visitantes e não prejudicar os negócios, a comunidade decidiu fazer festas temáticas com os principais produtos da Serra Gaúcha. Em 7 de março de 1931, era realizada a primeira Festa da Uva.
Por causa da Revolução da década de 30 e da Segunda Guerra Mundial, a Festa da Uva foi interrompida.
A festa só voltou a ser realizada em 1950. Mas neste ano, a produção vitivinícola já não era mais a principal atividade econômica de Caxias do Sul. Nesta época, já se destacava o setor metalmecânico, do qual a Nicola (depois Marcopolo) fazia parte.
Neste setor também foi grande a participação de famílias italianas.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

8 comentários em Marcopolo dá início às comemorações dos 65 anos na Festa da Uva

  1. Amigos, bom dia.

    Eu andei muito nos buzoes Nicola, os modelos cabinados eram um charme, principalmente quando tinham parte da chaparia sem tinta e eram brilhante.

    Sera que tem um museu ” on line” da Marcopolo ?

    Parabens Marcopolo e Caxias do Sul.

    SAUDE !

    Att,

    Paulo Gil

  2. Caro Adamo,
    Excelente conteúdo publicado. Parabéns!

    Excelentes aprendizados foram adquiridos para o projeto de vida pessoal e profissional.
    Empresa que desenvolve a cultura do empreendedorismo.
    Muito obrigado!

  3. Correção importante! NICOLA não existia mais em 1974, 1973 etc…
    A NICOLA deixou de existir como encarroçadora em JUNHO DE 1970 após o casamento com a ELIZIÁRIO !
    O dono da ELIZIÁRIO fez uma auditoria nas contas da indústria e descobriu que a família estava roubando da empresa. Revoltado resolveu VENDER tudo e quem acabou levando a melhor foi a vice líder da época, a NICOLA e inclusive se vocês pesquisarem existe uma propaganda formalizando o surgimento do grupo MARCOPOLO em JUNHO do ano de 1970 o ano que o Brasil conquistou seu tricampeonato de futebol!
    Possivelmente em 1974 pode ter ocorrido a exclusão do nome NICOLA na junta comercial porém em 1971, 1972 e 1973 não saiu nenhum ônibus com a marca NICOLA e muito menos ELIZIÁRIO que era a campeã de vendas nos anos 60. O último modelo da ELIZIÁRIO foi o APOLLO 70.
    MARCOPOLO também foi o nome do modelo rodoviário da NICOLA que foi lançado no Salão do Automovel em SP no ano de 1968 sendo que nos últimos meses de 1970 como a NICOLA não existia mais e sim a MARCOPOLO esse modelo foi aperfeiçoado e surgiu como MARCOPOLO I.

  4. O comentário do Marcos Nascimento me fez lembrar de um marco importante na história da MP.
    Com a aquisição da Eliziário, a MP começou a produzir em Porto Alegre, o ônibus urbano Série 500 e logo em seguida o Veneza I. Foi a 1ª operação CKD no Brasil. As peças eram produzidas em Caxias e enviadas em CKD para a Eliziário em Porto Alegre para montagem. Isso deu knowhow à MP que lhe permitiu se aventurar e exportar essa tecnologia. A primeira operação foi para a Venezuela em 1971, já como Marcopolo.

    P.Gil, as chaparias sem pintura eram chapas de aluminio, frizadas e anodizadas. Qualidade impecável!

  5. Parabéns à Marcopolo pois a cada dia que vejo um pro aqui (BREDA, BOZZATO, SANTA MARIA fico embasbacado pela beleza que é o design.
    Mas vamos à noticias. Vergonha em Brasilia: projeto errado faz com que autoridades compram ônibus com portas contrarias aos pontos…
    -Quanto a belezura feita pela Marcopolo DD 1800 (que passa por testes de pistas na fábrica), tenho a dizer algo, que nem todos se preocupam: de que adianta construir uma mansão sobre rodas se as estradas não são bem adaptadas conforme a aerodinâmica (força, velocidade, tempo), em curvas, para que não haja dificuldades ao motoristas ante ao capotamento, ou segurar o veiculo mesmo com velocidade reduzida? Temos de cobrar da ANTT, inclusive a requalificação das pistas, como a rodovia da morte (BR116) ao sul com curvas planas que deveriam ser niveladas conforme a dinâmica da força. Coitado dos motoristas que por mais se distersarem o veiculo impunham força no volante para evitar tragédias, como aquela que perdeu-se um time de futebol. Vamos cobrar, Sr. Adamo?

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: