Prefeitos do ABC esperavam mais do Governo Federal

ônibus

Ônibus que vai para o Terminal de Vila Luzita, em Santo André. Região deve ser contemplada com verbas anunciadas por Dilma. Prefeitos do ABC esperavam mais. Foto: Adamo Bazani.

Verbas do Governo Federal para Mobilidade no ABC ficam abaixo da estimativa dos prefeitos
Consórcio Intermunicipal definiu seis eixos prioritários que totalizam R$ 2,7 bilhões. Recursos para a área foram de R$ 793 milhões. Para vários setores, investimentos são de R$ 2,1 bilhões
ADAMO BAZANI – CBN
Apesar de os R$ 2,1 bilhões anunciados pela presidente Dilma Rousseff em recursos federais para o ABC Paulista serem muito bem vindos, nos bastidores, os prefeitos da região demonstraram que esperavam mais.
Só para a área de mobilidade urbana, Dilma e o ministro das Cidades, Agnaldo Ribeiro, oficializaram a liberação de R$ 793 milhões. Este valor será, em sua maioria, utilizado para a construção de 134 quilômetros de espaços exclusivos para ônibus, entre corredores, faixas e vias especiais Os corredores somam 49,2 quilômetros
Um dos eixos beneficiados é Sudeste, que vai contar com R$ 137 milhões abrangendo vias como Avenida Goiás (São Caetano do Sul), Avenida Dom Pedro II (Santo André), Avenida Coronel Alfredo Fláquer/Perimetral (Santo André), Avenida Santos Dumont (Santo André), Avenida Gionanni Baptista Pirelli (Santo André), Avenida João Ramalho (Mauá), Avenida Capitão João (Mauá), Avenida Humberto de Campos (Ribeirão Pires).
A construção da Marginal do Rio Taioca e a ligação do Terminal de Vila Luzita à linha 18 do monotrilho, em São Bernardo do Campo, também vão receber os recursos.
O Plano de Mobilidade Regional, elaborado pelo Consórcio Intermunicipal do ABC, entregou ao Governo Federal projetos em seis eixos prioritários na região que somavam intervenções de R$ 2,7 bilhões.
A estimativa era conseguir recursos em torno deste valor, já que o Plano de Mobilidade em sua íntegra contém 16 eixos com obras que somam quase R$ 8 bilhões.
Tanto o Governo Federal como os prefeitos dos ABC sabiam que este valor era impossível, por isso “enxugaram” o plano para os seis eixos e R$ 2,7 bilhões.
Os prefeitos esperam agora mais aportes do Governo Federal, o que indica que as verbas foram consideradas insuficientes.
O presidente do Consórcio Intermunicipal do ABC e prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho, disse que estes recursos anunciados por Dilma nesta segunda-feira, dia 19 de agosto, podem gerar aportes na ordem de R$ 1,1 bilhão, principalmente no setor de mobilidade urbana.
Ao todo, o Governo Federal anunciou R$ 2,1 bilhões para o ABC.
Deste total a distribuição por áreas será da seguinte maneira:
R$ 793 milhões para Mobilidade Urbana – Obras principais: 49,2 quilômetros de corredores de ônibus.
R$ 644 milhões para Habitação – Obras principais: 8,5 mil unidades habitacionais do “Programa Minha Casa, Minha Vida”
R$ 542 milhões para Infraestrutura – Obras principais: redes de água e esgoto
R$ 104 milhões para Contenção de Encostas – Obras principais: redução das áreas de risco médio e risco alto em especial nas cidades de Diadema e de Mauá.
Ainda sobre o setor de mobilidade urbana, o Consórcio Intermunicipal do ABC destaca em nota:
“Serão 761,3 milhões para obras em quatro eixos prioritários: o corredor Guido Aliberti / Lauro Gomes / Taioca (Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul), com R$ 162,5 milhões; o corredor Alvarenga / Robert Kennedy / Couros (Diadema e São Bernardo), com R$ 306,3 milhões; o corredor Leste-Oeste, também beneficiando Diadema e São Bernardo, com investimento previsto de R$ 181,2 mi; e o corredor Sudeste, com R$ 137,8 milhões envolvidos e benefício direto para Santo André, São Caetano, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra. Além disso, está prevista verba de R$ 5 milhões para o Consórcio iniciar o projeto de um Centro de Controle Operacional.

Principais obras

Entre as obras e projetos estarão a implantação do binário com a Av. N. Sra. dos Navegantes e R. Frei Ambrósio de Oliveira, em Diadema, prevendo tratamento preferencial para o transporte coletivo, o mesmo acontecendo na Rua Rio de Janeiro e Av. Casa Grande. Em Mauá serão construídos quatro terminais de ônibus (Jd. Zaíra, Itapark, Guapituba e Central) e reformado outro (Itapeva).

Em Rio Grande da Serra a principal obra envolverá a pavimentação da Av. José Bello, e ruas Natal Perilo, José Carlos Pace e Valeriano Carreria Gonçalves, seguida pela pavimentação da Rua Guilherme Pinto Monteiro até a Av. Kaethe Richers, na divisa com Ribeirão Pires. Também em Ribeirão Pires será feito inicialmente o projeto de ampliação da capacidade e implantação de tratamento prioritário ao transporte coletivo nas avenidas Humberto de Campos e Santo André. Em São Caetano haverá projeto para a construção do viaduto de acesso da Av. Guido Aliberti para a Av. dos Estados, incluindo a duplicação do viaduto sobre a ferrovia, entre outras obras.

Em São Bernardo será reformulada a conexão das Avenidas Lauro Gomes, do Taboão, Dr. Rudge Ramos, Estrada das Lágrimas, com extensão da Lauro Gomes desde a Rua Afonsina até a divisa com São Paulo. Outra obra fundamental será a construção das avenidas marginais ao Ribeirão dos Couros, incluindo dois viadutos sobre o Anel Viário Metropolitano. E em Santo André o destaque será a construção da pista da Av. Lauro Gomes, no trecho entre a Av. Atlântica e a Rua Urupema.”
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

2 comentários em Prefeitos do ABC esperavam mais do Governo Federal

  1. o problema deles não era ganhar dinheiro para melhoria das cidades,o problema é que eles agora roubarão pouco dinheiro do governo federal!!!

  2. É só fazer igual ao adad , ao invés de construir corredor , compra tinta branca e pinta as ruas , com faixas exclusivas , além de ser mais barato ainda pune quem comprou carro.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: