Caio: a cara de São Paulo e da atual conjuntura dos transportes

ônibus

Três gerações de ônibus da Caio que mostram diferentes épocas da empresa e diferentes momentos da história da economia e dos transportes, da esquerda para a direta: Caio Apache Vip I, Caio Apache Vip II e Caio Apache S 21. Mesmo antes de pertencer ao maior frotista da Capital Paulista, a Caio sempre foi a cara de São Paulo no Brasil e no Mundo. Foto: Adamo Bazani.

Caio: a cara de São Paulo
Encarroçadora pertence ao grupo do maior frotista da Capital Pauliista, mas empresa já era presente na cidade e na Grande São Paulo antes disso
ADAMO BAZANI – CBN
Se o transporte em São Paulo, em relação aos veículos utilizados no sistema tem “uma cara”, certamente é a dos ônibus da Caio – Companhia Americana Industrial de Ônibus.
Claro que modelos de outras marcas como Marcopolo, Comil, Neobus, Busscar e Mascarello circulam pelas ruas e avenidas da Capital Paulista.
Mas é natural a presença forte da Caio na cidade.
Desde 2001, a encarroçadora é controlada pelo grupo de José Ruas Vaz, o maior empresário da cidade. Ele mesmo fabrica e ele mesmo opera os ônibus.
As empresas que Ruas possuem controle direto ou é sócio, respondem por 68% do lucro líquido de todas as companhias de ônibus da Capital Paulista.
Não é ilegal e não há nenhum problema de a Caio ser predominante em São Paulo, mas esse fato indica como são concentrados os transportes não só na cidade, mas em todo o País.
O fato de a Caio também representar a grande maioria da frota da cidade por ser de propriedade do Grupo Ruas também não desqualifica seus produtos.
De acordo com vários frotistas, é uma das melhores marcas de ônibus urbanos e está presente em todo o País. Há filas de três a seis meses, dependendo da demanda e do modelo, para um empresário encarroçar um chassi com Caio.
Isso se explica pela tradição e qualidade dos ônibus da Caio e pelo fato de o maior sistema de ônibus da América Latina ser consumidor cativo da encarroçadora.
Mas antes mesmo de a Caio pertencer ao Grupo Ruas, ela já era figura marcante na Capital Paulista e na Grande São Paulo.
Os moradores mais antigos e que possuem algum conhecimento de ônibus logo lembrarão de modelos clássicos como o Caio Jaraguá, Caio Bela Vista, Caio Gabriela, Caio Amélia e Caio Vitória.
A empresa fui fundada em 19 de dezembro 1945 pelo imigrante italiano José Massa, que era colaborador da encarroçadora Grassi, a primeira fabricante profissional de carrocerias do País, com sede em São Paulo. O início das operações foi em 12 de janeiro de 1946. A empresa funcionava na Rua Guaraíuna, no bairro da Penha, na Capital Paulista.
A experiência de José Massa, o apoio inicial do investidor Octacílo Gonçalvez Piedade e o crescimento das cidades que demandavam mais transportes, principalmente a partir dos anos de 1950, foram essenciais para a Caio prosperar.
Umas das curiosidades sobre a Caio é que ela esteve sempre envolvida nas soluções para o atendimento de alta demanda.
Nos anos de 1950, a Caio era uma das empresas que fabricavam o Papa-Fila, uma grande carroceria para passageiros tracionada por um cavalo de caminhão. Era o antecessor do articulado.
E o articulado surgiu no Brasil em 1978. E o primeiro modelo era um Caio Gabriela sobre chassi Scania B 111.
Hoje, para grandes demandas, a Caio oferece o Millennium BRT, que pode vir nas versões articulada, super-articulada (com uma articulação mais dois eixos no segundo carro) e biarticulada, podendo ter 28 metros.
No segmento de rodoviários, a encarroçadora teve alguns modelos como o Caio Gaivota (1966), o Caio Jubileu,em 1971, comemorando os 25 anos da empresa, Caio Corcovado, em 1977, Caio Aritana, em 1982, Caio Squalo, em 1985, e hoje tem a linha Caio Giro.
Se é forte no segmento de urbanos, a Caio no setor de rodoviários tem pouca participação. Apesar de ser de boa qualidade, o modelo Giro é considerado desatualizado. Já o Caio Solar, rodoviário para curtas e médias distâncias e para o segmento de fretamento tem o projeto mais atualizado e vem conquistando mercado.
A demanda de urbanos é alta e não haveria condições de atender a procura por mais rodoviários. Por isso que desde antes da falência da fabricante Busscar, que ocorreu em 2012, a Caio nunca escondeu o interesse pela empresa fundada pela família Nielson, com sede em Joinville, Santa Catarina.
A planta da Caio hoje é em Botucatu, no interior Paulista. A mudança da Penha, na zona Leste da Capital, para a cidade interiorana se deu em 1982, pela necessidade de um parque fabril mais moderno.
Em 1998, a empresa começou a apresentar problemas financeiros. Erros de gestão, os efeitos ainda da época da inflação nos anos de 1980 e a forte concorrência levaram a empresa a ter a falência decretada em 2000.
No ano de 2001, o Grupo Induscar, liderado pela família Ruas, assume a marca e o Parque Fabril da Caio.
No ano de 2009, a Induscar passa a ser definitivamente dona da marca e da fábrica da Caio.
E como fotografar ônibus é registrar parte da história da cidade e da economia, além de refletir o dia a dia das pessoas, voltando do trabalho, na CBN, nesta terça-feira, dia 30 de julho de 2013, entre as Avenidas Brigadeiro Luís Antônio e Paulista, nos deparamos com três gerações da Caio que mostram diversas fases da empresa que é a cara de São Paulo. Lado a lado estavam um Caio Apache Vip I, Caio Apache Vip II e um Caio Apache S 21.
Os modelos marcam a transição da administração da Caio e a consolidação da nova marca Caio Induscar.
O Apache S 21 foi lançado em 1999 e representou o fim do ciclo da família Massa como controladora da empresa e o momento difícil da companhia. O Caio Apache Vip I, lançado em 2001, já denotava o início da nova fase da empresa, com a família Ruas como controladora. O Caio apache Vip II foi lançado em 2008 e foi o modelo que marcou o controle total da Induscar na empresa.
A Caio prevê crescimento para este ano e quer ampliar sua participação no mercado externo. Hoje ela é presente já em diversos países.
Mas é inegável que Caio é São Paulo e um veículo da marca, em qualquer região do País ou do mundo,é um pouquinho do Estado que sempre esteve de braços abertos para todos.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

20 comentários em Caio: a cara de São Paulo e da atual conjuntura dos transportes

  1. Sou FÃ das carrocerias Caio. O Vitória é o mais bonito de todos os tempos.

  2. Precisamos abrir este mercado, eles fazem carrocerias caras demais, sem concorrência na há evolução nem bons preços, este sistema so e bom para a empresa, para a população e terrível, que venham os chineses.

  3. CAIO sempre imponente nos transportes paulistanos. Acredito que entre as décadas de 70 e 90 pelo menos 70% dos ônibus paulistanos eram da CAIO.
    Os modelos que admiro na CAIO são os BELAS VISTAS, GABRIELAS, AMÉLIAS e VITÓRIAS.
    Abs,
    William – Guarubus

    • Graaaaaaaaade William, bom dia.

      Tudo bem ? Que bom ler você por aqui.

      Quem sabe sabe, né

      O AMÉLIA que é o Buzão de verdade, belo corredor interno e banquim maciinho.

      Abração Willlian

      Paulo Gil
      “Buzão e Emoção Essa é a Nossa Paixão”

  4. ronaldo jose alves // 31 de julho de 2013 às 20:11 // Responder

    bela matéria valeu eu trabalho com um caio solar 2012 mb 1721 muito bom

  5. EXCELENTE MA´TERIA ADAMO. Sugira à CAIO uma edição especial e limitada de alguma carroceria do passado (BELA VISTA é a preferida de milhares de pessoas que nela andaram). MARIO CUSTÓDIO

  6. Indiscutilvelmente a caio faz excelentes carrocerias e já teve e tem muitos modelos bonitos e marcantes,eu particularmente acho que o gabriela e o vitória foram os mais marcantes pois quase,ou senão todas empresas do pais os tiveram em alguma fase em sua frota

  7. washington de siqueira // 1 de agosto de 2013 às 00:09 // Responder

    bacana essa reportagem. Posso dizer q me interesso por ônibus por causa do Gabriela II, um modelo marcante dessa marca. Atualmente há uma grande variedade de modelos no Brasil, e isso é muito bom nós q curtimos ônibus, mas os modelos Caio tem sido os de maior sucesso de 2001 pra cá.

  8. Excelente materia, A Caio realmente é a cara de S.Paulo.. ABÇS

  9. As carrocerias da Caio já foram as melhores. Até o Apache S21 podemos dizer que elas tinham uma boa qualidade. Depois disso, a queda da qualidade dos produtos e design foi gritante, exceção feita ao Millenniun II e II, que por fora são muito bonitos, e o Mondego, que foi uma melhoria do Apache S21. Andei num Millenniun III recentemente e me alarmou a falta de qualidade na área interna da carroceria. O Millenniun BRT é uma aberração de design. Comparar com o Viale BRT é humilhar a Caio. E podem falar que o Neobus Mega BRT é feio, mas dá de 10×0 no Millenniun BRT. Os Top Bus, então nem se fala. O Apache Vip II é uma lástima. Mas como mencionado, como a Caio tem como dono um dos maiores frotistas do país, jamais veremos em SP os Viale BRT e BRS, nem os Mega BRT Biarticulado (que é um espetáculo, por dentro e por fora). É uma pena, já que estamos nivelando por baixo as nossas carrocerias de ônibus. Saudades da Busscar…

    • Eu andei em quase todos os modelos da CAIO, a partir do Fita Azul, passando pelo Bossa Nova, Jaraguá, Bela Vista, Gabriela, Vitória e as linhas mais modernas já citadas. Os Milleniuns, a meu ver, são os piores, pois podem até ser bonitos por fora (exceto os BRT’s), mas por dentro parecem que vão desintegrar (alguns até por fora, dá a impressão que as janelas vão cair). Em relação aos modelos antigos, pra mim o BELA VISTA foi o de melhor concepção. Quem andou num BELA VISTA não se esquece jamais. Quase todas as empresas que conheci à época o tiveram e era um sucesso. MARIO CUSTÓDIO

  10. Complementando: É só ler os comentários para ver como estou falando a verdade. Todos citam as carrocerias mais antigas como as melhores ou as preferidas. Reflexo da realidade atual.

  11. Apesar de ter nascido no Rio Grande do Sul, me criei em São Paulo e andei de Caio desde os tempos do Jaraguá. Hoje Caio pra mim é relíquia, pois aqui em Porto Alegre, onde moro atualmente, ver um Caio pelas ruas é raridade. A única empresa da cidade que tem modelos da Caio é a Carris (Apache S21, Millennium e Millennium II).

  12. Acho o GU II (Urbano Gabriela II), principalmente em sua última reedição antes do AU (Urbano Amélia) com o paralamas aquadradado e a última janela inteira, e o Apache Vip II os mais bonitos.Principalmente pelos parabrisas estilo bolha arredondado nos cantos e estufado para fora, diferente do Amélia ,Vitória, Apache S21, VIP ,Millenniun e Mondego que tem parabrisas reto.

  13. Olá a todos: certa vez comentei com um pesquisador de carrocerias o seguinte: quem conheceu o Bossa Nova e hoje vê pelas ruas o Apache Vip Série II pode fazer a comparação e ver se não são parecidos, meio-irmãos. Abs. MARIO CUSTÓDIO

  14. JOSÉ LUIZ VILLAR COEDO // 21 de outubro de 2013 às 17:18 // Responder

    A CAIO FAZ PARTE DA HISTÓRIA DA CIDADE DE SÃO PAULO-SP E DE VÁRIAS DA REGIÃO METROPOLITANA…DESDE TEMPOS JÁ REMOTOS…AINDA ME LEMBRO DOS “GABRIELINHAS”, CARROCERIA CAIO-PADRON GABRIELA, DESDE AQUELES Q SE PARECIAM COM O ÔNIBUS “MONICA” ATÉ A ULTIMA GERAÇÃO, MUITO UTILIZADA ATÉ OS DIAS DA ELEIÇÃO DO NÃO SAUDOSO EX PREFEITO DE SÃO PAULO, O CELSO PITTA, JÁ FALECIDO, PELA EXTINTA AUTO VIAÇÃO NAÇÕES UNIDAS…Q HJ FAZ PARTE DO Q É A SAMBAÍBA TRANSPORTES URBANOS, DEVIDO PARENTESCO, ENTRE OS DONOS…NOSSA COMO FORAM USADOS! LEMBRO-ME AINDA DO AMÉLIA…TANTO OS PRIMEIROS MODELOS, COM AQUELA LANTERNA QUADRADA TRASEIRA, E O MODELO MAIS “CHIC”, COM LANTERNAS TRASEIRAS, DUAS DE CADA LADO UMA ACIMA DA OUTRA, QUADRADAS…MAIS COMPRIDOS, DEVIDO AOS CHASSIS MERCEDES-BENZ DA ÉPOCA, 1.987/1.988…E Q ERAM UTILIZADOS EM LINHAS MAIS COMPRIDAS…AQUI DO JAÇANÃ, ZONA NORTE DE SÃO PAULO, AONDE MORO AINDA, PRA LAPA, METRÔ ANA ROSA, E LINHAS COMO HORTO FLORESTAL/ BUTANTÃ-USP E PEDRA BRANCA BUTANTÃ-USP…HJ EM DIA SECCIONADAS, ASSIM COMO A 175P/10 E 701U/10 E 21, UMAS NO METRÔ SANTANA E A OUTRA NO METRÔ BARRA FUNDA, SE BEM ME LEMBRO…(177H/10 E 177P/10…) MUITA HISTÓRIA MESMO!

  15. trabalhei na caio e as carrocerias antigas eram muito bem feitas o gabriela o amelia e os carolinas davam show que ate hj tem algumas rodando pelo mundo afora !!!

  16. Amo ônibus em geral, mas os CAIO são os mais lindos… Sou fã dos Millennium, especialmente a segunda geração. Graças ao Caio Millennium chassi Mercedes-Benz O-400UPA me apaixonei por ônibus e sonho em dirigir um algum dia… Seria um prazer pilotar algum modelo da CAIO… São os melhores, indiscutivelmente, os mais lindos!!! Gabriela, Amélia, Vitória, Apache… Todos lindos!

  17. Caio amélia para mim a mais bela carroceria que a caio já produziu..uma pena que hoje não tem mais a mesma qualidade……o único caio que foi bom foi o Vip1, pois de lá pra cá só aberração…..

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: