Manifestações nas ruas aumentam e disputa em sindicato dos motoristas vira pistolagem

ônibus

Por causa de briga de sindicalistas, terminais foram parados ontem e houve tumulto com feridos na sede do sindicato.

Eleição no Sindicato dos Motoristas de São Paulo virou pistolagem
Depois de pararem 16 terminais, noite foi marcada por violência
ADAMO BAZANI – CBN
A atual diretoria do sindicato dos motoristas e cobradores de ônibus de São Paulo e a chapa de oposição brigam e a população e os trabalhadores que pagam.
Após pararem na manhã desta quarta-feira 16 terminais de ônibus de São Paulo, prejudicando diretamente 750 mil pessoas, a noite foi marcada por violência na sede do sindicato, na Liberdade, região central de São Paulo.
Cerca de 10 pessoas ficaram feridas no tumulto entre as duas chapas concorrentes.
Segundo a direção do sindicato, no momento de retirada das urnas para levá-las aos locais de votação, em torno de 800 pessoas tentaram invadir a sede da entidade.
Houve explosão de bombas caseiras e os representantes do sindicato disseram que o prédio foi atingido por tiros.
No entanto, entre os feridos não houve nenhum baleado.
O grupo de oposição do sindicato promete uma passeata entre a entidade e a Avenida Paulista, a partir das dez horas da manhã.
SERVIÇOS NORMAIS EM SÃO PAULO:
Pelo menos no final da madrugada e início da manhã os serviços de ônibus municipais em São Paulo, ônibus municipais no ABC Paulista, ônibus intermunicipais, trens e metrô seguem normalmente.
No entanto, no local onde há manifestações, como Avenida Goiás, em São Caetano do Sul, na Avenida Alberto Soares, na Refinaria Capuava, em Mauá, e rodovias Anhanguera km 28 e rodovia presidente Dutra entre os kms 149 e 148, na Avenida das Nações Unidas, e na Avenida Guido Caloi, os serviços de ônibus são prejudicados.
ÔNIBUS PARADOS EM PORTO ALEGRE:
Já em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, os ônibus estão sem operar. As lotações operam parcialmente.
SALVADOR SEM ÔNIBUS:
Os motoristas e cobradores de ônibus em Salvador aderiram à paralisação e nenhum veículo saiu às ruas.
BELO HORIZONTE SEM METRÔ:
Os metroviários em Belo Horioznte também não foram ao trabalho e estão de braços cruzados.
GRANDE VITÓRIA SEM ÔNIBUS:
Os motoristas e cobradores de ônibus também não iniciaram os trabalhos na manhã desta quinta-feira em Vitória e nos municípios vizinhos.
ÔNIBUS EM SANTO ANDRÉ:
Manifestantes ocupam agora a Avenida Capitão Mário Toledo de Camargo, em Santo André, onde há o corredor de ônibus da Vila Luzita. O Grupo segue na direção do centro da cidade. Apesar os transtornos ao serviço de transportes, motoristas e cobradores não paralisaram as atividades.
ÔNIBUS PARA O LITORAL DE SÃO PAULO
Por causa de bloqueios em rodovias como Anchieta e Cônego Domênico Rangoni, as partidas de ônibus para o Litoral Paulista a partir do Terminal do Jabaquara, na zona Sul de São Paulo, estão temporariamente suspensas.
A venda de passagens foi retomada agora há pouco, às 10h00, mas ficou impedida desde às 07 h 00
AVENIDA GOIÁS É LIBERADA:
A Avrenida Goiás, no sentido São Paulo, proximidades da General Motors, acaba de ser liberada. À tarde deve ghavert outra manifestação, mas sem bloqueio de vias.
ÔNIBUS PARADOS EM SANTOS, PIRACICABA E CAMPINAS
G 1 – Em Santos, ônibus municipais e intermunicipais estão parados. Em Campinas, os ônibus das linhas 191, 193, 194, 195, 196, 198 e 115 permanecem parados no Terminal Central e no Terminal Ouro Verde. Em Piracicaba, ônibus municipais também não vão sair da garagem nesta quinta
ABC NORMALIZANDO:
A situação no ABC Paulista começa voltar ao normal, com exceção de São Bernardo do Campo, na região ainda da Anchieta.
A Avenida Goiás, que estava interditada desde às 5 da manhã no sentido São Paulo, entre os portões 1 e 4 da General Motors, foi liberada, de acordo com a Polícia Militar e o Sindicato dos Metalúrgicos.
Também foi liberada a Avenida Capitão Mario Toledo de Camargo, por onde passa o corredor de Vila Luzita, responsável por 30% da demanda de passageiros da cidade de Santo André. O local foi ocupado por integrantes do Movimento Periferia Ativa.
Também não há mais concentração de operários na Avenida Alberto Soares, em frente a RECAP – Refinaria de Capuava, em Mauá.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

3 comentários em Manifestações nas ruas aumentam e disputa em sindicato dos motoristas vira pistolagem

  1. Esta explicado porque morrem de medo de mexerem com o transporte em São Paulo, este sindicato tem que ser fechado urgentemente, imaginem o que rola de dinheiro para que ele se matem pelo poder, o ambiente dos que representantes o nosso transporte público é PODRE!, são verdadeiras hienas brigando por carniça.

  2. Por que será que brigam tanto??? Será que tem dinheiro envolvido nas negociações com as empresas? Extorsões de empresários?

  3. Acabei de ver na TV o tiroteio que ocorreu, a vontade de roubar é tanta que eles se matam entre si para conquistar o poder. Nunca confiei nessa raça de sindicalistas

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: