EAOSA – Um patrimônio na história do ABC

Antigo Diário do Grande ABC fala sobre os investimentos da antiga EAOSA

Antigo Diário do Grande ABC fala sobre os investimentos da antiga EAOSA

Acreditem, o ABC já teve empresas de ônibus e jornal sério
Matéria de 1973, do antigo jornal Diário do Grande ABC mostra renovação de frota da EAOSA e revela uma época que a relação entre viações, poder público e jornais tinham uma certa ética
ADAMO BAZANI – CBN
Existem fatos e organizações que evoluem com o tempo. Hoje o País tem empresas de ônibus mais profissionais e uma imprensa que informa, apesar, claro, de haver muitas críticas e muito o que ser melhorado.
Mas parece que em algumas regiões, algumas coisas retrocedem.
Hoje, no ABC Paulista, há dois exemplos. De um lado, há o Diário do Grande ABC: um jornal formado por vários excelentes repórteres e uma equipe de profissionais muito bons. Mas que nem sempre podem trabalhar direito. O ouvir o outro lado neste jornal se restringe a colocar a resposta do desafeto do meio de comunicação no meio de manchetes que já dão seus veredictos e de um monte de juízo de valores e interesses.
Quando as prefeituras colaboram com os interesses dos grupos ligados ao dono do jornal, Ronan Maria Pinto, proprietário de empresas de ônibus, elas têm períodos de paz. Podem faltar médicos em suas unidades de saúde, pode haver shows milionários em cidades onde não há nem remédios, asfalto e infraestrutura, que as críticas são “de leve”.
Mas quando a prefeitura não favorece empresas de ônibus ou outros interesses, se preparem para chumbo grosso.
Já em relação às empresas de ônibus, é verdade que os transportes no ABC nunca foram os melhores do País e pelo jeito não vão ser tão cedo. Tanto é que é a única região de são Paulo cujos ônibus intermunicipais operam sem concessão por boicote dos empresários. Mas antes havia alguma ligação de gosto e preocupação entre os empresários da região e a população.
Exemplo era a EAOSA – Empresa Auto Ônibus Santo André. A companhia hoje é a pior metropolitana do Estado de São Paulo, de acordo com o ranking IQT – Índice de Qualidade de Transporte, da EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos, gerenciadora dos transportes no Estado. Sob o comando do concunhado e parceiro de negócios de Ronan Maria Pinto, Baltazar José de Sousa (às vezes a grafia do Sousa aparece com Z – Souza) as passagens são altas, os ônibus mal conservados, alguns com documentos irregulares, cheia de dívidas, atrasos nos horários e descumprimento dos horários e desrespeito aos funcionários e passageiros. Baltazar é procurado pelo Ministério Público Federal e polícias por ser um dos maiores devedores individuais da União, acusado, segundo o MPF , de não pagar R$ 237 milhões à União que poderiam ser usados na saúde, educação, transportes e segurança.
Isso não saiu no Diário do Grande ABC, mas toda a imprensa regional noticiou.
E como é sempre bom olharmos para o passado para enxergarmos o presente e vislumbrados o futuro, este editorial (que não pode ser censurado, já que expressa apenas uma opinião sem ofensas pessoais), traz um achado histórico de Eduardo Monteiro, publicado originalmente no “Fotolog Ônibus Antigos Brasileiros”.
É uma reportagem do antigo Diário do Grande ABC de 15 de abril de 1973. O Diário do Grande ABC de Edson Danilo Dotto e Fausto Polesi sobre a antiga EAOSA, das famílias Piolli, Passarelli e Sortino.
A reportagem fala sobre a chegada dos moderníssimos, para época, Monoblocos O 362 HSLT, fabricados pela Mercedes Benz. Foram 40 unidades.
Hoje a empresa têm carros cuja articulação é feita fora dos padrões legais exigidos (com ônibus comuns tracionando reboques de ônibus antigos), que quebram toda a hora e que reencarroçou desde 1984 muitos veículos (houve carrocerias novas com chassis bem velhos). A EAOSA que orgulhou a região começou a operar oficialmente em 1935, segundo o jornal, e foi uma das pioneiras na ligação do ABC a Santos (Litoral), a primeira a trazer o GM Coach para o Brasil (em 1945, antes mesmo da Viação Cometa) e sempre investia em ônibus modernos, como os tais monoblocos.
A matéria do antigo Diário do Grande ABC sobre a antiga EAOSA diz:
“A parte interna possui muitas inovações em matéria de ônibus, como direção hidráulica que permite maior conforto para o motorista e melhor maleabilidade …” – Isso em 1973. Hoje os EAOSA não possuem isso.
E continua : “…quatro alto-falantes transmitindo som de frequencia modulada para todos os passageiros, além de contagiros e ventiladores”.
A matéria traz a palavra do diretor da antiga EAOSA, Rogerio Emílio Sortino:
“nossa empresa foi fundada em 1935, começando com dois carros antigos que levavam dois dias para ir a São Paulo (Capital) e voltar, depois iniciamos com uma frota de ônibus e hoje pudemos comprar os monoblocos. Os novos ônibus são dotados de suspensão com molas espirais, o mesmo sistema de um carro de passeio, sendo portanto mais confortáveis e macios; além da maior segurança do sistema incluindo os novos freios.”.
Rogerio Emilio Sortino revelou que na época a EAOSA tinha 100 motoristas e que, acreditem. A EAOSA chegou um dia a cumprir integralmente as leis de trabalho.
“Existe um regulamento interno que proíbe aos motoristas de trafegarem de portas abertas, negar atendimento aos passageiros, beber em horário de serviço e ultrapassar 60 km/h” – disse Sortino em 1973!
Moradores mais antigos e historiadores confirmaram que de fato o regulamento era cumprido e, se o motorista não seguisse, o que às vezes acontecia, era punido.
A reportagem constatou na época: “Os ônibus passam nos pontos de 15 em 15 minutos sendo que o primeiro sai às 03h40 da manhã e o último para às 03h30” Quinze minutos para esperar um EAOSA, isso já aconteceu!!!!
Para noticiar a aquisição, a revista “Sua Boa Estrela”, da Mercedes Benz, no mesmo ano, fala da importância econômica de Santo André, devido sua forma industrial, algo que mudou também, e ressalta:
“Para atender à movimentação constante de pessoas entre os centros econômicos da região, a cidade conta com empresas muito bem dirigidas, apoiadas em veículos de alto rendimento e que suportam com facilidade o difícil tráfego urbano da Metrópole. E é em Santo André uma das bem mais aparelhadas companhias e transporte coletivo, a EAOSA – Empresa Auto Ônibus Santo André, que se utiliza somente de monoblocos Mercedes Benz, característicos em suas cores alegres e modernas”.

"Sua Boa Estrela" também fala da época que a EAOSA investia

“Sua Boa Estrela” também fala da época que a EAOSA investia

Havia problemas com a imprensa no ABC esta época? Sim, com certeza. Havia maus serviços de empresas de ônibus? Sem dúvida.
Mas a relação entre parte da imprensa, das empresas de ônibus e do poder público não tinha as proporções como hoje.
Com o surto inflacionário dos anos de 1980, muitas das famílias tradicionais fundadoras das empresas de ônibus do ABC não resistiram o congelamento das tarifas de ônibus mediante o crescimento do preço dos insumos sem controle e da evasão de passageiros. Naquela época, muitas pessoas, com os salários defasados, tinham de escolher entre andar de ônibus ou comer.
Alguns destes empresários não suportaram e venderam integralmente ou parte de suas viações a outros empreendedores muito mais capitalizados que abarcavam na região. Era o chamado Grupo dos Mineiros, liderados por Constantino de Oliveira, o Nenê Constantino, com a presença e participação de nomes como Ronan Maria Pinto, Baltazar José de Sousa, Mário Elísio Jacinto, Renato Fernandes Soares entre outros.
Hoje, empresários tradicionais, dos primórdios dos transportes que ainda resistem, sofrem. Que digam Carlos Sófio, da Transportes Coletivos Parque das Nações, Sebastião Passarelli, da Expresso Guarará e da Viação São José de Transporte e também os novos investidores.
Com aval total da Prefeitura de Mauá, na gestão de Donisete Braga, os donos da Leblon do Paraná, que quebraram o monopólio de Baltazar em 06 de novembro de 2010, são pressionados a vender a empresa para David Barioni Neto, da Viação Estrela de Mauá, esta impedida pela Justiça de operar. A empresa Estrela de Mauá foi criada por Baltazar para participar da licitação em 2008 e transferida para o nome de Barioni em 11 de julho de 2012, dois dias antes de a Prefeitura de Mauá desabilitar a Leblon e habilitar a Estrela, algo que foi impedido pela Justiça. David Barioni Neto na Gol Linhas Aéreas, foi executivo de Constantino de Oliveira, o mesmo que entrou no ABC com Ronan e Baltazar.
A venda não foi fechada oficialmente.
Em Diadema, a transportadora Benfica, que era tradicional em fretamento, mas desde a entrada dos mineiros não atuava em serviços urbanos, ganhou a licitação para operar no lugar da ETCD, a privatizada Empresa de Transportes Coletivos de Diadema.
Mas nem sempre é fácil a empresa conseguir implantar melhorias, mesmo tendo planejamento para isso.
No ABC, a única família tradicional dos transportes que permanece forte é a Setti & Braga, controladora da Metra, SBCTrans, Publix e a “empresa matriarca”, Auto Viação ABC.
Alguns pontos dos serviços da família podem ser melhorados (e muito), mas quando há avanços, seja de frota ou de linhas, que seriam informações de utilidade pública, a imprensa que se julga oficial do ABC, nada noticia.
Disputas entre empresas de ônibus sempre existiram e a influência delas sobre o poder público também. Mas em outras proporções e outras forças.
Ressaltamos a tempo: o ABC Paulista tem sim jornais e uma emissora de rádio com seriedade, mas eles lutam para sobreviver.

Foto do antigo Diário do Grande ABC de parte dos ônibus modernos trazidos pela empresa em 1973.

Foto do antigo Diário do Grande ABC de parte dos ônibus modernos trazidos pela empresa em 1973.

O antigo Diário do Grande ABC começa a matéria da seguinte maneira:
“Faltam somente os últimos retoques para que entrem em circulação os 40 ônibus novos que substituirão a antiga frota da Easoa (Empresa Auto Onibus Santo André), fazendo o percurso Mauá – Santo André – São Caetano – São Paulo. Os novos ônibus monoblocos são do modelo O 362 HSLT fabricados pela Mercedes Benz com capacidade para transportar 130 pessoas. São do estilo simples, sem cromados exagerados, sendo pintados em linhas verticais nas cores creme marfim, laranja e verde”.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.

10 comentários em EAOSA – Um patrimônio na história do ABC

  1. Exelente matéria, Adamo Bazani.

  2. Poxa…como eu queria ter vivenciado essa época. Não que fosse perfeita, como bem disse o Adamo, mas existia mais respeito entre seres humanos. Não havia radar, câmeras, nem nada eletrônico para fiscalizar, mas havia a vontade de fazer bem feito. Um EAOSA a cada 15 minutos? Nem com toda a parafernália disponível hoje isso é mais possível!! 40 monos zero km de uma só vez na EAOSA? Há quanto tempo essa empresa não compra ônibus 100% 0 km? Tempo bom, onde havia mais respeito e mais vontade de se fazer bem feito. Com todo o avanço tecnológico, a sociedade e o ser humano involuem cada dia mais..

  3. Bom dia.

    Parabéns Ádamo, pela excelente matéria !

    Com simplicidade e objetividade, você retratou que, é possível prestar um serviço de boa qualidade, na área do transporte.

    Muitos dirão que é utopia, mas, é possível sim !! Para tanto, é preciso o engajamento da população, emprenho do poder público e seriedade e comprometimento do empresariado. Apesar de toda a possível e necessária melhoria, como a matéria bem destacou, a Viação ABC e tantos outros pioneiros da região, prestam um bom serviço.

    É mais gostoso ser admirado, por ser um bom empresário, ou, ser ODIADO, por ser apenas mais um ganancioso ?!

    Abraço.

  4. Excelente registro histórico, Adamo… Se cada veículo levava 130 pessoas então ia muita gente em pé…

  5. Acreditem , eu conheci a EAOSA nesse tempo e como viajei nesses 0362 , era moleque e gostava de sair de madrugada para ver as luzes do teto acesas, coisa de moleque , o ponto final era lá no tanque da paulista , o cobrador trabalhava de pé conferindo os bilhetes , era tão bom , só depois começou a fazer final no Itapeva , ainda assim os ônibus obedeciam horários , infelizmente hoje a população aumentou em quantidade , não em qualidade , e o que temos ?- ônibus velhos , os passageiros na mão e empresários que visam lucros e nada mais. Valeu Adamo.

    • Sergio Santo André // 10 de junho de 2013 às 19:42 // Responder

      Pois é Marcos, e eu também tive o privilégio de conhecer essa época, onde a avenida Goiás, em São Caetano era mão dupla, em frente a antiga tecelagem Nice, e havia um ponto de ônibus em que eu, junto com minha mãe, esperávamos esses EAOSA para ir para Santo André. Hoje, o que temos é o proprietário da empresa foragido da justiça. Infelizmente os tempos mudam, e algumas vezes para pior.

  6. pedro elias de medeiros filho // 30 de junho de 2013 às 20:32 // Responder

    ERA UMA PINTURA MUITO BONITA

  7. MARCOS NASCIMENTO // 1 de julho de 2013 às 00:23 // Responder

    Tempos bons aqueles! Me lembro daquela época e usava os ônibus da EAOSA. Época que os empresários eram mais empresários e pareciam que gostavam mesmo de ônibus, tanto o cuidado na manutenção e limpeza da frota que tinham e época ainda que os políticos eram menos canalhas mesmo porquê naquela época nem pensavam na idéia de fazer politicalha com o transporte urbano e metropolitano com a adoção de pinturas fardadas que eles insistem em chamar de padronizadas. Ora bolas, como chamar de padronização se os pontos (paradas) de ônibus são os mesmos de 20, 30 anos atrás? Isso quando existem! Na maioria das cidades os pontos não passam apenas de plaquetas afixadas em postes com a inscrição: ônibus! Que lixo que se transformaram as nossas cidades, seja pelo excesso de veículos agraciados pela isenção de IPI e pelo barateamento e facilidades em adquiri-los, seja pelas milhares de pichações que se alastraram em todos os cantos das cidades e até mesmo pela precariedade da qualidade dos serviços de transportes urbanos e metropolitanos cujas empresas estão ESCONDIDAS dentro de famigerados consórcios ou em SPEs (sociedade de responsabilidade específica) tal qual o prefeito Haddad deseja implantar até o final desse ano na cidade de São Paulo! Ora se consórcio em transporte coletivo já é ruim imaginem em formato de SPE que torna operação muito mais concentrada e continuando a ESCONDER não só empresas sozinhas mas também consórcios de empresas! Saudades dessa época boa !

  8. ANTONIO LEITE VIEIRA // 14 de agosto de 2013 às 15:15 // Responder

    Eu nasci em Mauá e vivo até hoje aqui,lembro-me de quando eu e minhas irmãs juntamente com nossos pais,íamos passear em SBC,SCS,STO ANDRÈ e tbm na CAPITAL,nos finais de semana,como era gostoso,íamos até o ponto inicial no tanque da paulista a pé e logo chegava aquele imponente ônibus com motor traseiro,suspensão macia e barulho que aos meus ouvidos parecia música,o famoso o-362 monobloco MERCEDES-BENZ,havia mais duas empresas intermunicipais,a viação NIMA posteriormente viação ALPINA e STA TEREZINHA,essa com ônibus caindo aos pedaços,que acabou se extinguindo,quando meu pai dizia que qualquer dos três servia p/chegar onde íamos eu era o primeiro a gritar :Quero ir de E.A.O.S.A pai.Ele perguntava porque e eu respondia,são mais gostoso de andar,tem o barulho bonito e os ônibus são os mais bonitos,poi é que saudades,raramente ando de E.A.O.S.A,poi já fiquei 50 minutos esporando um ônibus ´se é que podemos chamar essa sucata ambulante de ônibus,aí só enfrentando o trenzão. Abraço Adamo e continue com suas ótimas matérias.

  9. Bons tempos que nao voltam…

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: