Paraná terá tarifas metropolitanas mais caras

ônibus

Ônibus Metropolitanos que não integram a RIT também terão reajustes de passagens que variam de acordo com a linha percorrida. Tarifa da RIT será de R$ 2,85. Foto: Adamo Bazani

Paraná terá tarifas de ônibus mais caras
Além dos aumentos nas tarifas da RIT, haverá reajustes em outras passagens
ADAMO BAZANI – CBN
Além das tarifas de ônibus em Curitiba e nos 13 municípios que formam a RIT – Rede Integrada de Transporte, haverá reajuste Nas passagens dos ônibus intermunicipais do Paraná, gerenciados pela Comec – Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba.
Tratam-se das linhas metropolitanas que não são integradas à RIT.
Os novos valores passam a valer a partir da zero hora desta quinta-feira, dia 14 de março de 2013, mesma data de aumento da RIT, e os reajustes variam entre 10% e 20% dependendo da linha.
A linha Executivo – Aeroporto passa de R$ 10 para R$ 12 e liga o Aeroporto em São José dos Pinhais até a capital Curitiba, sendo prestada pela Viação São José.
A linha Araucária – Campo Largo, da empresa Campo Largo, passa a ter passagem de R$ 3,90.
Já a linha Tamandaré – Colombo, da Colombo, terá passagem de R$ 2,90. A passagem da linha Areia Branca – Fazenda Rio Grande, da empresa Reunidas, passa a ser de R$ 2,90.
Para conferir a lista completa com os novos valores, acesse o link:
http://www.aen.pr.gov.br/arquivos/File/Resolucao12013.pdf
RIT:
Os serviços da RIT – Rede Integrada de Transporte terão novos valores de passagens nesta quinta-feira, dia 14 de março de 2013.
A passagem comum será de R$ 2,85. A tarifa do serviço Circular-Centro passa a custar R$ 1,70 e a passagem aos domingos sobe de R$ 1,00 para R$ 1,50. O ônibus da Linha Turismo, de dois andares que faz visitação nos principais pontos da cidade, permitindo a entrada e saída do veículo várias vezes num período de 24 horas, passa a ter passagem de R$ 27,00 para R$ 29,00.
O prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet, ainda se queixa da decisão do governador do Paraná, Beto Richa, de suspender o pagamento de subsídios em maio que auxiliavam nas gratuidades e integrações entre os ônibus da região metropolitana e os da capital paranaense.
Richa disse que o governo do estado precisa controlar gastos e que só recentemente passou a ajudar o sistema de transportes, de maneira emergencial.
Fruet contra-argumenta dizendo que o estado não deve se eximir da responsabilidade de fazer sua parte no caso das integrações que beneficiam não só a capital, mas um conjunto de cidades paranaenses e que a integração é uma conquista social que não pode ser ameaçada.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: