SPTrans diz que mais trólebus de 15 metros devem ser adquiridos. Usados serão leiloados ainda neste semestre

trolebus

SPTrans confirma que mais trólebus de 15 metros devem servir à cidade de São Paulo. Já são 51 unidades adquiridas. Scania diz que número pode chegar a 101. Foto: Adamo Bazani

Mais trólebus de 15 metros virão para o sistema da Capital Paulista. Leilão dos usados ocorre ainda neste semestre
Com exclusividade, SPTrans fala à reportagem sobre os investimentos no sistema
ADAMO BAZANI – CBN
São Paulo deve ter mais trólebus de 15 metros, que possui três eixos e capacidade para 101 passageiros, além dos 51 já adquiridos pela empresa Ambiental Trans, operadora do sistema na Capital Paulista.
A informação foi revelada nesta sexta-feira à reportagem do Blog Ponto de Ônibus/Canal do Ônibus pela SPTrans – São Paulo Transportes, que gerencia o sistema municipal e confirma o que já havia sido comunicado pelo gerente nacional de vendas da Scania, Wilson Pereira, em entrevista a este mesmo espaço, no ano passado.
“Sobre os veículos de 15 metros, há a intenção de continuar incluindo-os no sistema, substituindo os modelos mais antigos e completando a renovação da frota” – diz nota da Assessoria de Imprensa da SPTrans em resposta aos pedidos do Blog Ponto de Ônibus/Canal do Ônibus.
Ainda não foi revelado pela gerenciadora, entretanto, quando virão estes novos veículos e a quantidade.
De acordo com a Scania, serão mais 50 chassis só neste ano.
Os trólebus de 15 metros além de oferecerem uma oferta maior de lugares ocupando apenas um pouco mais de espaço nas vias em relação aos modelos convencionais de 2 eixos, são dotados de itens mais modernos de conforto e acessibilidade, como iluminação de Led no interior e piso baixo com rampa para acesso não apenas para quem usa cadeira de rodas, mas para quem possui mobilidade reduzida mesmo sem a necessidade de equipamentos que ajudem a locomoção. Há espaço para fixação de cadeira de rodas, que também serve como área para cão-guia acompanhante de quem possui limitação visual, maior espaço entre os bancos e tecnologia de corrente alternada, que é mais moderna.
A carroceria é feita pela Caio, do grupo de José Ruas Vaz, controlador da operadora Ambiental Trans, e o sistema elétrico é feito pela empresa Eletra, do mesmo grupo da Metra, que opera o Corredor Metropolitano ABD, ligando São Mateus, na Zona Leste de São Paulo, ao Jabaquara,na zona Sul, pelos municípios de Santo André, Mauá (Terminal Sônia Maria), São Bernardo do Campo e Diadema.
Não há, no entanto, propostas para ampliação da rede de trólebus. Mas, segundo a SPTrans, a rede área vai continuar a ser trocada para modernizar os serviços.
“A Secretaria Municipal de Transportes tem como diretriz a renovação da atual frota de trólebus na cidade para garantir a continuidade do serviço. Da mesma forma, está investindo na manutenção e troca da rede aérea. A rede da cidade é composta por 201,4 quilômetros de fios.” – segundo a nota da gerenciadora.
TRÓLEBUS ANTIGOS SERÃO LEILOADOS:

trolebus

Trólebus mais antigos e que deixaram de prestar serviços serão leiloados ainda neste semestre. São hoje 132 trólebus parados num pátio, para serem vendidos Não há sistemas no País para absorver estes veículos, muitos ainda em plenas condições de uso, apesar de a idade alta. Foto: Adamo Bazani

Os trólebus antigos, substituídos nesta mais recente renovação de frota, devem ser leiloados ainda neste primeiro semestre, de acordo com a SPTrans.
Atualmente, estão reservados em um pátio 132 trólebus que deixaram de operar o sistema da Capital Paulista.
Pela maior durabilidade dos trólebus em relação aos ônibus convencionais, muitos destes veículos parados, mesmo com cerca de 20 anos de uso, estão em condições de operação. No entanto, não há sistemas mais de trólebus no Brasil que poderiam absorver estes veículos. Em Santos, no Litoral Paulista, a Viação Piracicabana opera poucos veículos e não há, até o momento, nenhuma intenção oficial de ampliar o sistema. O Corredor ABD passa por uma renovação de frota e a Metra vai adquirir veículos novos, pelo menos 20 ônibus elétricos articulados devem compor a frota do sistema São Paulo – ABC Paulista.
Assim, o que deve interessar nestes veículos a serem leiloados serão as peças e os equipamentos.
O sistema de trólebus no Brasil foi inaugurado em 1949 e a primeira cidade a ter os ônibus elétricos foi justamente São Paulo.
A cidade de São Paulo já ocupou lugar de número 22 no ranking entre os maiores sistemas de trólebus no mundo. No ano 2000, chegou a ter uma frota de 474 ônibus elétricos. Com a desativação das linhas da Zona Norte e das redes dos corredores de Santo Amaro, Pinheiros e Butantã, a frota e a malha foram reduzidas.
De acordo com os dados da SPTrans, enviados à reportagem nesta sexta-feira, a cidade de São Paulo conta hoje com uma frota de 192 trólebus em operação, sendo que 141 veículos são do tipo convencional e 51 são deste novo modelo de três eixos, com 15 metros de comprimento. Deste total, deste o início da renovação, 142 veículos novos passaram a circular por dez linhas da Capital.
2001-10 – Terminal Parque Dom Pedro II / Terminal Bandeira
2100 -10 – Terminal Carrão / Praça da Sé
2290-10 – Terminal São Mateus – Terminal Parque Dom Pedro II
2290-31 – Jardim Vila Formosa / Terminal Princesa Isabel
2291-10 – Terminal São Mateus / Praça da República
3139-31 – Jardim Vila Formosa / Praça da República
3160-10 – Terminal Vila Prudente / Terminal Parque Dom Pedro II
342 M – Terminal São Mateus / Terminal Penha
408 A-10 – Machado de Assis / Cardoso de Almeida
4112- 10 – Margarida Maria / Praça da República
4113 – 10 – Gentil de Moura / Praça de República.

TRÓLEBUS NÃO É COISA DO PASSADO:

trolebus

Corredor Metropolitano ABD também terá trólebus novos, do tipo articulado. Custos por quilômetro de operação e manutenção dos veículos têm se tornado menores. Além disso, existe a vantagem de ser o único tipo de ônibus em operação no Brasil que emite poluição zero. Foto: Samuel Tuzi.

A imagem que ainda muitos paulistanos têm dos trólebus nem sempre é positiva. Logo que se fala deste tipo de veículo, muitas pessoas já pensam nos transtornos por causa de falhas no fornecimento de energia elétrica e desprendimento das alavancas (pantógrafos) dos trólebus da fiação.
Mas os avanços tecnológicos permitem com que o trólebus seja uma solução viável de mobilidade urbana e com diversas vantagens: o nível de ruído é muito baixo e o trólebus é o único tipo de ônibus com custo relativamente baixo de aquisição e manutenção, cujas emissões de poluentes durante a operação são zero. O ônibus a células de hidrogênio, que no lugar de fumaça solta vapor d’água, ainda é um modelo muito caro e está em desenvolvimento para a realidade brasileira. Existe uma unidade em testes e estudos na garagem da operadora Metra, em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista.
Os ônibus elétricos híbridos são bem menos poluentes e barulhentos na comparação com os ônibus comuns. Mas diferentemente dos trólebus ainda soltam fumaça, mesmo que em quantidade menor em relação aos veículos movidos somente a diesel.
É fato que o sistema de trólebus não é totalmente imune aos problemas de queda de energia elétrica ou na rede, como nem o metrô é isento completamente de falhas.
No entanto, a renovação da rede deve diminuir os problemas de fornecimento. Além disso, os modelos novos de trólebus possuem baterias armazenadoras que dão autonomia de até 6 quilômetros a 10 quilômetros, dependendo da lotação e da velocidade operacional, para o veículo circular mesmo sem estar conectado aos fios. Isso permite que o ônibus chegue até a próxima estação de energia que não está com falhas ou se desloque para terminais, garagens e recuos para não prejudicar o trânsito se houver algum problema.
Os novos trólebus também podem vir equipados com alavancas pneumáticas, cujo sistema absorve os impactos sofridos pelo chassi e carroceria, diminuindo a possibilidade destas alavancas se desprenderem dos fios. Além disso, o sistema permite que a alavanca seja recolhida automaticamente, evitando que em caso de desprendimento, ela retorne para cima e danifique a rede aérea de fios.
Diversas cidades do mundo ainda usam trólebus.
De acordo com dados da ONG Respira São Paulo, há no mundo 360 sistemas de trólebus em 48 países, totalizando 40 mil 700 veículos.
Alguns países, inclusive, importam tecnologia para trólebus desenvolvida por empresas brasileiras, como a Eletra, de São Bernardo do Campo – ABC Paulista.
O que contribuiria para o melhor desempenho dos trólebus seria uma melhor condição viária. Este tipo de veículo é considerado ideal, por especialistas, para trafegar em corredores.

ECONOMICAMENTE VIÁVEL:

trolebus

São Paulo já esteve entre as cidades com os maiores sistemas de trólebus do mundo. A CMTC – Companhia Municipal de Transportes Coletivos não só operava os ônibus elétricos, mas contribuía com as fabricantes no desenvolvimento de novos produtos. Foto: Douglas De Cezare.

Apesar de os veículos serem mais tecnológicos, os trólebus estão proporcionalmente mais baratos que antes.
Hoje, em média, o valor do veículo de 15 metros é de R$ 750 mil.
O preço é alto perto de um ônibus convencional do mesmo porte, que pode variar entre R$ 400 e R$ 500 mil.
Mas a diferença de preços entre o trólebus e o ônibus diesel tem ficado menor.
“Por causa destas quantidades maiores negociadas, o preço do trólebus está mais atraente e a tecnologia nacional está com um custo mais baixo que dos fabricantes internacionais” – explicou Ieda Maria Alves de Oliveira, gerente comercial da Eletra, empresa que fornece o sistema dos trólebus novos da Capital Paulista e dos veículos do ABC.
Além disso, segundo Ieda, por quilômetro percorrido, o custo de operação de trólebus é mais barato que o ônibus diesel, considerando abastecimento e manutenção. A vida útil de um trólebus é de 20 anos, em alguns casos podendo chegar a 30, enquanto que de um ônibus comum é em torno de 10 anos.
No entanto, a operação do trólebus poderia ser mais barata se houvesse uma adequação da política de preços de energia elétrica.
Ainda hoje, nos horários de pico, o trólebus e até mesmo o metrô pagam uma taxa de energia maior como qualquer cidadão comum que demora no banho no início da noite.
“É um serviço de utilidade pública. Não há desperdício no horário de pico. Nem o trólebus, nem o trem e nem o metrô podem ser sobretaxados numa faixa de horário na qual ele é mais útil ainda por transportar mais pessoas” – defende Ieda.
Ela afirma que o passo agora é conscientizar o poder público para considerar a implantação de sistemas de trólebus nos novos projetos de corredores exclusivos de ônibus do tipo BRT – Bus Rapid Transit.
“Além de corredores eficientes, precisamos de corredores verdes, não poluentes. Os ganhos de qualidade de vida e a redução dos custos ocasionados pela poluição justificam os investimentos em sistemas de transportes limpos, como o trólebus. E não são altos demais estes investimentos. Os custos de implantação de uma rede, com as subestações e toda a estrutura são de R$ 1,6 milhão por quilômetro, valor facilmente coberto pela economia gerada na manutenção e operação, além dos benefícios à saúde pública, por exemplo” – conta Ieda Maria Alves de Oliveira, gerente comercial da Eletra.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.

14 comentários em SPTrans diz que mais trólebus de 15 metros devem ser adquiridos. Usados serão leiloados ainda neste semestre

  1. Josue Marcio Lopes // 2 de Março de 2013 às 15:59 // Responder

    Parabens pela materia mesmo. Informativa, ampla e que mostra que muitos corredores novos poderiam ter sim linhas de trolebus. Olha ai uma sugestao para o Haddad.
    Muitos critiqueiros do Blog que so leem para apontar algum errobe enchem de comentarios ironicos provavelmente nao vao comentar essa materia. Mas vao ler. Nao ligue Adamo tem gente que adora apontar defeitos mas nao tem humildade de reconhecerem um bom trabalho.
    Parabens pela materia

  2. Adamo,
    Muito importante a materia em foco, retirando nosso receio de que acabassem com o sistema eletrico, já que os trolebus tiveram suas redes retiradas e o número de linhas e trolebus reduzidos justamente no gov. do PT anterior, cujo secretário da área era o mesmo da atual administração do PT (Jilmar Tato).
    Se não falam de ampliação da Rede, pelo menos falam da renovação da frota e manutenção da rede aérea.
    Não tenho certeza, porém, não tenho visto circular os trolebus na linha 2290-31 J.V.Formosa/Terminal Princesa Isabel, espero que tenham reativado.
    Ainda no âmbito da manutenção da Rede aérea, consta no contrato a recuperação da linha no trajeto Terminal Casa Verde/Centro, porém, nada falam do retorno dos trolebus naquela linha, cuja área no atual sistema não pertence a Ambiental.
    Outra linha, cuja rede aérea foi refeita (sobre o viaduto recem inaugurado sobre a Av. Salim Farah Maluf) e os trolebus ainda não voltaram e não consta das linhas acima é a ligação Praça Silvio Romero/Centro. – Nessa linha, na minha opinião, merecia uma extensão(2 ou 3 km) até encontrar a rede que liga a Garagem de Trolebus do Tatuapé e o terminal de Vila Carrão, ampliando sua capacidade de transporte.
    Mais 1 linha poderá ser ampliada com pequena extensão de rede, levando a ligação do terminal Vila Prudente (Av. Paes de Barros) até a Av. Celso Garcia e por sua rede prosseguir para o Terminal Penha ou mesmo para o centro.(hoje segue somente pela Radial Leste em direção ao Centro).
    Muitas coisas ainda poderão ser feitas, com pouco investimento, caso haja interesse da atual administração.

  3. Obrigado Josué e Jair.
    Importantes questões levantadas pelo amigo Jair.
    A boa notícia é que não haverá desativação da rede de trólebus. A má é que não ha nenhuma intenção oficial de ampliá-la. De toda forma, ponto positivo para a SPTrans e Prefeitura em não abandonarem e reduzirem parte do sistema como em 2003.

  4. Rolland T. Flackphayser // 2 de Março de 2013 às 17:57 // Responder

    O que ocorre é que a administração Petralha (aos ofendidos, sinto muito por sua condição) já sentou na cadeira de prefeito com os contratos e projetos já assinados, aprovados e pagos. Quanto à uma possível ampliação da rede, esqueçam. Se não der visibilidade para votos, não será feito pelo Petralha.

    [OFF TOPIC] Uma nova favela começou a se formar em um terreno do CDHU na zona leste, próxima a Universidade de São Paulo, ambos do governo estadual Tucano. Tudo isso poucos dias após a vitória de Hadadd e a fala de Lulla dizendo sua intenção de pegar o estado de SP. Caso de uma reintegração de posse, quem aparecerá para defender os “desvalidos”?

  5. Adamo, boa matéria, mas há alguns pontos, a sptrans tem mais de 160 trolebus parados nos pátio guido caloi, araguaia e santa rita. São 36 trolebus Neobuss Mercedes e 121 trolebus apenas da renovação recente, que não foram leiloados ainda, e também veículos que não foram vendidos em leilões passados, isso fora os veículos que estão “reservados para museu”, além desses ainda mais 5 serão desativados nos próximos dias.
    Uma correção, o auge foi em 1999, com 555 veículos operacionais.
    E outra, a linha 2290-31 na verdade é 2290-41, e tem denominação Jardim Vila Formosa – Term. Pq. Dom Pedro II, via celso garcia e viad. Diário Popular. Não passam mais trolebus pelo terminal princesa isabel.

  6. Muito obrigado Samuel pelo complemento das informações. O ano de 199 é um dado que até sua mensagem eu desconhecia.
    Acrescentou bastante mesmo. Obrigado.

    • Adamo, com relação a reportagem sobre o Trolleybus, receba os meus parabéns. Agora, sugiro a você colocar na sua pauta de reportagem, matéria com a ONG Respira São Paulo, única em defesa do transporte urbano limpo e consequentemente dos Trolleybus a qual também esta passando por transformação a começar pela recente eleição de novo Presidente e diretoria .
      Abraços, Mário Brian

  7. Amigos,
    Outras tres linhas que estão suspensas, embora com a rede aérea, são:
    Terminal Penha/ Centro
    Terminal V.Prudente/Praça Silvio Romero
    Circular centro – Terminal Princesa Isabel
    Se tem rede pronta o que falta??? frota????interesse da Sptrans??? vontade politica???etc???
    Então, não sei qual a pressa em baixar a frota antiga em uso, que poderia ser usada de forma complementar nos horários de PICO e como reserva técnica.

    • Atualmente, nenhuma da três podem operar com trolebus sem instalação de rede ou trolebus com marcha autônoma.
      Terminal Penha / Centro, além de não ter essa linha mais (a 2340 e 2350 não operam mais), falta a rede no sentido bairro, entre as ruas Cesário Galeno e Antônio de Barros.
      Terminal V. Prudente / Praça Sílvio Romero, falta muito cabos alimentadores, entre a rua Tobias Barreto e a Praça Sílvio Romero, e não há chave para acessar a av, Paes de Barros, vindo da rua da mooca, no sentido TP/TS, e não há rede na Av. Paes de Barros após a Rua Leocádia Cintra, e também na rua Taquari. E colocar rede em todo esse trecho para apenas 1 veículo? (mais 2 da linha base… não compensa)
      E por fim, a linha 2001 e 2003 foram unificadas e tiveram o itinerário bem alterado, passando em muitos trechos desprovidos de rede áerea.

      • Samuel,
        obrigado pelas suas informações, altamente confiaveis, mas permita-me explorar um pouco mais sobre esse assunto:
        -Qual a razão de faltar rede na Av. Celso Garcia (onde já funcionava os trolebus)?
        -A linha Terminal Vila Prudente/Pça. Silvio Romero não era feita por trolebus?
        -A linha Jardim Vila Formosa/Praça Princesa Isabel também era feita por trolebus, qual razão de sua substituição por veículos a combustão?
        Desculpe-me incomoda-lo, mais gostaria de aproveitar seus conhecimentos a respeito, já que sou apaixonado pelo modal e fui usuário da linha 43 Alfredo Pujol (trolebus ACF Bril) desde seu inicio (quando eu tinha 13 anos) e membro da APMTC durante alguns anos, e colocar meus conhecimentos em dia.
        muito obrigado

      • A falta da rede na Celso Garcia é que o trecho não era utilizado, e pelo menos no momento não tem, mas lá está sendo feita a modernização da rede nesses dias, então pode ser que coloquem de volta.
        A linha da Sílvio Romero era feita pelos trolebus, mas quando começou as obras, após algum bom tempo, acabou alterando o itinerário da linha, inviabilizando o retorno imediato da linha, mas pode-se retornar ao itinerário antigo ou mudar a rede também para possibilitar o retorno dos mesmos.
        A linha do Princesa Isabel também teve seu itinerário alterado, não entrou veículos a diesel no lugar, a Ambiental hj não opera nenhuma linha no Princesa Isabel.

  8. Pra lá de boa é ótima essa noticia de que haverá renovação para os Trolebus, concordo com todos os amigos e vou um pouco mais acho que seria de bom senso se reatiavassem algumas linhas e redes de trolebus da cidade, sobretudo na região central e em direção alguns bairros da zona norte e oeste, na zona norte a linha terminal Casa Verde/Term. Parque Dom Pedro, na zona oeste a linha 702P-Pinheiros /Belém. Outra coisa seria de bom senso e politicamente correto por exemplo a atual gestão incluir o trolebus em alguns dos novos corredores propostos, pois não falta técnologia e nem veiculos, isso também icentivaria e muito adoção do trolebus em outras cidades. Até hoje acho lamentável terem desativado o serviço na cidade de Araraquara e também em Ribeirão Preto. Sem mais forte abraço

    • Eu moro em Ribeirão e volta e meia estou em alguma cidade aqui da Região (incluindo Araraquara) ou vou para Sampa. Sem dúvida os trólebus ainda hoje mesmo após 14 anos em Ribeirão e 11 (completando 12 em setembro, acho eu) em Araraquara, eles fazem falta aqui. O pior é que hoje em dia, apesar de o Trólebus ser a melhor alternativa, não se dá espaço para esse modal. Se houvesse a possibilidade de acontecer um novo EBTU nesse país para reorganizar os Transportes Públicos (que a cada dia estão piorando mais), não só os Trólebus, mas todos os tipos de transporte, e consequentemente as cidades, vão parar.

  9. Samuel
    Agradeço suas informações e espero pelo retorno das linhas.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: