Assembleia deve decidir greve de ônibus no Rio de Janeiro

Publicado em: 28 de fevereiro de 2013

rio greve

Motoristas e cobradores de ônibus do Rio de Janeiro vão realizar assembleia para decidirem se entram ou não em greve. Categoria vai analisar propostas apresentadas ontem pelas empresas.

Motoristas de ônibus fazem assembleia para discutir greve no Rio de Janeiro
Categoria vai analisar propostas das empresas de ônibus, mas diz que alguns pontos não foram contemplados pelas companhias
ADAMO BAZANI – CBN
Motoristas e cobradores de ônibus do Rio de Janeiro vão realizar por volta das 19 horas uma assembleia para decidir se entram ou não em greve.
A paralisação estava prevista para este dia 28 de fevereiro, mas o Rio Ônibus, o sindicato das empresas de ônibus do Rio de Janeiro, apresentou novas propostas para a categoria.
As viações oferecem reajuste de 8% nos salários dos rodoviários. Motoristas que dirigem micro-ônibus ou ônibus midis, chamados no Rio de Janeiro de Micromaster, receberiam um aumento de 40% nos salários, já que acumulam dupla-função, conduzindo o veículo e cobrando ao mesmo tempo.
Os motoristas com carteira E, obrigatória para ônibus articulados, seriam enquadrados numa nova categoria e receberiam em torno de 20% mais que os outros condutores.
A cesta básica teria aumento de 20% no seu valor, de acordo com as propostas do Rio-Ônibus.
O Sintraturb, sindicato dos motoristas e cobradores do município do Rio de Janeiro, vai promover a assembleia e discutir as propostas.
Mas a entidade adiantou que há reivindicações que não foram contempladas pelas propostas do sindicato patronal, entre elas, fim da dupla função, cesta básica de R$ 200 sem descontos, tíquete-alimentação de R$ 15 por dia e plano de saúde gratuito para os rodoviários e mais três dependentes.
Fim do banco de horas para trabalho excedente e pagamento das horas extras em dinheiro e redução da jornada de trabalho para seis horas diárias também são outras reivindicações.
Mesmo que decida a greve na noite desta quinta-feira, a paralisação não deve acontecer já nesta sexta.
O sindicato diz que vai respeitar a lei 7783 que obriga a comunicação em até 72 horas antes da paralisação de serviços essenciais como o transporte.
Além disso, o Sintraturb/Rio prometeu 30% da frota em circulação, caso a categoria decida pela paralisação.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Robson disse:

    Entendo realmente a posição dos rodoviários e apoio plenamente, porem lembramos que o transporte é fundamental para a população não vamos prejudicar até nòs mesmos. Conciêcia é o primordial.

  2. Marcia Tito disse:

    temos que lutar por melhores salarios
    doa que domer e uma questao de dignidade
    so quem senta no volante sabe como doi na hora de receber o salario com defazagem nao se esqueça
    que a categoria ja pagou 5 salarios minimos para motorista e 2 meio para cobradores o que
    ouve, se crescer pra cima nao pra baixo, em conto lutamos por 2 mil, no congressso se aprova dobra
    o milhonario salario dos mesmo e nos BRASILEIRO batemos palma pra maluco dançar,
    acorda classe trabahadora do nosso BRASIL. paz

Deixe uma resposta