Dono da Viplan responsabiliza Governo do Estado de São Paulo e defende pai no caso VASP

VASP

Depois de ser uma das referências do setor aéreo nacional, VASP teve fim trágico com falência decretada em meio à dívidas de R$ 5 bilhões e escândalos de fraudes. Filho de Wagner Canhedo, dono de uma das maiores empresas de ônibus do Distrito Federal, Canhedo Filho, diz que o Governo do Estado de São Paulo tem responsabilidade também sobre o caso VASP e que a condenação de seu pai à prisão foi injusta.

Canhedo Filho defende pai e diz que ele não foi culpado sozinho pelas dívidas da VASP
Dono da Viplan, uma das principais empresas de ônibus do Distrito Federal, também já teve problemas com a Justiça

ADAMO BAZANI – CBN

O empresário de ônibus Wagner Canhedo Filho defendeu o pai e reclamou da decisão do juiz Fabio Rubem David Müzel, da Sétima Vara da Justiça Federal em São Paulo, que condenou Wagner Canhedo, hoje com 77 anos, a 8 anos, 8 meses e 17 dias de prisão por dívidas de R$ 35 milhões à Previdência Social contraídas pela VASP – Viação Aérea São Paulo.
Canhedo Filho, que é dono do Hotel Nacional, um dos mais antigos de Brasília, e da Viplan – Viação Planalto, uma das maiores empresas de ônibus do Distrito Federal, disse ao Portal de Notícias do IG que o Governo de São Paulo também foi um dos responsáveis pela crise na VASP.
A empresa aérea, que foi uma das maiores do País, chegou a dever para funcionários, bancos, previdência, fornecedores e outros credores, cerca de R$ 5 bilhões e teve falência decretada em 2008.
A Procuradoria da República investigou um suposto esquema de fraude na companhia, entre 2003 e 2004. O juiz, em sua sentença de 12 páginas, declarou que “a materialidade do delito está devidamente delineada”, atribuindo responsabilidade a Wagner Canhedo.
De acordo com a acusação, a direção da VASP recolhia as contribuições trabalhistas, mas não depositava.
A massa falida da VASP foi adquirida pela Gol, TAM e Varig.
Canhedo Filho disse que a VASP já devia para o INSS e que o Governo do Estado não pode ser isentado pela situação da empresa. No último ano da VASP, o Governo detinha 40% da companhia aérea.
O dono da Viplan possui 600 ônibus e 5 mil funcionários.
No ano de 2007, ele foi condenado a um mês de prisão pelo Juizado Especial Criminal de Justiça do Distrito Federal – TJDF, por não vender passes de escolares pela Viplan.
Em maio de 2008 chegou a ser preso pela Delegacia de Capturas e Polícia Interestadual após descumprir decisão da 1ª Vara de Justiça do Trabalho do Distrito Federal que exigia o pagamento de 30% do faturamento do Hotel Nacional para cobrir dívidas trabalhistas.
Dirigindo o sindicato que representa as empresas de ônibus do Distrito Federal, Canhedo Filho disse que a família vai recorrer da sentença proferida na semana passada. Ele aparece também na lista de devedores do caso VASP.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: