DF vai rever licitação para renovar frota mais rapidamente

onibus

Ônibus no entorno de Brasília. Os transportes coletivos no Distrito Federal são considerados um dos piores do País. A frota é uma das mais antigas do Brasil, ao lado da área 5 da EMTU, que corresponde ao ABC Paulista. Governo do Distrito Federal teve de readequar o edital o que deve atrasar a licitação. Um dos pontos é a exigência da renovação imediata da maior parte da frota, que passou de uma troca de 15% para no mínimo, 90%.

Licitação do Distrito Federal será adiada
Governo recebeu notificações de diversos órgãos e vai ter de alterar o edital
ADAMO BAZANI – CBN

Os transportes do Distrito Federal são considerados um dos piores do País. Ônibus velhos, mal conservados, linhas que não correspondem às atuais necessidades dos passageiros, atrasos e até mau comportamento dos motoristas.
Para tentar reverter o quadro, o GDF – Governo do Distrito Federal anunciou uma licitação de todo o sistema de Brasília e cidades do entorno.
O certame deveria ter início nesta quarta-feira, dia 18 de abril de 2012.
Mas a licitação terá de ser adiada e deve ser iniciada somente em 28 de maio. Os novos ônibus devem estar em circulação em fevereiro de 2013.
O motivo para o adiamento foram as várias modificações propostas para alteração de partes do edital de licitação. Foram 23 questionamentos e uma recomendação do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios.

SUBSTITUIÇÃO DE FROTA:

O ponto mais polêmico que fez com que o Governo do Distrito Federal mudasse o edital, atrasando a licitação, foi a substituição de frota.
A região ao lado da área 5 dos ônibus intermunicipais do ABC Paulista é uma das que possuem frota mais antiga no País. A idade dos ônibus chega a 14 anos.
Inicialmente, era prevista uma troca imediata de 15% dos ônibus e gradativamente os outros 85% seriam substituídos.
Agora, a Secretaria de Transportes do Distrito Federal anunciou uma troca imediata de 90% a 100% dos veículos.
Isso pode atender ao Ministério Público e demais entidades sociais, mas deve haver resistência por arte das empresas e até desistência por parte de algumas, já que o investimento para este fim é muito alto.

OUTRAS ADAPTAÇÕES:

– Preocupação com o meio ambiente: O edital novo vai prever também um parâmetro para a emissão de poluentes. Sendo assim, obrigatoriamente, as empresas terão de colocar em suas frotas, ônibus com a nova tecnologia de redução de poluição, a Euro V, ou veículos alternativos ao petróleo, como elétricos híbridos, a gás natural, diesel de cana de açúcar ou a etanol.
– GPS: Todos os ônibus do sistema terão equipamentos de GPS e os dados enviados para uma central de monitoramento que vai fiscalizar os serviços e orientar fiscais e motoristas em casos de congestionamentos ou mesmo de acidentes. O monitoramento também pode trazer um retrato mais fiel sobre a realidade operacional servindo de base para alterações de acordo com as necessidades dos passageiros e empresas.
– Acompanhamento de horários por passageiros: Os passageiros vão poder acompanhar o posicionamento dos ônibus e a previsão da chegada dos veículos por celulares e outros dispositivos móveis. Cerca de 80% dos pontos terão painéis que vão informar a previsão da chegada do veículo no local.
– Ar condicionado só em corredor: Para diminuir os custos das empresas e conseqüentemente das tarifas, somente os ônibus que vão trafegar por corredores exclusivos terão ar condicionado. Os demais veículos não vão oferecer estes equipamentos.

O edital tenta corrigir erros que foram se acumulando. Em Brasília e região, o sistema é operado por poucas empresas e há casos de veículos irregulares, sem documentação e condições mínimas de funcionamento, que estão servindo a população.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: