GREVE DE MOTORISTAS EM SÃO PAULO: Paralisação pode repetir no dia 06

ônibus

Cerca de dois milhões de pessoas foram prejudicados por conta de paralisação de motoristas e cobradores de ônibus em São Paulo que impediu a saída de aproximadamente 8 mil ônibus das garagens da Capital Paulista, entre às 3 h e às 6 h. O anúncio sobre a paralisação foi feito sem antecedência suficiente, o que pegou quase todos os passageiros de surpresa. Pontos lotados, os primeiros ônibus não dando conta de tanta gente, atrasos e muita revolta foram cenas comuns. Os motoristas reclamam que as empresas são multadas pelo Resam da Prefeitura por má qualidade de serviço e que depois estas multas são descontadas dos salários, sendo que a categoria só aceita descontos por multas em caso de infrações previstas pelo CTB – Código de Trânsito Brasileiro. No dia 06 de fevereiro, os passageiros devem ficar atentos, pois o sindicato promete outra paralisação. Foto: Adamo Bazani.

Motoristas de ônibus devem parar de novo em São Paulo
Categoria cruzou os braços por três horas na madrugada desta terça-feira. Cerca de 2 milhões de passageiros foram prejudicados. No dia 06, trabalhadores ameaçam outra greve

ADAMO BAZANI – CBN

A cidade de São Paulo pode ter outra greve de motoristas e cobradores de ônibus no dia 06 de fevereiro, de acordo com o sindicato da categoria, quando deve ocorrer uma assembleia.
Na madrugada desta terça-feira, dia 31 de janeiro de 2012, cerca de 8 mil ônibus não saíram das garagens entre 3 horas às 6 horas por conta de manifestação de trabalhadores.
Pelo menos 2 milhões de passageiros, dos 6,1 milhões que usam o transporte coletivo municipal de São Paulo, foram prejudicados.
Não foi possível acionar a operação Paese – Plano de Assistência a Empresas em Situação de Emergência por conta do alto número de ônibus parados.
O Paese consiste em ônibus de outras empresas atenderem as linhas das viações afetadas por greve ou qualquer outro problema. Mas como praticamente todas as empresas pararam, não havia como uma ajudar a outra e nem a possibilidade de deslocamento de veículos.
Mesmo depois da volta dos motoristas, após às 6 horas da manhã, a situação demorou para ser normalizada.
Pontos lotados, os primeiros ônibus não davam conta de tanta gente, pessoas atrasadas e passageiros revoltados eram cenas comuns na cidade de São Paulo, que possui o maior sistema municipal de ônibus do País.
O motivo da paralisação dos motoristas e cobradores de ônibus em São Paulo foi que, segundo o sindicato dos trabalhadores, as empresas de ônibus têm recebido um alto número de multas por falta de qualidade de prestação de serviços, que depois são descontadas nos salários dos funcionários de cada ônibus multado.
O sindicato diz que só aceita que os motoristas tenham os salários descontados por conta de multas previstas no Código de Trânsito Brasileiro – CTB e não do Resam – Regulamento de Sanções e Multas.
Diariamente, pelo Resam da Prefeitura de São Paulo, as empresas recebem 400 multas .
A questão é polêmica. Se um ônibus não cumpre horário, nem sempre é culpa do motorista e nem da empresa por conta de fatores como o trânsito complicado, por exemplo, já que em São Paulo, não há corredores exclusivos suficientes. Se um ônibus está mal conservado, a empresa é responsável e nem sempre o motorista. Mas se um ônibus para longe da plataforma num terminal, dificultando o embarque e desembarque, principalmente de idosos ou pessoas com mobilidade reduzida, aí quem está operando é o motorista e a multa é prevista pelo Resam.
A SPTrans, em nota, repudiou a manifestação.
Os passageiros não foram avisados com alguns dias de antecedência para se prepararem e muita gente foi pega de surpresa.
Os usuários de transportes coletivos devem estar preparados para o próximo dia 06 de fevereiro quando pode ocorrer outro protesto.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.

9 comentários em GREVE DE MOTORISTAS EM SÃO PAULO: Paralisação pode repetir no dia 06

  1. Simplesmente, acho um absurdo as empresas de ônibus descontarem dos salários dos trabalhadores (motoristas e cobradores, principalmente) as multas por causa de suas más gestões.

    PROFISSIONALISMO JÁ!!!

  2. Quando os passageiros reclamam das péssimas condiçoes dos onibus e dos atrasos eles zombam e fazem piadinhas, como diz o ditado quem trabalha pra pobre pedi esmola pra dois, pobre que digo e no estado de espirito, mesquinho, esta greve a prova clara do pessimo transporte que temos em SP, alem de tudo esta greve so ataca o povo a parte fraca da historia, temos um pessimo transporte porem voces tem um pessimo patrão bem feito.

    • Pedro
      Seu comentário é ácido, mas cabe. Patrões e funcionários se colocaram seus interesses acima do cliente – o usuário. Deverão receber o troco, no embalo das pesquisas que mostram aumento da insatisfação.

  3. willians oliveira soares // 31 de Janeiro de 2012 às 17:30 // Responder

    sou motorista e também cruzei os braços não aguentamos mais trabalhar sobre pressão varios companheiros estão com problemas de saúde devido a persseguição da sptrans e dos ficais da sptrans tudo emotivo de multa e as empresas principalmente a via sul além de descontar do salario do trabalhador ainda aplica punições sem da direito a nossa defesa não aguentamos mais.

  4. Bruno Quintiliano // 31 de Janeiro de 2012 às 18:11 // Responder

    Cade esse TRT vendido agora? quando os trabalhadores pedem melhores condições de trabalho, que vão reduzir lucros dos empresários, eles impõem multa. Agora ninguém fala nada. São Paulo sem um RESAM vai virar uma extensão da área 5 da EMTU. tinham que aumentar a fiscalização, também na periferia.

  5. Tai uma coisa que nos chateia muito, de um lado o poder público através da SPtrans fazendo um papel lamentável de somente ser mais uma industria de multas, e pra piorar os aplicadores são muito mal preparados, ou seja, os agentes do CET e SPtrans parece que ganham comissão pela quantidade de multas aplicadas por dia, conheço um motorista que num dia só recebeu 10 multas pelo mesmo motivo no mesmo lugar, dá pra desconfiar da idoniedade dessas multas, e como trabalhador entendo o lado dos motoristas. O sindicato dos motoristas fazendo “seu papel” que é de fato representar os trabalhadores e pior ainda o usuário que é refém de uma situação não criada por ele e sim por parte do poder público que ao meu ver é omisso e autoritário. O que fazer numa hora dessa, sair de casa e ficar esperando o ônibus que não vem e muitas vezes quando vem está excessivamente lotado, pior ainda é não ter outras opções de transporte na maior cidade da América Latina, ai vem alguém e diz ” Tem o Metrô e a CPTM” confesso que quando ouço isso de certos jornalistas e autoridades tenho vontade de convidar essas pessoas pra conhecer um São Paulo que eles não conhecem. Metrô temos quatro linhas que não atendem de fato a cidade como um todo, CPTM então, meu Deus, além de saturados também não atende todas as regiões da cidade, enfim a cidade precisa ser repensada em todos os aspectos e o transporte é o principal eixo. Lembro – me na década de 90 quando tivemos a invasão dos ônibus clandestinos e dos perueiros que tornaram a cidade um inferno, e pra piorar na época tínhamos no governo municipal grandes amigos do prefeito atual (Maluf e Pitta) que deixaram a cidade em frangalhos de tão abandonada e corrompida. E falando em política a comissão de transportes da Câmara Municipal é uma piada numa hora dessa, não apuram nada e não sabem de nada. E finalmente como busólogo, fico chateado por perceber que algo que gosto infelizmente está sendo mal utilizado por quem deveria torna-lo o meio de transporte principal da cidade, no caso a prefeitura que deixou de investir no serviço essencial (corredores decentes, semafaros inteligentes, vias melhor cuidadas e pessoas melhor preparadas) para investir em grandes obras eleitoreiras e dispendi ciosas. É um desabafo, forte abraço

  6. Talvez estas multas aplicadas pela SPTRANS, seja para a campanha eleitoral do SR. KASSAB e seus aliados políticos, as eleições para prefeito de SP vem aí, espero que a população não erre de novo!

  7. Sptrans deveria ser melhor fiscalizada a dúvida é por quem? ministério público (VENDIDO) tribunal de contas (VENDIDO e faz de contas), judiciário (tem medo) o povo (é covarde e não luta tem medo de uma revolução).

  8. http://www.sptrans.com.br/noticias/noticia.aspx?2897

    Olha o que a SPTrans pulblicou no site deles.

    Conseguiram!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: