Modernização de terminais do Corredor ABD

Publicado em: 16 de janeiro de 2012

Corredor ABD

Trólebus saindo de trecho segregado do Corredor ABD para via comum, em Santo André- SP. Até o final de 2013, os terminais ao longo dos 33 quilômetros de corredor e dos 12 quilômetros da faixa entre Diadema e Brooklin devem ser modernizados. O Governo do Estado de São Paulo anunciou que a empresa INA Representações e Serviços Técnicos Ltda venceu a licitação para deixar os terminais mais acessíveis e com melhores equipamentos. O valor do contrato é de R$ 7,9 milhões e faz parte da segunda fase de modernização das estações. As obras devem ficar prontas 18 meses depois da assinatura do contrato que deve ocorrer nas próximas semanas. O corredor ABD é bem avaliado pela população. A frota de veículos aumentou, além dos trólebus são usados outros modelos com tecnologia não poluente, agora a bilhetagem começa a ter avanços com o Cartão BOM, apesar de o bilhete não oferecer integração tarifária ainda, mas muitos equipamentos do corredor são os mesmos desde a inauguração em 1988. Nos últimos dez anos, a demanda cresceu 30% e agora chega perto dos 7 milhões de passageiros por mês. Aumentar a velocidade operacional do corredor e evitar o excesso de lotação são desafios. Foto: Adamo Bazani.

Corredor ABD vai ficar mais moderno até 2013
Ligação de ônibus e trolebus entre as zonas Leste e Sul de São Paulo pelo ABC Paulista terá estações mais avançadas com acessibilidade para portadores de necessidades especiais

ADAMO BAZANI – CBN

Os 33 quilômetros de corredor de ônibus e trólebus que liga São Mateus, na zona Leste de São Paulo, ao Jabaquara, na zona Sul da cidade, pelos municípios de Santo André, Mauá (Terminal Sônia Maria), São Bernardo do Campo e Diadema, devem ser modernizados até o final de 2013.
A promessa é do Governo do Estado de São Paulo que anunciou a vitória da empresa INA Representações e Serviços Técnicos Ltda no certame aberto pela EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos – em outubro do ano passado.
A INA deve fazer as obras de modernização do corredor por R$ 7 milhões e 900 mil.
As obras devem começar logo após a assinatura do contrato, o que deve ocorrer nas próximas semanas, e têm um prazo de 18 meses para serem concluídas.
Os terminais ao longo do trajeto, que também inclui a extensão Diadema – Morumbi, aumentando para 45 quilômetros o corredor, serão modernizados.
Haverá mais equipamentos para portadores de necessidades especiais, rampas melhores e corrimões, além de painéis de informação para estes passageiros.
É a segunda fase das obras de modernização dos terminais.
A primeira teve contrato de R$ 1 milhão e 900 mil e contempla as estações de São Bernardo do Campo, Sônia Maria, em Mauá, e Jabaquara, na zona Sul de São Paulo.
Além destas obras, estão planejadas a operação de trólebus entre Piraporinha e Jabaquara, instalação de estações de embarque e desembarque no lugar dos pontos, com possibilidade de pagamento antecipado de passagem além de abrigar melhor os passageiros, e repotencialização da rede elétrica para receber maior número de trólebus, diminuindo as possibilidades de queda de energia.

NECESSIDADE DE MODERNIZAÇÃO:

Apesar de ser aprovado pelos passageiros, o Corredor ABD, operado pela Metra, carece de modernização. Tanto pela dinâmica do sistema de transportes gerada pelas necessidades mais intensas de deslocamento como pelo aumento da demanda de passageiros.
De acordo com a EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos, são transportados mensalmente pelo corredor cerca de 7 milhões de passageiros.
O aumento de demanda nos últimos dez anos ultrapassou 30%.
O Corredor começou a ser construído em 1985 e teve a primeira fase entregue em 1988. Depois foi prolongado para Jabaquara e mais recentemente ganhou um sistema de faixas exclusivas entre Diadema e Brooklin.
O número de ônibus convencionais, de três eixos e elétricos foi ampliado, assim como foram introduzidos desde 1996 outros tipos de ônibus com soluções menos poluentes, como o elétrico híbrido, a etanol e hidrogênio.
Também os trólebus e ônibus começaram neste ano a aceitar o Cartão BOM (Bilhete de Ônibus Metropolitano), sem a possibilidade de integração tarifária, que também é usado nos ônibus intermunicipais.
Os bilhetes com traja magnética, que são usados desde o início do sistema, semelhantes ao do metrô, também são aceitos.
Se houve evolução quanto à frota, na bilhetagem começa a haver modernização, o corredor em si e seus equipamentos praticamente não mudaram desde a inauguração. Mas a demanda sim, crescendo de forma significativa.
O objetivo é aumentar a velocidade operacional do sistema do corredor ABD e diminuir o excesso de lotação em algumas linhas nos horários de pico.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Comentários

  1. wellington disse:

    no terminal sonia maria tem uma placa do governo mas nao vi nada de diferencia apesar desta ultima quinta estive la para pegar a 487(metra)se nao me engano la no terminal sonia maria ira ter eletrificaçao para trolebus da metra e outro linha de onibus.sera?se alguem sabe algo a respeito responda!agora qual é a nessecidade de ter um terminal que cabe umas quatro linhas e só tem duas.sao duas plataformas e nela cabem duas linhas mas é uma em cada:S (A DE TERM MAUA E B SHOPPING ABC STO ANDRE P STA TEREZA).se alguem sabe algo a repeito ou noticias sobre esse terminal poste aki mesmo um comentario!vlw!

  2. Bruno Quintiliano disse:

    Não sei se mais alguem concorda, mas já passou da hora de colocar biarticulados no corredor. O trecho entre os terminais jabaquara e são bernardo é superlotado quase o dia todo e esses trolebus, hibridos e etanol são todos padron ou 15m.

    1. wellington disse:

      concordo por mais que tenha o 6×2 ou articulado la em sao mateus as pessoas se amassam(pico) e digo de novo concordo iria ficar bom o biarticulado!

  3. Eles deveriam começar a implantar cobrança externa e tirar a catraca de dentro do ônibus.

    1. wellington disse:

      poderia começar nas entradas de terminais como o sonia maria e outros!

  4. Bruno Quintiliano disse:

    Pior é no trecho Diadema-Berrini, que tem a catraca padrão São Paulo mas o embarque pela porta traseira. inutiliza quase meio onibus

  5. Luiz Vilela disse:

    Catraca em ônibus lembra telefone fixo com disco. Lembram de quando a gente “discava” o número?!

    Os cobradores têm serviços mais importantes e necessários a prestar, inclusive dentro dos coletivos.

    1. Bruno Quintiliano disse:

      Antes de sair tirando os cobadores, é preciso implantar um sistema de recarga muito mais eficiente para os cartões (falo pelo bilhete unico e pelo bom que eu uso). O do bilhete único é bem melhor, mas ainda precisa melhorar antes de aposentar os cobradores.

      1. Luiz Vilela disse:

        Sem dúvida, Bruno!
        E para todos os modais públicos coletivos.
        Trabalho duro, extenso, caro e difícil, mas absolutamente necesário. No mínimo para as cidades e RMs maiores.
        Escrevi algumas vezes que, se tem que haver desoneração fiscal para transportes públicos coletivos, deveria ser usada na implantação de um Meio Único de Pagamento de Transportes Coletivos com recursos de cartões de débito bancários e mais alguns.

Deixe uma resposta