Para especialistas, KASSAB NÃO SE PREOCUPA COM TRANSPORTE PÚBLICO

Corredores de ônibus

Ônibus são obrigados a enfrentar longas filas nos poucos corredores de ônibus da cidade de São Paulo, vários mal planejados, não permitindo pontos de ultrapassagem, pagamento da tarifa antes do embarque e acesso facilitado para portadores de necessidades especiais, o que ainda torna as viagens de ônibus demoradas. Foto: Hélvio Romero – Agência Estado Mapa dos principais corredores de ônibus da cidade que se fossem bem feitos poderiam deixar as viagens neste tipo de transporte público mais ágeis e interessantes fazendo com que as pessoas deixem o carro em casa. Extensão dos corredores é bem abaixo das necessidades da população. Gilberto Kassab não cumpriu sua promessa de entregar 66 km de corredores de ônibus e abandonou projetos considerados importantes, como o corredor da Avenida Celso Garcia. Para o mestre em transportes da USP, Horário Figueira, a avenida necessita de um corredor e a desculpa pelo abandono do projeto alegando que uma linha de metrô vai servir a região, é Balela”

Para especialista, Kassab privilegia transporte individual
Promessa de 66 km de corredores de ônibus não foi cumprida e uma das principais ligações da cidade foi abandonada

ADAMO BAZANI – CBN, COM INFORMAÇÕES DO R 7

É consenso! Para melhorar a qualidade de vida nas cidades e ter bons resultados econômicos sem desperdiçar dinheiro em congestionamentos e problemas de saúde ocasionados pela poluição, a melhor forma é deixar de privilegiar o transporte individual e investir no transporte coletivo, o que inclui a melhoria e ampliação na oferta dos diversos modais possíveis, como ônibus e metroferroviários.
O que parece óbvio não é seguido por muitas administrações, em especial a da cidade que possui a maior frota de carros e de ônibus do País.
Neste sábado, o Portal R 7, do Grupo da Rede Record, faz um balanço da administração de Gilberto Kassab quanto ao tema.
O prefeito não entregou um centímetro sequer dos 66 quilômetros de corredores de ônibus, o que seria de competência do poder público municipal e pior, abandonou um dos principais projetos de corredores que agilizaram as viagens de boa parte da população da cidade em pouco tempo de implantação, o corredor da Avenida Celso Garcia. Para especialista, desculpa que de o corredor na Celso Garcia não foi implantado por causa do projeto de metrô na região é BALELA!

CONFIRA A MATÉRIA NA ÍNTEGRA, com a opinião do mestre em engenharia de transportes da USP – Universidade de São Paulo. Horário Figueira, entre outros especialistas.

Prefeitura de SP promete 66 km de corredores
de ônibus, mas não entrega nenhum
A um ano do fim da gestão, 25 km de vias estão em licitação sem previsão de entrega
Gabriel Mestieri, do R7

Apesar de ter colocado como meta a construção de 66 km de corredores de ônibus na cidade de São Paulo até o fim de seu segundo mandato, o prefeito Gilberto Kassab (PSD) não entregou nenhum quilômetro nos três anos que se seguiram a sua eleição.
A menos de um ano do final da gestão, nenhuma expansão na rede de corredores foi feita, e um dos projetos, numa das maiores avenidas da capital paulista, foi completamente abandonado.

A meta municipal para 2012 incluía um corredor de ônibus de 31 km na avenida Celso Garcia, mas a prefeitura abandonou a ideia. De acordo com a SPTrans (empresa responsável pela administração dos ônibus municipais), a prefeitura está buscando – junto ao governo federal – recursos para a construção de uma linha de metrô para atender os potenciais usuários do corredor que seria construído na avenida que liga a região central à zona leste de São Paulo.

Estudo e licitação
Além dos 31 km da Celso Garcia, os outros 35 km anunciados como meta da prefeitura estão dispostos da seguinte forma atualmente: 10 km estão em fase de estudo e 25 km, em fase de licitação.
A prefeitura não informa qual o prazo de entrega dessas obras, mas de acordo com o especialista em trânsito Horácio Augusto Figueira, mestre em engenharia de transportes pela USP (Universidade de São Paulo), elas só ficariam prontas ainda neste ano, último da gestão Kassab, “se fossem trazidas de Júpiter”.

Para Figueira, o ritmo lento na construção dos corredores reflete uma política que ainda privilegia o transporte individual.

– Não vejo esperança. Eles [prefeitura] não mexem uma palha para incomodar quem tem carro.

De acordo com o especialista, a justificativa da prefeitura de que em alguns locais não haverá corredor pois está planejado uma linha de metrô para o futuro, como na Celso Garcia, é “balela”.

– O pessoal da Celso Garcia está lascado [sic]. Vai ter que esperar o Metrô chegar? Não precisa, faz um corredor. Pode fazer um corredor até que o metrô inaugure. Agora você vai avisar a população que ela vai esperar dez anos [para sair o corredor], ela vai sofrer dez anos? Eu não esperaria nada.
O coordenador da ONG Nossa São Paulo Maurício Broinizi concorda com a análise de Figueira de que o transporte coletivo não é priorizado na cidade. De acordo com Broinizi, no caso específico dos corredores houve uma mudança na orientação da gestão após protestos de comerciantes.

– Chegaram a anunciar corredores, houve protesto de comerciantes e a prefeitura recuou. Ficou um vazio. Eles anunciaram que iam investir no metrô, mas a transferência de recursos que fizeram é muito insignificante […] Achamos que não tem política clara, não tem planejamento, não tem plano de mobilidade.

Velocidade
Figueira faz ainda uma crítica aos corredores já existentes na capital paulista. Segundo ele, a velocidade reduzida com que essas vias operam atualmente é reflexo de mau planejamento. O especialista afirma que os ônibus deveriam “conversar eletronicamente com semáforos”, privilegiando a passagem dos coletivos.

– Você economiza de 20% a 30% no tempo de percurso [se essa conversa acontecer]. Mas [se isso acontecer] você vai comprometer a velocidade média do automóvel. Tem que mudar a política. É preciso incomodar quem tem carro. É preciso ver qual a prioridade, se você quer atender uma pessoa ou 20 pessoas.

TEXTO DE APRESENTAÇÃO: Adamo Bazani
MATÉRIA DO R 7: Gabriel Mestieri

45 comentários em Para especialistas, KASSAB NÃO SE PREOCUPA COM TRANSPORTE PÚBLICO

  1. Finalmente acordaram?

  2. Amigos
    Não é possivel que não tenhamos nos orgãos responsáveis pelo transporte municipal de São Paulo técnicos competentes e com conhecimento suficiente para resolver os obstáculos ao fluxo dos onibus em corredores segregados ou não.
    O que nos resta entender é que não há interesse Politico na questão. Culpa só dele, Kassab.

  3. nossa agora sim eles veem o que é a realidade!cade os corredores da cidade e os noventa e ouco trolebus?e implantaçao de linhas que necessita?kassab nos pagamos impostos para ter o melhor e nao para sermos roubados!faça o seu trabalho seja onesto’ é dificil ver mais….

  4. Discordo quanto ao caso do corredor Celso Garcia. De acordo com os prognósticos de demanda feitos em cima da rede metroferroviária em estudo/projeto/execução com a linha da Avenida Celso Garcia até São Miguel Paulista e região, a oferta gerada por um corredor de ônibus ali nunca daria conta da demanda que, ainda segundo os estudos do Metrô, será a segunda linha mais carregada do sistema, perdendo apenas para a Linha 2/15. Com as expansões da Linha 2 (chamada atualmente de Linha 15), o monotrilho de Cidade Tiradentes e o Metrô da Celso Garcia, colocarão a Linha 3 no terceiro lugar do ranking de carregamento, deixando de ser superlotada nos horários de pico. O corredor é uma solução pontual e se fosse implantado já estaria saturado. Soluções a curto prazo no caso da Celso Garcia não resolvem o problema daquela região. E o Metrô precisa aproveitar a boa vontade deste governo em investir em obras metroferroviárias e fazer o mais brevemente possível a contratação do projeto básico desta linha, o que poderá trazer recursos para que esta linha possa começar sua construção. O projeto funcional desta linha (Linha 23 – Grafite – Pari a Nordestina) está em fase de contratação.
    De fato o Kassab fechou o caixa nestes 4 anos para muita coisa, não só para o transporte municipal. Os terminais de ônibus prometidos para esta gestão não saíram do papel. O caso mais lamentável foi o Terminal Pinheiros. Quanto aos corredores, esperava que ele tirasse do papel pelo menos a extensão do corredor Rebouças até o Terminal Campo Limpo e o corredor da Berrini, que é moleza de fazer. Já que o Expresso Tiradentes ele passou para o estado fazer ele poderia se empenhar em novos projetos que fossem realmente bons. Não algo como um corredor na Radial Leste, paralelo ao Metrô e a CPTM.

    • Negativo.

      Essa historia de demanda e conversa tola. A demanda que eixo possui fazendo um bom corredor em estilo BRT da conta do recado sim. E mais a própria area 3 tem a linha 12 da CPTM que é muito mau gerida que poderia até mesmo desafogar a linha 3 se tivesse o foco de melhorar toda sua estrutura se equiparando em velocidade, intervalos e qualidade do metrô além de estender até a região da paulista e redistribuindo as linhas de ônibus que vão a linha 3 do metrô para linha 12 da CPTM. Além disso com o corredor bem estruturado ajudando no tempo de viagem e melhorando a redistribuição das duas linhas metroferroviarias 3 e 12, aproveitaria para reurbanizar a Celso Garcia que hoje é uma avenida feia e decadente necessitando de melhorias urgentes.

      O Metrô linha 23 vai levar anos para ficar pronto, principalmente perto de outras linhas e expansões que estão na frente. Se realmente eles levassem isso a frente levaria no minimo 20 anos para ficar pronta. É justo esses passageiros moradores da area 3 ficar nesse desconforto e demora só por causa de uma decisão levada mais por questões politicas do que técnicas e práticas?

      • Gabriel Garcia // 15 de Janeiro de 2012 às 00:36 //

        A Linha 12 não atende bem a Zona Leste por sua localização, por esta razão não há demanda. Se ela fosse deslocada para o eixo da Celso Garcia no seu trecho quase central haveria mais demanda, ainda aquém do desejado para a Zona Leste. Apesar de ainda não ser a linha dos sonhos operacionalmente, por ainda compartilhar as vias com trens de carga, o que impede que uma grande melhora na estrutura seja feita no momento, a linha já não é o que foi há alguns anos, quando chamavam ela de ótica do descaso.

        Este eixo da Celso Garcia precisa se tornar um eixo estrutural, e nem o mais estruturado BRT, VLT ou Monotrilho cabe ali. Fisicamente BRT naquele eixo seria um problema. Mesmo o Monotrilho, que ocupa muito menos a faixa de domínio da via seria problemático ali – sem levar em consideração a demanda, claro. O VLT nem se fala, pela demanda.

        A Linha 23 não é uma promessa, é uma realidade. Metrô demora para ficar pronto, é verdade, mas não exagere em falar de 20 anos. A Linha 4, que teve todos os problemas do mundo, terá demorado 10 anos quando a Fase II abrir por completo. Isso se tratando de uma situação que foge totalmente ao padrão. A população já esperou até agora uma solução para o eixo Celso Garcia. Não deve haver desespero em se executar algo que não atenda dignamente a população, como um corredor. Esta decisão é técnica, se não fosse necessário o Metrô ali o governo faria Monotrilho, que tem capacidade semelhante ao BRT. O erro foi a prefeitura e o governo não terem conversado sobre esse eixo antes.

        Agora que tudo está resolvido e esse eixo será contemplado com o Metrô Pesado, vamos esperar o projeto funcional ficar pronto, depois o básico e, por fim, o projeto executivo junto com as obras. Contratando-se o projeto funcional agora, até as obras começarem deve se passar uns 3 anos (no máximo), já no mandato do próximo governador.

    • Na minha modesta e inválida opinão, a Celso Garcia tem demanda para que haja um BRT e um metrô ao mesmo tempo.

      Se os destinos e formas de integração forem diferentes, não ocorrerá sobreposição pura e simples. Assim, acredito que seria viável fazer sim o corredor de ônibus na Celso Garcia (que ficaria pronto mais rapidamente) enquanto se faz o metrô.

      BRT, Metrô e outros nascem já saturados em São Paulo, porque São Paulo está saturada quantto a TRANSPORTES PÚBLICOS e não MODAIS.

      Percebam que todas as possibilidades de obras que discutimos longamente aqui e que AS AUTORIDADES OU ASSESSORES VEEM NESTE BLOG (fato que eu sei) são para “tirar o atraso da mobilidade”.

      Vai demorar para chegaramos ao ideal: os transportes crescendo junto com a cidade e não atrás dela.

      Minha humilde e não importante opinião, à qual ninguém precisa concordar.

      Adamo Bazani

      • Esperava ansioso seu comentário e me considero recompensado.
        Sim, faz sentido BRT + Metrô na CelsoG com o Metrô usando a rota para estruturar e levar a pontos + distantes e o BRT para cuidar da importante circulação local por rede de ônibus. O amigo Galesi escreveu algo neste sentido sobre o corredor da Rebouças e a Metrô 4.
        “Tirar o atraso” é perfeito. Mas não impede que bons projetos levem a mobilidade adiante da necessidade imediata. E também não deveria desculpa para determinados atrasos absolutamente intoleráveis, como M´Boi Mirim/Robert Kennedy. Região com grande e concentrada população, muitas empresas e fábricas, faculdades, comércio. Um governo mais sério tomaria atitude a altura, ao invés de continuar choramingando verbas estaduais e federais e invocando regras de licitações que mantém tráfego de documentação em papel. BASTARIA FAZER CHEGAR TRILHOS NA 9 E/OU NA 5! E acredito muito que já é hora de estudar trilhos de lá à Metrô 4, no Taboão ou um pouco adiante.

      • Gabriel Garcia // 15 de Janeiro de 2012 às 23:54 //

        O Metrô cogitou estender a Linha 4 para dentro de Taboão, porém um entrave no contrato de concessão impede isso. Espero que façam para suprir esta necessidade um bom corredor metropolitano ligando o Largo do Taboão ao resto da cidade e ao município de Embu das Artes. Quanto a M’Boi Mirim, a administração atual foi vergonhosa, tudo que levou aquele corredor a ter alguma melhora foi graças a intervenções do Ministério Público. Aquele corredor precisa de uma duplicação, mais nada o salva, exceto colocar um VLT no lugar ou um monotrilho (planejado pelo Kassab, mas esquecido até por ele mesmo). Foi vergonhosa a forma como ele foi implantado e o erro até hoje não foi corrigido.

  5. É por isso que todos os planos de transporte falam em rede de média capacidade: um corredor ficaria sobrecarregado, mas se for feita uma rede bem estruturada, pode sim dar conta. Fazer um único corredor, sem planejar o resto, causa a mesma coisa que hoje ocorre na linha 3: vai todo mundo pra ela e ai não tem jeito, ela fica superlotada.

  6. Negativo novamente. A linha 12 não esta mau localizada mas sim mau organizada. A maioria se não todas as linhas da area 3 que vão para linha 3 do metrô passam bem o proximo ou cruzam com a linha 12 da CPTM além disso levando a linha 12 da CPTM até a região da Paulista interligando-se com a linha 1 e 2 do metrô e até mesmo com a futura linha 6 sairia mais barato, mais rápido e com o corredor bem estrutrado de ônibus na Celso Garcia e Radial Leste o deslocamento sairia muito melhor além de melhorar o fluxo da linha 3 do metrô.

    Além disso Gabriel você se esquece que quando necessita de um projeto novo como o da linha 23, há também outras linhas como a 6 em planejamento porém sem nada de concreto ainda. O que te leva a acreditar que a linha 23 iria ter prioridade e rapidez?

    O que a prefeitura está fazendo, dando a desculpa de metrô é balela sim. A prefeitura junto a SPTrans se acovardaram em enfrentar o transporte individual, tentam pegar no “bonde” do metrô ( que sem um bom planejamento dos ônibus e corredores dos mesmos) vai continuar não dando os efetivos resutados no deslocamento GERAL da cidade.

    O que vemos até agora e a falta de um planejamento integrado em transporte na qual se previlegia um unico modal (metrô), sendo os trens tendo apenas algumas estações reformadas e trens novos como demora na implatação da sinalização sem real previsão de quando ficara pronta, além de grande priorização do transporte individual.

    • Tenho carro e moto e não troco por ônibus algum, só por transporte que tenha a mesma rapidez do carro, como o metrô ou o trem (que não enfrenta semaforos)

      A maioria da população rejeita o sistema de onibus e os vê mto negativamente. Qdo isso acontece, reverter isso leva vários anos, senão decadas. Vide linha 4, abriu em horario full em setembro do ano passado e hj já tem demanda de 540.000 usuários por dia util.

    • Tremendo pepino a Celso Garcia. A discussão aquie está ótima e gostaria de considerar sobre as opiniões dos amigos:
      – Acredito que a 12 é quem deveria sofrer intervenção mais profunda no curto prazo. Novas estações, mais pontos de integração com a 3 e material rodante/sinalização para intervalo de 100seg. Mais ainda agora, que se chegará ao aeroporto GRU por ela. Com todo respeito aos cargueiros, é inconcebível passar por ali no séc. XXI.
      – Conhecia a 23 pesquisando agora. Claro que resolveria a Celso Garcia, mas acho que não só é menos prioritária que muitas outras para ser priorizada agora.
      – Ótimo ponto revitalizar – e profundamente! – a Celso Garcia. O BRT pode ajudar sim, VLT também poderia. Mas concordo muito que só Metrô suportaria a demanda. Meu ponto é que não só a 12 tem que ser MUITO melhor aproveitada como outras linhas precisam tirar da CelsoG os deslocamentoa a pontos mais distantes. PRECISA HAVER LINHA DE ALTA CAPACIDADE AO LONGO DA MARG.TIETÊ, MESMO QUE NÃO SEJÁ ÀS MARGENS DO RIO.Uma linha assim faria a função estruturante junto com a 3, a 12, a 15/2 e a futura 18. E É PRIORITÁRIA, coisa que esta 23 não e.

  7. O Kassab não ganha mais eleição nem para síndico de prédio!!!

    Um péssimo administrador!!!

  8. se até este q vos fala percebe q esse atual prefeito,dá preferencia ao transporte individual,mesmo estando longe de São Paulo,por que voces não?a”martaxa”(com uma imprensa dessa,até eu fico retardado),estava fazendo os corredores de onibus e se fosse reeleita,São Paulo,teria algo em torno de 150 km de faixas exclusivas de onibus.mas,os eleitores”esclarecidos”pela nossa grande mídia(por mais q digam q não),elegeram o Serra,q a partir de 2005,passou a privilegiar o transporte individual,sucedida pelo atual prefeito.não adianta mais criticar.foram os eleitores q”escolheram”.desculpa Ádamo pela crítica!

    • leonardo, foi exatamente isso que aconteceu. Por pior que ela fosse, ela se preocupava com o transporte coletivo (mesmo nessa área a gestão dela não foi perfeita, mas foi muito melhor do que as outras)., mas a classe média paulistana, que tem ódio de tudo que possa soar como popular ou coisa assim, elegeu o Serra, que deixou o Kassab de herança. Uma taxa que nem era tão ruim assim, deixou a marca até hoje, mas o Kassab, não fez nada, na época da eleição encheu a cidade de canteiros de obra, fingiu que ia trabalhar e ninguem mais se lembrava de quem ele realmente era (e depois, muitos ainda disseram que foram enganados).

      • A Marta apesar de ter feito os corredores, por causa dela que as opiniões referentes corredores de ônibus ficasses pior do que era. Assim como o governo do estado faz o metrô para gerar votos, Marta fez os corredores de ônibus de forma eleitoreira não técnico-prático.

        Onde ja se viu fazer um corredor como o Rebouças sem ultrapassagem e sem terminais de integração? E ao mesmo tempo iniciar obras de terminais como São Miguel e Sapopemba sem as construções de corredores? Fora a desorganização do corredor M’boi Mirim.

        Kassab perdeu uma grande oportunidade de melhorar as obras da Marta e fazer os corredores prometidos, que alias muito talvez não perceberem que ele largou de lado os corredores depois do protesto dos moradores e passageiros do corredor M’boi Mirim.

        Hoje todos os candidatos dos principais partidos (PSDB/DEM/PT) assim como outros, olham para o que possa gerar mais votos na área de transporte que o modal metrô (quem não se lembrar da campanha de Marta promentendo sem poder determinadas expansões do metrô, sendo que nem é competência da prefeitura?). O transporte da capital paulista só vai ter uma real melhora quando pensarem numa rede de transporte integrada de verdade via diferentes tipos de modais desde de simples faixa de ônibus, corredores simples, sistema BRT, VLT, ferrovia, ônibus executivo, trem expressos e metrô dentro de cada situação onde o orçamento para construir e manter seja racial e justo.

      • Marta fez mal feito e incompleto mas lançou sementes. Não se deve esquecer do Bilhete Único e sim tomar cuidado pros políticos atuais não o misturarem com o BOM sem criar um Meio de Pagamento realmente ÚNICO.

      • Bruno:voce se expressou melhor do q este q vos fala.essa classe media de São Paulo,faz pena.se acha tão”esclarecida”mas,é Burra!

  9. Bom dia.
    Eu gostaria de saber qual é o político brasileiro (executivo ou legislativo) que se preocupa com o transporte público. Quem é esse político?
    Nós aqui nos preocupamos e discutimos bastante. Mas desconfio que estamos “malhando em ferro frio”, pois as autoridades recomendam, e as suas práticas fiscais estimulam, que se compre carros.
    Saudações.

    • PauloZ
      Acredito que a RMSP chegou num ponto em que o usuário de classe média pode ganhar com transporte público coletivo em relação ao carro.
      Por isto os políticos estão “acordando para a mobilidade”. Kassab demonstra ter “entregue a toalha”, mas Alckmin, ainda que a passos de tartaruga e aceitando passivamente uma série de “verdades estabelecidas’ que tornam os prazos das obras ridículos, pelo menos não deixa a coisa parar.

      Mas não se deve esquecer que quando Alckmin assumiu, prometeu cortar verba de Metrô e CPTM. Foi bombardeado pela mídia e opinião pública, aí não só voltou atrás como adotou mais projetos. Metrô e BRT em São Paulo têm aquela característica matadora para nossos políticos: demorar – pela falta de coragem e determinação deles próprios – 8 anos ou mais pra ficar pronto. Passou de um mandato, fu…!

      • Ah sim: deixando claro que BRT é muito mais fácil, rápido e barato de fazer que Metrô. Escrevi que EM SAMPA É ASSIM. Porque administração atrás de administração, ninguém assume botar ordem na festa das Cias de Ônibus.
        Como Bruno Quintiliano tão bem coloca, é incompetência fazer um sem fazer o outro, mas isto parece nunca acabar em Sampa.

    • voce é meio desatento cara.a gente falou aqui quais foram os problemas(tenho até uma transporte mundial,de 2004,falando dos”Bi-Articulados”e dos corredores),mas,voce não prestou atenção.

  10. Em três anos já não fez nada para a população ainda mais agora em época de eleição.Um tapa na cara da sociedade em prefeito.

  11. Nando
    Região da M´Boi Mirim e Estrada do Campo Limpo pra mim são as campeãs da omissão desta Prefeitura e deste Governo com mobilidade. Os usuários de lá sofrem mais que os da região da Metrô 3. Bairros bons estão degradando a olhos vistos e ainda assim não se dá andamento aos projetos – na verdade apenas promessas vazias. Nem sequer a extensão da 5 ao Jdim Ângela está indo pro projeto executivo, até onde sei.

    • O projeto executivo será contratado junto con as obras. Esta parte da linha está no projeto básico se não me engano. Ao que tudo indica o governo vai pagar com recurso a fundo perdido este trecho, que foi tratado como prioritário.

  12. #
    #
    #
    #

    *
    Marcos Aurelio Aurelio
    Marcos Aurelio Roque
    E-mail: marquinhoccb@hotmail.com

    Endereço: Av. 27 de março, 56 Bairro: Vila Garcia- Votorantim-SP
    Telefone: (15) 33432169 – (15) 98614207 31031987 Data de Nascimento: 02/09/1969

    Formação Escolar: 1° Grau Completo

    Outros Cursos:
    Curso: vigilante
    Entidade: Academia de vigilantes
    Cidade: São Paulo
    Curso: Motorista Cidadão
    Curo: Inglês e Espanhol em transito
    Direção defenciva
    legislação de Transito
    1° socorros , meio ambiente convivio social
    Motorista Rodoviário Obrigatório no Rio de Janeiro
    Resolução Art. 168,
    Curso: Transporte coletivo.

    Formação Profissional :
    Empresa: Verdun Transportes S/A
    Função: Motorista Urbano
    Período: 07/05/2009 à 09/11/2011

    Empresa: Envitec Saniamento Ambiental
    Função: Ajudante Geral
    Período: 02/05/2005 à 31/07/2007

    Empresa: SPL do Brasil
    Função: Ajudante Geral
    Período: 20/05/1998 à 03/12/2001

    Empresa: Julio & Julio Ltda
    Função: Ajudante Geral
    Período: 26/03/2002 à 03/10/2003

    Empresa: Filon Confecções Ltda
    Função: Auxiliar de Qualidade, Maquinista Pleno
    Período: 03/07/1995 à 05/12/1996

    Votorantim______de_______2011

  13. Acho que não devemos aprofundar muito na discussão sobre investimentos do metrô e da CPTM, que não são o tema. O investimento nos trens está sendo enorme, a própria linha 12 anda recebendo estações e trens modernos. Falta a via permanente, que será melhorada após a segregação dos trens de carga, que está em andamento. Serão feitas algumas retificacões do tracado dela para aumentar sua eficiência.

    É verdade, o sistema de ônibus é mal integrado a esta linha. A situação vai melhorar um pouco com a estação intermodal de São Miguel, que está perto de ser inaugurada, mas ainda precisa ser melhor integrada.

    Quanto a Linha 6, você esta enganado, a linha está no final de seu projeto básico e resta apenas a modelagem da PPP dela para lançarem a licitação da obra, que vem junto ao projeto executivo. Uma empresa contratada esta definindo as desapropriações.

    Esta linha da Celso Garcia foi aceita pelo governo logo após seu estudo preliminar e está na fase final de contratação de seu projeto funcional, com intenção de investimento da prefeitura, inclusive. Junto com a linha da Faria Lima devem ser as prioridades. E olhe que apesar de toda a repercussão da linha da Faria Lima o projeto funcional dela que eu saiba ainda não foi contratado, mas a intenção da prefeitura é de colocar 2 bilhões nela, o que deixa ela praticamente garantida.

    A prefeitura precisa se mexer para arrumar outros eixos da cidade de média capacidade, porque Celso Garcia e Faria Lima já estão no papo. O monotrilho ds prefeitura para o M’Boi Mirim sumiu, o Kassab espera que a extensão do Metrô até o Jardim Ângela resolva tudo, mas se ele pensa assim está muito, muito enganado. E os representantes do bairro parecem ter aceitado isso como solução definitiva, uma pena.

    • Gabriel Garcia
      Torço muito para você estar certo sobre a 12!
      Priorizar a Metrô 23 e a linha da Faria Lima me parece injusto com outras regiões mais necessitadas e obras menores mais produtivas a curto e médio prazo:
      – Extensão (prometida por Alckmin e Jurandir) da 8 a Água Branca
      – Ramal da CPTM a Alphaville/Tamboré
      – Estender a 1 a Diadema (governo nada falou)
      – Estacionamentos de carros/Terminais de integração com ônibus na 8 com Rodoanel e na 9. O CEAGESP já está bastante desativado e – prometem – sairá do Cebolão. O local é perfeito para estacionamento de carros/Terminal de integração com ônibus e – por que não? – receber o trem regional de Sorocaba.
      – Extensão da 4 ao Taboão (deveria estar priorizada e acontecendo, mas governo segue enrolando).

      Obras maiores que seriam mais prioritária que a 23 e o Metro Faria Lima-Jardins:
      – Anel metroferroviário desde a 8 em Itapevi ou um pouquinho adiante até a 4 em Pirajussara. Para a enorme demanda reprimida e mobilidade falida e piorando de Cotia, Raposo Tavares, Granja Vianna, Embú. Imagino monotrilho, pela topografia muito difícil e fluxo talvez pequeno para Metrô pesado.
      – Certa época se falou de linha “rosa” que seguiria passando pela 9 no sentido de Pirajussara pela rota da Politécnica.
      É apavorante o governo considerar Metrô só até Granja Vianna apenas para 2029.

      • Gabriel Garcia // 15 de Janeiro de 2012 às 17:50 //

        Esse VLT de Alphaville eu não sei em que passo está. A linha 1 até Diadema é boato, nunca houve nenhum estudo sobre isso e nem é planejado. De estacionamentos, a Linha 6 terá um grande na rodovia dos Bandeirantes, mas isso na segunda fase de construção da Linha 6, que está em estudos, entre a Brasilândia e a rodovia, passando pelo Piritubão. A extensão da linha 4 para o Taboão está bem avançada já, está no contrato de concessão da linha, o projeto funcional desse trecho encontra-se em licitação:

        AVISO DE LICITAÇÃO
        CONCORRÊNCIA No 42321213 – PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS PARA EXECUÇÃO DE INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS E SONDAGENS E, PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO FUNCIONAL E DE PROJETO
        BÁSICO DE ARQUITETURA, DE ENGENHARIA CIVIL E DE SUPERESTRUTURA
        DA VIA PERMANENTE DA LIGAÇÃO VILA SÔNIA – TABOÃO DA SERRA, DA
        LINHA 4 – AMARELA DA COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO –
        METRÔ. A COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO – METRÔ torna
        público que se encontra aberta a Licitação acima, em conformidade com a Lei
        Estadual nº 6.544/89 e a Lei Federal nº 8.666/93, com suas alterações. O Edital
        completo pode ser obtido gratuitamente por meio da Internet, no site www.
        metro.sp.gov.br, ou retirado no Protocolo da Gerência de Contratações e Compras, situado na Rua Boa Vista, 175 – 2º Andar – São Paulo, Capital, no período
        de 04/01/2012 a 28/02/2012, das 9h as 11h30 e das 13h30 as 16h30, mediante
        pagamento de R$ 10,00 para aquisição da versão em CD-R. Os documentos e as
        Propostas Técnicas e Propostas Comerciais deverão ser entregues na Sessão
        Pública de Recebimento e Abertura, marcada para o dia 29/02/2012, às 09h00,
        com tolerância de quinze minutos, no mesmo endereço..

        O anel metroferroviário está em estudo, mas nada está definido ainda. Um monotrilho saindo de São Paulo-Morumbi até a Granja Viana está sendo estudado. Essa linha da Pirajussara já figurou entre os estudos, mas por enquanto não está nos planos. Nos estudos preliminares tudo pode mudar. As linhas mais certas a saírem são a Linha 21 – Rosa (Moema-Lapa Via Faria Lima), Linha 23 – Grafite (Pari – Nordestina) e a Linha 19 – Celeste (Água Espraiada – Pari Via Santo Amaro). Esta última já está nos planos faz tempo.

      • Gabriel Garcia // 15 de Janeiro de 2012 às 17:52 //

        Corrigindo: Linha 20 – Rosa, e não 21. E o projeto até taboão que será contratado é o funcional e o básico, o que ajuda muito a adiantar este trecho.

      • Gabriel Garcia
        Puxa, que ótima informação o Metrô a Taboão ser licitada mês que vem!
        Deveria acompanhar obras viárias e revitalização para melhorar o nó da saída para Régis Bittencourt, passando pelo horroroso fosso do piscinão.

        O que li anos atrás foi esta “Rosa 20” a Av. Pirajussara via Av. Politécnica. Seria bem interessante vir da Lapa por esta rota e interligar com a 4.

  14. A verdade e que este governo foi nota zero em termos de transportes, agora e aguardar e torcer para a população nesta eleição não cometer o mesmo erro, prestem atenção em quem este senhor apoiar, alem de que pelas promessas deste prefeito eu também tive a impressão de que ele iria faze os 64 km de corredores renovação da frota de onibus, terminar o fura fila Tiradentes, etc…; ele se quer conseguiu livrar a popolução da zona leste da Novo Horizonte que sem duvida e a pior empresa de transporte publico do Brasi, e hoje reina abasoluta, este senhor Kassab tem 3 caracteristicas que eu diria demoniacas, ele e mentiroso, cinico e demagogo.

    • tem um problema q parece ser fútil,mas,não é.o povo de”Sampa City”é muito influenciado pela mídia!2004 e principalmente,2008,a imprensa Ganhou as eleições em São Paulo(Cidade)!

  15. Perguntar não ofende :

    Até que ponto se pode confiar em uma matéria veiculada em um R7 ?
    E os vereadores, principalmente os de oposição ? O que eles fizeram esse tempo todo ? Não adianta vir agora e cobrar do prefeito algo que eles não cobraram durante o mandato inteiro, e a oposição não pode cobrar aquilo que não fez antes. E que não fará se for eleita!
    Vai se preocupar em deixar sua ”marca” em carroceria de onibus , estrelinhas, bonequinhos …
    Quando faz alguma coisa, deixa marcas, como em Cubatão, onde todos os onibu municipais começam com o numero 13, o mesmo partido da prefeita … quanta coincidencia, né ? Como pensam que o povo é trouxa !

  16. Prefiro andar em onibus com bonequinhos pintados de quanquer cor, com qualquer numero, ou modelo, mas que tenham intervalos dignos, que sejam limpos, do que o que temos hoje, como exemplo os velhos trolebus, com os dizeres este onibus não polui, não polui mas vive deixando os passageiros no meio do caminho, adoro os eletricos, mas que são terriveis para quem os utilizam são, porque vivem quebrados, quando pegamos um onibus queremos chegar no seu destino, o resto não se justifica.

    • Pedro
      Respeito ao usuário é necessário. Ninguém tem que aturar propaganda de nenhum partido em bem público, às custas do nosso $ de impostos.

      Concordo muito que o que mais importa são os intervalos e a limpeza. Acrescentaria a logística interna. Desde a entrada, passando por corredor no mesmo nível, catraca (que deveria ser extinta),bancos até a saída) e a eficiência da cobrança, que não poderia ser em espécie nem deveria exigir cobrador.

      Discordo que elétricos são mais suscetíveis a quebras. Basta que haja manutenção competente. Principalmente em cidades grandes não poluir – inclusive com ruído, muito menor nos elétricos – faz muita diferença.

  17. Pessoal

    Me ausentei devido a ter ficado sem meu computador por semanas, mas vamos à minha opinião sobre o assunto relevante:

    Em primeirissimo lugar, o meu recado especialmente aos Ferreofãs.

    O metrô é importantíssimo na Zona Leste, inclusive na Celso Garcia, mas tem um porém: NÃO VIVEMOS NO PAÍS DAS MARAVILHAS, VIVEMOS NO BRASIL então sendo assim vamos à DURA REALIDADE:

    1. O Governador Alckmin tem que trazer o metrô da VILA PRUDENTE para o TIQUATIRA para ajudar a aliviar a linha 3 do metrô e aumentar a mobilidade da população pois os que moram na região da linha 3 são os que trabalham na região da PAULISTA. Pois bem, esta liçãozinha de casa o Alckmin não fará antes de 2020, isso é FATO, pois no projeto apresentado por um dos diretores de projeto do metrô, foi que o trecho de Vila Prudente irá até o ANALIA FRANCO até 2015/2017.E até a PENHA-TIQUATIRA até 2020/2025.

    2. Há regiões que atualmente não são servidas pelas linhas do metrô e que a mais de 30 anos estão batalhando para que haja uma linha do metrô razão pelo qual foi licitada ou está em licitação a linha 6 do metrô do S.Joaquim até Brasilândia e até 2030 lado leste até ANÁLIA FRANCO E LADO NORTE BANDEIRANTES.

    3. Existe a VILA MARIA que há anos também espera por uma linha do metrô.

    PORTANTO AOS DEFENSORES DO SISTEMA DO METRÔ O SEGUINTE RECADO:

    METRÔ NA CELSO GARCIA SÓ PARA ALÉM DE 2030 e não de IMEDIATO como muitos devem imaginar.

    Por estas 3 razões, embora eu faça parte da turma de DEFENSORES DO METRÕ E FERROVIAS, estou ciente da realidade e a posição que eu defendo é que de IMEDIATO seja construido um corredor de ÕNIBUS ligando o ITAIM PAULISTA (CONSTRUINDO A PARTIR DO ITAIM PAULISTA ATÉ A PENHA “FRENTE 1”) e do CENTRO – PQ D.PEDRO(CONSTRUINDO DO CENTRO ATÉ A PENHA “FRENTE 2”) para eventual encontro entre os dois corredores.

    Uma coisa que admiro em CURITIBA é que aonde há o trajeto de um dos corredores aonde está saturado, vão construir o METRÔ para substituir os bi articulados , isso sim é PLANEJAMENTO, primeiro se coloca um MODAL para depois adaptar um outro MODAL.

    Agora voltando para a realidade de São Paulo, a CELSO GARCIA tem demanda que poderá suprir o METRÔ e tem demanda para MICROACESSIBILIDADE no CORREDOR que estaria construido e com o aumento da demanda apoiaria a linha do metrô.

    Só ver a questão da Radial Leste, lá ela é servida pela CPTM, METRÕ e agora terão que construir um corredor de ônibus PARA APOIAR AINDA MAIS CPTM E METRÔ.

    Portanto pessoal vamos ser racionais, vamos ser realistas, vamos primeiro humildemente fazer o que nos é possivel no momento atual, para depois fazermos o que é necessário, pois saturação por saturação, NÓS DA ZONA LESTE estamos SATURADOS de TANTA PROMESSA E MUITO BLÁ, BLÁ, BLÁ., pois não é fácil depois de um dia todo trabalhado, sofrermos com um trânsito caótico para chegarmos às nossas casas. PROJETOS EXISTEM MUITOS PARA A CELSO GARCIA, agora eu não ví um POLITICO QUE TENHA CORAGEM PARA ESTA EMPREITADA.

    Abraços

    Marcos Galesi

  18. Galesi
    Concordo plenamente com seus pontos de vista, até porque, temos na zona leste a linha 12 da CPTM não aproveitada corretamente, por falta de alimentação e capilaridade, que poderia iniciar o processo de transferência de maior distância, aliviando a Av. Celso Garcia, num projeto de execução mais rápido do que o prazo de construção de uma nova linha de metro.
    A Av. Celso Garcia do centro até a Penha já dispoe de rede eletrica e linha de trolebus, o que facilitaria a execução de um corredor de ótima qualidade.
    Caso fosse construida uma estação ferroviária na Penha/terminal Aricanduva (linha 12) para interligar com os onibus urbanos que ali passam, eliminaria a necessidade de transitar pela avenida os passageiros com destino ao centro da Capital, e cuja transferência para os trolebus troncalizados agradaria aos passageiros com destino a propria avenida e adjacências.
    Outras integrações poderiam ser feitas ou com a linha 11 ou com a linha 12 ou 3, de forma aliviar os
    passageiros da região do Itaim Paulista e região, pois, as ferrovias + o metro abraçam aquela região.
    Então, o planejamento deveria ser para abreviar o sofrimento do povo da Zona Leste, procurando antecipar as aplicações de soluções mais baratas e de execução mais rápidas.
    O que é de competência Municipal (os corredores de onibus e seus terminais) deveria ser assumido pelo nosso prefeito, que com a desculpa de investir no Metro deixa de cumprir sua obrigação.
    E o Governo do Estado deveria olhar mais para as linhas (e seus espaços) instaladas que não estejam com sua capacidade operacional completa e melhor utiliza-las, colocando trens a partir desses pontos de integração.
    Veja o caso da linha 10 que não pode chegar até a estação da Luz, por falta de espaço nas plataformas.
    Veja a Estação Julio Prestes com pouco uso.
    Veja a linha 12 que para no Bras.
    Junte os assuntos e veja quantas alternativas poderiam ser usadas.
    Acho que os governos não querem trabalhar.
    Ate mais

  19. Pessoal desculpem o que vou dizer. Amigo Jair

    Concordo com suas observações inclusive na questão sobre os governos. O Kassab sofre de um distúrbio chamada pelo nome científico de “vagabunditis agudis” ou popularmente VAGABUNDICE AGUDA. Ele sim é o verdadeiro VAGABUNDO, não aquele pobre coitado que embora ele estava errado, estava reivindicando um direito que é o direito à saúde, e foi chamado de VAGABUNDO.

    Este distúrbio é contagioso, se o Alckmin não se vacinar, estará em breve de posse deste distúrbio.

    É ANO POLITICO, É NECESSÁRIO UM POLITICO COMPROMETIDO COM A CIDADE DE SÃO PAULO E NÃO DE “POLITICOS OPORTUNISTAS” OU DE POLITICOS QUE SÓ SE DETÉM EM PROMESSAS, PROMESSAS E MAIS PROMESSAS………….CHEGA DE PROMESSAS, QUEREMOS AÇÃO.

  20. Galesi
    Concordo com seus argumentos, especialmente planejamento de modais. Mas acho as propostas do Jair mais eficazes a curto e médio prazo.

    Galesi e Jair
    Meu quintal é a região da Raposo Tavares, onde o caos diário assusta pela situação atual e dá desespêro pela falta de perspectivas a médio prazo. Simplesmente porque não tem NADA: nem trilhos, nem corredores.
    Mas considero M´Boi Mirim/Robert Kennedy e a Metrô 5 a Jardim Ângela + críticos que Zona Leste, para estabelecer prioridades. Gostaria de ouví-los sobre isto.

    • Amigo Luiz Vilela Saudações,

      A questão da M’ Boi Mirim/Robert Kennedy é fácil de explicar.
      O grande problema é que são 59 linhas municipais e imaginemos estas linhas dentro do corredor. Não adianta termos corredor de ônibus e termos tantas linhas assim em um corredor, o correto é a construção de mais um terminal que comporte pelo menos umas 30 linhas e colocar carros BI ARTICULADOS para fazerem as linhas troncais.
      aliás na M BOI também rodam peruas de cooperativas à direita então o fluxo do tráfego fica difícil.

      Com relação à Robert Kennedy também é a mesma situação linhas de corredor e ao mesmo tempo. Com relação ao metrô da linha 5 já era esperada a alta demanda tanto é que estarão chegando mais 26 trens para a linha 5, cujo já foram comprados pela CAF.

  21. Luiz Vilela
    Eu também estou nesse quintal da Raposo Tavares, moro no J Bonfiglioli e trabalho, por opção própria, na Granja Viana, portanto, no contra-fluxo do transito.
    Estou nesta área há 40 anos, e os outros 25 anos na divisa de Santana com Casa Verde.
    Me apaixonei pelo transporte público a partir dos 13 anos, usando trolebus e as vezes o trem da cantareira.(ambos já extintos na região).
    Ví prefeitos que deram muita atenção aos transportes de São Paulo, fazendo da CMTC um exemplo:Prestes Maia,Faria Lima e Olavo Setubal, daí pra frente foi tudo muito confuso.
    Na área de ferrovias o dominio era da Central do Brasil Federal (o pior) e a Sorocabana Estadual, com pouco ou nenhum investimento.
    Assim, vi a cidade de São Paulo Crescer e o Grande São Paulo aparecer.
    A Zona Leste de São Paulo representa 50% da população da Cidade de São Paulo.
    Para efeito de transporte municipal está dividida em dois setores (3 e 4) com as linhas Metroferroviárias dividindo essas áreas. A área 3 ainda conta com a linha 12 enquanto a área 4 espera pelo Monotrilho que está em obras.
    Todos os Municipios que confrontam divisa com a Z. Leste são muito populosos, sendo Guarulhos de um lado (a 2ª maior do Estado) e Santo André pelo outro lado ( 4ª ou 5ª maior), o que acaba criando um fluxo muito grande de passageiros via zona leste.
    Muitos estudiosos afirmam que estas regiões cresceram devido ao transporte ferroviário.
    As outras regiões da Capital tem problemas de transporte também, porém, são mais pontuais, de suas próprias regiões, dependendo mais da prefeitura e seus departamentos viários, do que do Estado.
    Na nossa região, Raposo Tavares/Cotia, o desenvolvimento começou recentemente, coisa de 15 anos para cá, acentuando-se após o Rodoanel, com enfase residencial, porém, mais com a classe média, que possui mais de 1 automovel por familia e estudando e/ou trabalhando em São Paulo.
    A duplicação da Rodovia não previu um corredor de onibus, até porque, não tinha volume para tal.
    A mesma empresa de onibus opera há mais de 30 anos. Já teve composição tipo Romeu e Julieta para o horário de Pico, mas com passagem a quinze minutos.
    Assim, nunca teve “PRESSÃO POLITICA POPULACIONAL OU EXPRESSÃO POLITICA ELEITORAL”que funcionasse como alavanca junto ao poder público Estadual ou Federal.
    Para Metro ou Ferrovia não tem volume de passageiros que induza a PRIORIDADE.
    Existem áreas reservadas para estações futuras de metro (uma delas na entrada do Jardim d’abril na antiga pedreira da Firpavi) que acontecerão quando da expansão da linha 17 que ainda nem começou a ser executada, e que iria somente até a Granja Viana.(Previsão: depois de 2030)
    Pela EMTU as pesquisas mostraram o caminho de Corredor de Onibus no sentido de Cotia para a Ferrovia linha 8 em Jandira (se não me engano) .
    Resta-nos a esfera Municipal:Como deveria agir a Prefeitura numa situação assim:
    Criar seu próprio sistema de forma a atender dentro da Região de Cotia uma rede maior de linhas
    integradas a uma linha troncal e/ou expressas, que colocasse os passageiros na divisa com São Paulo (na divisa mesmo, muro com muro) em um terminal, retirando da Estrada os passageiros abandonados pelo sistema atual da Emtu e os abrigasse num terminal de integração equipado, conectado com as linhas da Capital.
    Como exemplo, temos linhas de São Paulo que chegam a divisa com Osasco, no Terminal da Vila Iara(Osasco)/Shopping Continental(São Paulo). Não há integração tarifaria, porém, possibilita
    agilidade no fluxo dos passageiros para diversas regiões de lá e de cá.

    Quem sabe não voltaria a funcionar a linha km 21/sp-Pinheiros ou Metro Butantã.

  22. Bela análise, Jair!
    Concordo com o Terminal na divisa, embora isto desconsiderasse um pouco o objetivo recém assumido pelo Governo de assimilar os 39 municípios da RMSP como uma só região para mobilidade.
    Seus números da Zona Leste são irrefutáveis, mas Cotia/Raposo/Embú TRAVOU e está sem perspectiva (2030 ??!). Moro mais pra frente que você e percebo crescente demanda reprimida. Semanas atrás andei na CPTM 8 e pude constatar os – altos – fluxos. No curto e médio prazo, linhas expressas (corredor na Raposo me parece impossível porque os carros realmente não têm opção) desde Vargem Grande Paulista até Metrô Butantã com eliminação da absurda Barra Funda e das Pinheiros em bons intervalos e paradas/passagens na Raposo bem projetadas fariam grande diferença.
    Ir de Cotia à CPTM 8 é muito válido, mas:
    – acesso a Itapevi é precário, lento, congestionado e requer obras viárias pesadas para acessar a estação da CPTM. Incluiria pesadas desapropriações e muito $.
    – Para Jandira é obra viária tão ou mais difícil.
    Alckmin prometeu, mas não disse como. Não vejo como ser viável sem altos custos, grandes obras e pesadas desapropriações. Me parece mais produtivo (+fácil, +barato) esticar a 8 até o Centro de Cotia, usando alguns túneis/viadutos.

    Galesi
    Agradeço também pela análise!
    M´Boi e Robert Kennedy então se trata de PRESENÇA da Prefeitura. De ter coragem para desmontar estas 50 e tantas linhas e fazer um BRT. OK, muito válido e útil enquanto trilhos não chegarem. Mas e a Metrô 5 ao Ângela?! não é tão prioritário quanto a outra ponta? Por que não fazer JUNTO (ou quase, já que a outra ponta finalmente desencantou)?!
    Concordo, a exemplo da Raposo, que é menos gente que a Zona Leste, mesmo sendo milhões de pessoas. Mas a oferta global de mobilidade também é MUITO menor.

    Saudações aos amigos.

  23. PAra resolver essa questão,se faz metrô, monotrilho ou corredor de ônibus na Celso Garcia, tem que olhar para a demanda.Alguns estudos feito pelo metrô para o longo prazo(2034), indicam que o modo mais adequado seja metrô convencional.Corredor de ônibus e monotrilhos não dariam conta da demanda. Muitos eixos de transporte em SP possuem demanda para um modo de alta capacidade (metrô) e mais um de média capacidade(cooredor de ônubus do tipo BRT ou similar.Esse é o caso do eixo da linha 4 do metrô.Melhorar o corredor de ônibus em sobre a linha é fundamental para ajudar a demanda nos momentos de pico.O mesmo pode-se dizer da Radial leste oeste em que um corredor entre o Parque Dom Pedro e Itaquera ajudará na demanda de dois modos de alta capacidade(metrô linha 3 + linha da CPTM).No mais, os corredores de ônibus devem servir para a integração com o metrô e trem. São Paulo é uma das maiores metróples do mundo e temos que considerar que,mesmo que o crescimento populacional caia nos próximos anos, deveremos ter quase 25 milhões de habitantes em 2040 na Grande São Paulo. Ou seja, se o sistema atual com os usuários , já está sobresaturado,imegine daqui a 20 anos. E mais.Será necessário tirar carros das ruas,pois é muito caro e inadequado aumentar o sistema viário. Esses só migrarão para o transporte se houver qualidade.Considerando tudo isso, deveremos dispor de uma rede complexa de alta e média capacidade,além de criar possibilidades de moradia perto do emprego e lazer e vice-versa.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: